Arquitetura, uma expressão fantasística do desejo | Architecture, a phantasmatic expression of desire

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24220/2318-0919v18e2021a4803

Palavras-chave:

Arquitetura, Casa, Desejo, Fantasia, Psicanálise.

Resumo

Eminentemente teórico, o objetivo deste ensaio é refletir sobre a dimensão imaterial da arquitetura. O ponto de partida é o texto de Joseph Rykwert “On Adam’s house in Paradise”, no qual o autor postula uma casa para a alma. Uma promessa, tanto quanto uma memória, em suas palavras, situada no Paraíso. Do que fala Rykwert? Como e em que medida a cabana primitiva se fez memória e como essa memória instaura uma promessa? A que demandas essa promessa deve atender? De que natureza seria essa memória inextinguível? Tendo como referências a Teoria da Arquitetura (Zevi) e a Psicanálise (Freud e Winnicott), trabalha-se, ao longo do texto, com a hipótese de que a arquitetura, para além de sua materialidade, seria um elemento substitutivo de algo definitivamente perdido, uma criação fantasmática do desejo –conforme definido pela psicanálise –, produzida pela ilusão de restabelecimento de algo impossível de ser encontrado.

Biografia do Autor

Lúcia Leitão, Universidade Federal de Pernambuco.

Universidade Federal de Pernambuco, Departamento de Arquitetura e Urbanismo, Programa de Pós-Graduação em Desenvolvimento Urbano.

Referências

ANDRÉ, J. Les 100 mots de la psychanalyse. Paris: PUF, 2010.

BACHELARD, G. A poética do espaço. São Paulo: Abril Cultural, 1978. p.197. (Coleção Os Pensadores).

BORGES, J. Labirinto. In: Borges, J. L. Elogio da sombra. São Paulo: Globo, 2001. p. 31.

CASSIRER, E. Linguagem e mito. São Paulo: Perspectiva, 2013.

CHEMAMA, R. Dicionário de psicanálise. Porto Alegre: Artes Médicas, 1995. p. 71-224.

FREUD, S. Duelo y melancolia. In: TOGNOLA, J. (org.). Obras completas de Sigmund Freud. Madrid: Editorial Biblioteca Nueva,1973a. p. 2091-2100.

FREUD, S. El malestar en la cultura. In: TOGNOLA, J. (org.). Obras completas de Sigmund Freud. Madrid: Editorial Biblioteca Nueva, 1973b. p. 3017-3067.

FREUD, S. Inhibicion, sintoma y angustia. In: TOGNOLA, J. (org.). Obras completas de Sigmund Freud. Madrid: Editorial Biblioteca Nueva, 1973c. p. 2833-2883.

FREUD, S. La negacion. In: TOGNOLA, J. (org.). Obras completas de Sigmund Freud. Madrid: Editorial Biblioteca Nueva,1973d. p. 2884-2886.

FREUD, S. Mas alla del principio del placer. In: TOGNOLA, J. (org.). Obras completas de Sigmund Freud. Madrid: Editorial Biblioteca Nueva, 1973e. p. 2507-2541.

GARCIA-ROZA, A. O mal radical em Freud. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 2004. p. 15-17.

HEIDEGGER, M. Ensaios e conferências. Petrópolis: Vozes, 2001. p. 128.

LAPLANCHE, J.; PONTALIS, J-B. Vocabulaire de la psychanalyse. Paris: PUF, 2009. p. 209.

MILOSZ, O. Poèmes. Paris: Fourcade, 1929. p. 79.

MITSCHERLICH, A. Psychanalyse et urbanisme: réponse aux planificaturs. Paris: Gallimard, 1970.

NASIO, J.-D. 5 Lições sobre a teoria de Jacques Lacan. Rio de Janeiro: Jorge Zahar Editora, 1993. p. 93.

NORBERG-SCHULZ, C. Intenciones en arquitectura. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 1998. p. 15-17.

PEREIRA, M. O pânico e os fins da psicanálise: a noção de desamparo no pensamento de Lacan. Revista Percurso, Ano X, n. 19, p. 29-36, 1997.

RYKWERT, J. A casa de Adão no paraíso. São Paulo: Perspectiva, 2003. p. 6-218.

SALIGNON, B. La cité n’appartient à personne. Saint-Maximin: Théétète Éditions, 1997. p. 93-100.

SIMMEL, G. A metrópole e a vida mental. In: VELHO, G. (org.). O fenômeno urbano. Rio de Janeiro: Zahar Editores, 1976. p. 11-25.

ZEVI, B. Saber ver a arquitetura. Lisboa: Editora Arcádia, 1977. p. 18.

ZEVI, B. Architectura in Nuce. Lisboa: Edições 70, 1979. p. 72.

WINNICOTT, D. O brincar e a realidade. Rio de Janeiro: Imago, 1975. p. 224.

Downloads

Publicado

22-02-2021

Edição

Seção

Artigos Curtos