Entre riscos

o futuro dos refugiados ambientais atingidos pela mineração de sal-gema

Autores

  • Caroline Gonçalves dos Santos Universidade Federal de Alagoas, Faculdade de Arquitetura e Urbanismo, Curso de Arquitetura e Urbanismo https://orcid.org/0000-0001-5726-2632
  • Melissa Mota Alcides Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, Superintendência do Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional em Alagoas, Divisão Técnica https://orcid.org/0000-0001-6520-0511

DOI:

https://doi.org/10.24220/2318-0919v19e2022a5197

Palavras-chave:

Êxodo intraurbano, Maceió-AL, Mineradora, Pandemia, Risco geológico-geotécnico

Resumo

A cidade de Maceió, capital de Alagoas, tem sido
palco de um êxodo intraurbano em meio à pandemia do novo coronavírus. A atividade de mineração de sal-gema, por mais de quarenta anos, levou à desestabilização do solo, provocando rachaduras em imóveis e vias localizados nas superfícies dos poços de extração, que foram evidenciadas a partir de 2018, demandando a desocupação de pelo menos quatro bairros. O processo de remoção foi iniciado em janeiro de 2020 e teve continuidade, apesar da crise sanitária gerada pelo novo coronavírus, de modo que se tem mais de 57 mil refugiados ambientais diante de um contexto complexo de riscos, sejam eles: geológico-geotécnico, de contaminação pelo novo vírus, e/ou social, quando se agudizam as situações de vulnerabilidade. Este artigo objetiva discutir os impactos territoriais da mineração na cidade de Maceió e, sobretudo, na população atingida. Para tanto, foram feitos levantamentos de notícias, consulta aos relatórios divulgados, documentos oficiais, e entrevistas com as famílias realocadas. Com isso, identificam-se profundas modificações na dinâmica territorial da cidade, ainda não percebidas na sua totalidade em face à diminuição de circulação de pessoas durante a pandemia, bem como a grande pressão sobre o mercado imobiliário e o Estado em razão do aumento repentino pela busca de novas moradias. Entretanto, são os refugiados ambientais e a população do entorno imediato que convivem com o acúmulo de riscos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

BORGES, H. Aluguel sobe 22% no Farol. Gazetaweb, 30 jan. 2020. Disponível em: https://gazetaweb.globo.com/portal/noticia/2020/01/aluguel-sobe-22-no-farol-apos-acordo-com-abraskem-

para-realocar-17-mil-pessoas_96017.php. Acesso em: 20 mar. 2020.

BRASIL. Ministério das Cidades. Mapeamento de riscos em encostas e margem de rios. Brasília: Instituto de Pesquisas Tecnológicas, 2007.

BRASIL. Serviço Geológico do Brasil (CPRM). Estudo sobre a instabilidade do terreno nos bairros do Pinheiro, Mutange e Bebedouro, Maceió (AL). Brasília: Ministério de Minas e Energia, 2019. Relatório Síntese dos Resultados, v. 1, n. 1.

BRASKEM. Sítio da Braskem, 2021. Disponível em: https://www.braskem.com.br/alagoas. Acesso em: 6 ago. 2021.

CARVALHO, C. et al. CAJUFA 2020: diretrizes para análise de risco geológico-geotécnico em áreas urbanas. São Paulo: Editora Europa, 2020.

CÓLEN, R. Estudo que aponta causa de rachaduras no bairro do Pinheiro, em Maceió, deve ficar pronto em até 60 dias. G1 AL, 19 fev. 2018. Disponível em: https://g1.globo.com/al/alagoas/noticia/estudo-que-aponta-causa-de-rachaduras-no-bairro-do-pinheiro-em-maceio-deve-ficarpronto-em-ate-60-dias.ghtml. Acesso em: 30 nov. 2020.

EL-HINNAWI, E. Environmental Refugees. Nairobi: UNEP, 1985.

EM REUNIÃO, MORADORES DO PINHEIRO IRÃO PEDIR ALTERAÇÃO DE PONTOS PREVISTOS NO TERMO DE ACORDO COM A BRASKEM. Cada Minuto, 16 mar. 2020. Disponível em: https:// www.cadaminuto.com.br/noticia/2020/03/16/em-reuniao-moradores-do-pinheiro-irao-pediralteracao-

de-pontos-previstos-no-termo-de-acordo-com-a-braskem. Acesso em: 20 jul. 2020.

FEDERAÇÃO DAS INDÚSTRIAS DO ESTADO DE ALAGOAS. Trajetória da indústria em Alagoas: 1850/2017. Maceió: FIEA, 2018.

FLORÊNCIO, C. P. Geologia dos evaporitos paripueira na sub-bacia de Maceió, Alagoas região nordeste do Brasil. 2001. Tese. 177f. (Doutorado em Geociências) — Universidade de São Paulo, São Paulo, 2001.

GAMA, A.; MADEIRO, C. Vazamento em petroquímica intoxica 152 pessoas em Maceió: danos ambientais serão avaliados. UOL, 22 maio 2011. Disponível em: https://noticias.uol.com.br/cotidiano/ultimas-noticias/2011/05/22/vazamento-em-petroquimica-intoxica-152-pessoasem-maceio-danos-ambientais-serao-avaliados.htm?cmpid=copiaecola. Acesso em: 30 nov. 2020.

GOVERNO FEDERAL RECONHECE SITUAÇÃO DE EMERGÊNCIA DO BAIRRO DO PINHEIRO. G1 AL, 28 dez. 2018. Disponível em: https://g1.globo.com/al/alagoas/noticia/2018/12/28/governofederal-reconhece-situacao-de-emergencia-do-bairro-do-pinheiro.ghtml. Acesso em: 24 nov. 2020.

GUSTAVO, D.; RODRIGUES, C. O que se sabe sobre as rachaduras no Pinheiro. G1 AL, 17 jan. 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/al/alagoas/noticia/2019/01/17/o-que-se-sabe-sobre-asrachaduras- no-bairro-do-pinheiro-em-maceio.ghtml. Acesso em: 30 out. 2019.

HAESBAERT, R. Território e multiterritorialidade: um debate. GEOgraphia, ano IX, n. 17, p. 19-45, 2007.

JAPIASSU, L. Expansão urbana de Maceió, Alagoas: caracterização do processo de crescimento territorial urbano em face do plano de desenvolvimento - de 1980 a 2000. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) — Universidade Federal de Alagoas, Maceió, 2015.

MACEIÓ. Lei Municipal nº 5.593 de 08 de fevereiro de 2007. Institui o Código de Urbanismo e Edificações do Município de Maceió. Maceió: Serveal, 2007. Disponível em: http://www.serveal.al.gov.br/legislacao/codigos/Lei%20nb0%205.593_2007_Edif%20e%20Urb_Mcz.doc/view#:~:text=Lei%20Municipal%20n%C2%B0%205.593%2C%20DE%2008%20de%20fevereiro%20de%202007. Acesso em: 8 nov. 2020.

MORETTI, R. S. Cartas Geotécnicas e a remoção de famílias – o risco da troca de riscos. In: Simpósio Brasileiro de Cartografia Geotécnica e Geoambiental, 2015. São Paulo. Caderno de Resumos [...]. São Paulo: ABGE, 2015. v. 1, p. 1-5.

MOTA, R. A voz do cientista: “Se falarem em causa natural no Pinheiro, será indicação de fraude”. TNH1, 6 abr. 2019. Disponível em: http://blog.tnh1.com.br/ricardomota/2019/04/06/a-vozdo-cientista-se-falarem-em-causa-natural-no-pinheiro-sera-indicacao-de-fraude/. Acesso em: 03 nov. 2020.

NIXON, R. Slow violence and the environmentalism of the poor. Cambridge, Mass.: Harvard University Press, 2011.

PIMENTEL, E. Procura por imóveis cresce 30% na capital alagoana. TRIBUNAHOJE.com, 3 out. 2020. Disponível em: https://tribunahoje.com/noticias/economia/2020/10/03/procura-por-imoveiscresce-30-na-capital-alagoana/. Acesso em: 1 dez. 2020.

POLIVANOV, H.; BARROSO, E. Geotecnia urbana. In: GUERRA, A. J. T. (org.). Geomorfologia Urbana. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2011.

PREFEITURA DE MACEIÓ. Lei Municipal nº 5.486 de 30 de dezembro de 2005. Institui o Plano Diretor do Município de Maceió/AL. Câmara Municipal de Maceió. Maceió, 2005. Disponível em: http://www.maceio.al.gov.br/plano-diretor/. Acesso em: 7 nov. 2020.

PREFEITURA DE MACEIÓ DECRETA ESTADO DE CALAMIDADE PÚBLICA NO PINHEIRO, MUTANGE E BEBEDOURO. G1 AL, 26 mar. 2019. Disponível em: https://g1.globo.com/al/alagoas/noticia/2019/03/26/prefeitura-de-maceio-decreta-estado-de-calamidade-publica-no-pinheiromutange-e-bebedouro.ghtml. Acesso em: 24 nov. 2020.

PROBLEMA NO PINHEIRO JÁ DAVA SINAIS EM 2010. Gazetaweb, 30 mar. 2019. Disponível em: https://gazetaweb.globo.com/gazetadealagoas/noticia.php?c=333868. Acesso em: 27 set. 2020.

SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DO ESTADO DE ALAGOAS. Censo do Mercado Imobiliário 2017. [S.l.]: Sinduscon, 2017.

SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DO ESTADO DE ALAGOAS. Censo do Mercado

Imobiliário 2018. [S.l.]: Sinduscon, 2018.

SINDICATO DA INDÚSTRIA DA CONSTRUÇÃO DO ESTADO DE ALAGOAS. Censo do Mercado Imobiliário 2019. [S.l.]: Sinduscon, 2019.

SORTEIO DE UNIDADES DE RESIDENCIAL POPULAR NO RIO NOVO, EM MACEIÓ, SERÁ ON-LINE. G1 AL, 17 maio. 2020. Disponível em: https://g1.globo.com/al/alagoas/noticia/2020/05/17/sorteio-de-unidades-de-residencial-popular-no-rio-novo-em-maceio-sera-on-line.ghtml. Acesso em: 20 set. 2020.

VAINER, C. Conceito de “atingido”: Uma revisão do debate. In: ROTHMAN, F. Vidas Alagadas: conflitos socioambientais, licenciamento e barragens. Viçosa: Ed. UFV, 2008. p. 39-63.

VIEIRA, L. Audiência Pública: Instituto do Meio Ambiente do Estado de Alagoas IMA/AL. Brasília: Câmara dos Deputados, 2019.

VIEIRA, M. Meio ambiente: nova cidadania ou utopia de poucos? Maceió: EDUFAL, 2003.

Downloads

Publicado

2022-09-06

Como Citar

Santos, C. G. dos, & Alcides, M. M. (2022). Entre riscos: o futuro dos refugiados ambientais atingidos pela mineração de sal-gema. Oculum Ensaios, 19, 1–25. https://doi.org/10.24220/2318-0919v19e2022a5197

Edição

Seção

Dossiê “Cidade em tempos de pandemia”