Estudo qualitativo da percepção de usuários hipertensos e diabéticos sobre saúde na Atenção Primária

Autores

DOI:

https://doi.org/10.24220/2318-0897v30e2021a5047

Palavras-chave:

Acesso aos serviços de saúde, Atenção primária à saúde, Diabetes mellitus, Hipertensão, Pesquisa qualitativa.

Resumo

Objetivo
O estudo descreveu a percepção dos usuários hipertensos e diabéticos sobre atenção à saúde prestada em Unidades Básicas de Saúde.

Métodos
Métodos básicos adotados: estudo qualitativo ocorreu no município de Itapeva (SP), no
ano de 2015. Foram realizadas entrevistas semiestruturadas com 12 usuários acima de
18, durante mês e uma análise temática para interpretação.

Resultados
Foram identificados 2 eixos principais, a saber: 1) “Vivência do cuidado em Saúde” e 2) “Acessibilidade na atenção à Saúde”. No eixo 1, foram identificados subeixos: acolhimento, dificuldade de atendimento, agenda programada, atendimento a demanda espontânea, concentração nas especialidades médicas, acesso ao serviço de urgência. Já no eixo 2, os seguintes subeixos: dificuldade e facilidade de transporte do paciente ao serviço de urgência.

Conclusão

No cenário estudado, os usuários que se sentiram acolhidos perceberam como resolutiva a atenção. Esse cenário propõe que, nos espaços estudados, há limitações na execução de tarefas que são da competência da Atenção Primária à Saúde, e o modo como estão efetivando a atenção não favoreceu o entendimento correto do funcionamento da Atenção

Primária à Saúde proposto pelo Ministério da Saúde. Priorizar a educação em saúde e o empoderamento do usuário perante sua condição crônica são estratégias possíveis, consolidando a clínica ampliada. A necessidade de continuar estudos que explorem a percepção dos usuários com relação à atenção à saúde é relevante para compreender as
barreiras e pontos positivos do serviço, e assim auxiliar no seu planejamento estratégico de ações, programas e atividades destinados aos usuários com doenças crônicas não-transmissíveis.

Biografia do Autor

Priscila Nicoletti Neves Camargo, Universidade Estadual de Campinas

Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Departamento de Ciências da Saúde e Odontopediatria

Carla Fabiana Tenani, Universidade Estadual de Campinas

Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Departamento de Ciências da Saúde e Odontopediatria

Jaqueline Vilela Bulgareli, Universidade Federal de Uberlândia

Universidade Federal de Uberlândia, Faculdade de Odontologia, Departamento de Odontologia Preventiva e Social

Luciane Miranda Guerra, Universidade Estadual de Campinas

Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Departamento de Ciências da Saúde e Odontopediatria

Renato Pereira Silva, Universidade Federal de Viçosa

Universidade Federal de Viçosa, Faculdade de Nutrição, Departamento de Nutrição e Saúde

Marilia Jesus Batista, Universidade Estadual de Campinas e Faculdade de Medicina de Jundiaí

Universidade Estadual de Campinas, Faculdade de Odontologia de Piracicaba, Departamento de Ciências da Saúde e Odontopediatria

Faculdade de Medicina de Jundiaí, Departamento de Saúde Coletiva.

Referências

Matta GC, Morosini MVG. Atenção Primária à Saúde. Rio de Janeiro: Fio Cruz; 2009 [citado 17 set 2018] Disponível em: http://www.midias.epsjv.fiocruz.br/upload/d/Atencao_Primaria_a_Saude_-_recortado.pdf

Starfield B. Atenção primária: equilíbrio entre necessidades de saúde, serviços e tecnologia. Brasília: Ministério da Saúde; 2002.

Mendes EV. O cuidado das condições crônicas na atenção primária à saúde: o imperativo da consolidação da estratégia da saúde da família. Brasília: Organização Pan-Americana da Saúde; 2012. 512 p.

Schmidt MI, Duncan BB, Silva GA, Menezes AM, Monteiro CA, Barreto SM, et al. Doenças crônicas não transmissíveis no Brasil: carga e desafios atuais. Lancet. 2011[citado 2 mar 2016];377(9781):1949-1. Disponível em: http://www.idec.org.br/pdf/schmidtetal_lancet2011.pdf

Goulart FAA. Doenças crônicas não transmissíveis: estratégias de controle e desafios e para os sistemas de saúde. Brasília: Ministério da Saúde; 2011.

World Health Organization. The top 10 causes of death. Geneva: Organization; 2018 [cited 2018 Jun 29]. Available from: http://www.who.int/news-room/fact-sheets/detail/the-top-10-causes-of-death

World Health Organization. Global report on diabetes. Geneva: Organization; 2016 [cited 2016 Dec 17]. Available from: http://apps.who.int/iris/bitstream/10665/204871/1/9789241565257eng.pdf?ua=1

Ministério da Saúde (Brasil). Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica: hipertensão arterial sistêmica. Brasília: Ministério; 2013.

Ministério da Saúde (Brasil). Política Nacional de Atenção Básica. Brasília: Ministério; 2012.

Pereira MJB, Abrahão-Curvo P, Fortuna CM, Coutinho SS, Queluz MC, Campos LVO, et al. Avaliação das características organizacionais e de desempenho de uma unidade de Atenção Básica à Saúde. Rev Gaúcha Enferm. 2011;32(1):48-55. https://doi.org/10.1590/S1983-14472011000100006

Medeiros CGM. Redes de atenção a saúde: o dilema dos pequenos municípios [tese]. Porto Alegre: Universidade Federal do Rio Grande do Sul; 2013.

Minayo MCS. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. São Paulo: Hucitec; 2014. https://doi.org/10.1590/S1413-81232007000400030

Fundação Sistema Estadual de Análise de Dados. Perfil dos municípios paulistas: Itapeva. São Paulo: Fundação; 2015 [citado 29 out 2015]. Disponível em: https://perfil.seade.gov.br/?

Fontanella BJB, Ricas J, Turato ER. Amostragem por saturação em pesquisas qualitativas em saúde: contribuições teóricas. Cad Saúde Pública. 2008;24(1):17-27. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000100003

Minayo CS, Gomes SFDR. Pesquisa social: teoria, método e criatividade. 32a. ed. Petrópolis: Vozes; 2012.

Ministério da Saúde (Brasil). Estratégias para o cuidado da pessoa com doença crônica. Brasília: Ministério; 2014.

Oliveira LH, Mattos RA, Souza AIS. Cidadãos peregrinos: os “usuários” do SUS e os significados de sua demanda a prontos-socorros e hospitais no contexto de um processo de reorientação do modelo assistencial. Ciênc Saúde Coletiva. 2009;14(5):1929-38. https://doi.org/10.1590/S1413-81232009000500035

Ministério da Saúde (Brasil). Acolhimento à demanda espontânea. Brasília: Ministério; 2011.

Tesser CD, Poli Neto P, Campos GWS. Acolhimento e (des)medicalização social: um desafio para as equipes de saúde da família. Ciênc Saúde Coletiva. 2010;15(3):3615-24. https://doi.org/10.1590/S1413-81232010000900036

Ministério da Saúde (Brasil). Humaniza SUS: documento base para gestores e trabalhadores do SUS. 4a. ed. Brasília: Ministério; 2010.

Turrini RNT, Lebrão ML, Cesar CLG. Resolutividade dos serviços de saúde por inquérito domiciliar: percepção do usuário. Cad Saúde Pública. 2008 ;24(3):663-74. https://doi.org/10.1590/S0102-311X2008000300020

Santos JLG, Pestana AL, Higashi GDC, Oliveira RJT, Cassetari SSR, Erdmann AL. Contexto organizacional e gerência do cuidado pelos enfermeiros em unidades de pronto atendimento. Rev Gaúcha Enferm. 2014;35(4):58-64. https://doi.org/10.1590/1983-1447.2014.04.45221

Corrêa ACP, Ferreira F, Cruz GSP, Pedrosa ICF. Acesso a serviços de saúde: olhar de usuários de uma unidade de saúde da família. Rev Gaúcha Enferm. 2011;32(3):451-7. https://doi.org/10.1590/S1983-14472011000300003

Silva Júnior ES, Medina MG, Aquino R, Fonseca ACF, Vilasbôas ALQ. Acessibilidade geográfica à atenção primária à saúde em distrito sanitário do município de Salvador, Bahia. Rev Bras Saúde Matern Infant. 2010;10(1):49-60. https://doi.org/10.1590/S1519-38292010000500005

Downloads

Publicado

11-03-2021

Edição

Seção

Artigos Originais