O retorno para os formadores: análise da carta de uma professora de Inglês

Autores

  • Letícia Miranda Medeiros Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Faculdade de Formação de Professores, Programa de Pós-Graduação em Educação – Processos Formativos e Desigualdades Sociais. https://orcid.org/0000-0003-4233-8651
  • Helena Amaral da Fontoura Universidade do Estado do Rio de Janeiro, Faculdade de Formação de Professores, Programa de Pós-Graduação em Educação – Processos Formativos e Desigualdades Sociais. https://orcid.org/0000-0003-2795-8246

DOI:

https://doi.org/10.24220/2318-0870v27e2022a6536

Palavras-chave:

Educação de jovens e adultos, Egressos, Formação docente, Língua inglesa

Resumo

O contato com os egressos é uma das formas de a universidade tomar conhecimento das reais demandas encontradas na escola e, assim, pensar em ações práticas na formação que possam amenizar os desafios que os professores encontram em sala de aula. Este artigo tem por objetivo trazer reflexões sobre a formação de professores que atuarão na Educação de Jovens e Adultos. Para tanto, foi proposto a uma egressa do curso de Letras e atual professora de Inglês da Educação de Jovens e Adultos a escrita de uma carta endereçada aos formadores da Faculdade de Formação de Professores, Universidade do Estado do Rio de Janeiro. O objetivo do pedido de escrita de uma carta pessoal se deu pela necessidade de dar um retorno à instituição sobre como seus professores vêm contribuindo com a formação de seus ex-alunos. A carta foi analisada com base na metodologia da tematização proposta por Fontoura, que consiste em demarcar palavras, expressões ou temas para, assim, fazer a relação com os teóricos. Autores como Tardif, Freire, Nóvoa, entre outros, foram usados como aporte teórico para embasar o tema encontrado na carta, que é ‘o desafio de lecionar Inglês em turmas da Educação de Jovens e Adultos’. Com a análise da carta foi possível perceber a importância do estudo de textos de Paulo Freire na graduação e a relevância da discussão de pesquisas feitas com a Educação de Jovens e Adultos entre os professorandos para que os futuros professores compreendam que o ensino infantilizado precisa ser abolido nessa modalidade e para que aulas significativas possam ser disponibilizadas para esse público. Com isso, espera-se que, com a divulgação do resultado preliminar desta pesquisa, a Faculdade de Formação de Professores, da Universidade do Estado do Rio de Janeiro, como também outras instituições voltadas para a formação docente, insira em seus currículos temas associados às peculiaridades da Educação de Jovens e Adultos nas licenciaturas para que futuros professores lidem melhor com a diversidade etária e de interesses presentes nessas turmas. 

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barros, A. C.; Gomes, G. V. A. Reflexões sobre o ensino de Língua Inglesa na EJA: Interdisciplinaridade e heterogeneidade. In: V Seminário Nacional Formação de educadores de jovens e adultos, 2015, Campinas. Anais [...]. Campinas: Unicamp, 2015.

Brasil. Ministério da Educação. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Brasília: MEC, 1996.

Brasil. Parecer CNE/CP n° 22. Estabelece as Diretrizes Curriculares Nacionais para a Formação Inicial de Professores para a Educação Básica e Base Nacional Comum para a Formação Inicial de Professores da Educação Básica (BNC-Formação). Diário Oficial da União: seção 1, Brasília, p. 142, 7 nov. 2019.

Cunha, M. I. Conta-me agora! As narrativas como alternativas pedagógicas na pesquisa e no ensino. Revista da Faculdade de Educação, v. 23, n. 1-2, p. 185-195, 1997.

Esteves, M. Para um desenvolvimento profissional do professor ao longo da vida. Educação em Foco, v. 17, n. 23, p. 17-44, 2014. Doi: https://doi.org/10.24934/eef.v17i23.529

Fernandes, G. B. L. Universidade e inserção profissional: um estudo de egressos das Licenciaturas da Faculdade de Formação de Professores da UERJ. 2011. Dissertação (Mestrado em Educação – Processos Formativos e Desigualdades Sociais) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2011.

Ferraço, C. E. Currículos, conhecimentos, culturas e cotidianos escolares em narrativas e imagens. In: Fontoura, H. A.; Silva, M. (org.). Formação de Professores, Culturas: desafios à Pós-graduação em Educação em suas múltiplas dimensões. Rio de Janeiro: ANPEd Nacional, 2011. p. 144-171. Disponível em: http://www.fe.ufrj.br/anpedinha2011/livro2.html. Acesso em: 10 out. 2022

Fontoura, H. A. Tematização como proposta de análise de dados na pesquisa qualitativa. In: Fontoura, H. A. (org.). Formação de professores e diversidades culturais: múltiplos olhares em pesquisa. Niterói: Intertexto, 2011. p. 61-82.

Freire, P. Pedagogia da esperança: um reencontro com a pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2013.

Josso, M.-C. O Corpo Biográfico: corpo falado e corpo que fala. Educação e Realidade, v. 37, n. 1, p. 19-31, 2012.

Medeiros, L. M. Processos formativos de docentes de Inglês que trabalham na Educação de Jovens e Adultos: estudo com egressos da Faculdade de Formação de Professores da Universidade do Estado do Rio de Janeiro. 2017. 116 f. Dissertação (Mestrado em Educação – Processos Formativos e Desigualdades Sociais) – Universidade do Estado do Rio de Janeiro, 2017.

Medeiros, L. M.; Fontoura, H. A. Contribuições da Faculdade de Formação de Professores para a Educação de Jovens e Adultos. Revista Cadernos de Pesquisa: Pensamento Educacional, v. 14, n. 37, p. 172-189, 2019.

Miccoli, L. Valorizar a disciplina de Inglês e seu trabalho de professor. In: Cunha, A. G.; Miccoli, L. (org.). Faça a diferença: ensinar Línguas Estrangeiras na Educação Básica. São Paulo: Parábola Editorial, 2016. p. 14-36.

Nicolaci-da-Costa, A. M., Romão-Dias, D.; Di Luccio, F. Uso de entrevistas on-line no Método de Explicitação do Discurso Subjacente (MEDS). Psicologia: Reflexão e Crítica, v. 22, n. 1, p. 36-43, 2009.

Nóvoa, A. Desafios do trabalho do professor no mundo contemporâneo. Palestra - Livreto. São Paulo: SINPRO-SP, 2007.

Nóvoa, A.; Alvim, Y. Escolas e professores: proteger, transformar, valorizar. Salvador: SEC/IAT, 2022.

Organização das Nações Unidas para a Educação, a Ciência e a Cultura. Relatório Global sobre Aprendizagem e Educação de Adultos. Brasília: Unesco, 2010.

Passeggi, M. C.; Souza, E. C. O Movimento (Auto)Biográfico no Brasil: esboço de suas configurações no campo educacional. Investigación Qualitativa, v. 2, n. 1, p. 6-26, 2017. Doi: http://dx.doi.org/10.23935/2016/01032

Porcaro, R. C. Os desafios enfrentados pelo educador de jovens e adultos no desenvolvimento de seu trabalho docente.

EccoS–Revista Científica, n. 25, p. 39-57, 2011. Disponível em: https://www.redalyc.org/articulo.oa?id=71521708003. Acesso em: 10 set. 2022.

Ribas, F. C. Base Nacional Comum Curricular e o ensino de Língua Inglesa: refletindo sobre cidadania, diversidade e criticidade à luz do Letramento Crítico. Domínios de Linguagem, v. 12, n. 3, p. 1784-1824, 2018.

Ribas, F. C. Formação de professores de Língua Inglesa a distância: atividades de reflexão em fóruns de discussão. Fórum Linguístico, v. 13, n. 1, p. 1037-1054, 2016.

Sardinha, P. M. M. Letramento crítico: uma abordagem crítico-social dos textos. Linguagens e Cidadania, v. 20, p. 1-17, 2018. Doi: https://doi.org/10.5902/1516849232421

Souza Maria, L. S.; Fontoura, H. A. Docência inicial em Educação de Jovens e Adultos e a potência da narrativa como dispositivo de formação. Educação e Formação, v. 3, n. 8, p. 118-137, 2018. Doi: http://dx.doi.org/http://seer.uece.br/redufor

Tardif, M. Saberes profissionais dos professores e conhecimentos universitários. Elementos para uma epistemologia da prática profissional dos professores e suas consequências em relação à formação para o magistério. Revista Brasileira de Educação, n. 13, p. 5-24, 2000.

Tecchio, I.; Bittencourt, M. A Tradução no ensino-aprendizagem de línguas estrangeiras. Revista Magistro, v. 2, n. 1, p. 152-165, 2011.

Ventura, J. A EJA e os desafios da formação docente nas licenciaturas. Revista da FAEEBA – Educação e Contemporaneidade, v. 21, n. 37, p. 71-82, 2012.

Downloads

Publicado

2022-12-07

Como Citar

Medeiros, L. M., & Fontoura, H. A. da. (2022). O retorno para os formadores: análise da carta de uma professora de Inglês. Revista De Educação PUC-Campinas, 27. https://doi.org/10.24220/2318-0870v27e2022a6536