Gestão Pública do Mobiliário Urbano

Autores

  • Luiz Fernando Campanella Rocha Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Palavras-chave:

mobiliário urbano, gestão pública, design.

Resumo

O artigo discorre sobre modelos de gestão de mobiliários urbanos. Foram escolhidas três experiências: Curitiba e as Estações-Tubo, São Paulo e as Estações de Transferência, e o
Rio de Janeiro com os abrigos de ônibus do Leblon. A compreensão dos ambientes políticos, sociais, históricos e de planejamento dos sistemas de transporte foram consultados e
servem de base para a análise dos equipamentos. Desenvolveram-se uma metodologia para melhor compreensão das fases de concepção, produção e uso desses equipamentos,
bem como uma avaliação das potencialidades desses equipamentos nos locais onde foram implantados. O texto pretende demonstrar a importância desses equipamentos na construção de identidade visual dos governos que os conceberam.
PALAVRAS-CHAVE: mobiliário urbano, gestão pública, design.

Biografia do Autor

Luiz Fernando Campanella Rocha, Pontifícia Universidade Católica de Campinas

Mestre em Urbanismo, 2005, pelo Programa de Pós-Graduação em Urbanismo Professor da Faculdade de Arquitetura e Urbanismo CEATEC PUC-Campinas

Referências

DAVIS, M. Cidade de quartzo. São Paulo: Cidade

Aberta, 1993. (1.ed. 1990)

GELH, J.; GEMZOE, L. Novos espaços urbanos. Barcelona:

Gustavo Gilli, 2002.

GHIRARDO, D. Arquitetura contemporânea: uma histó-

ria concisa. São Paulo: Martins Fontes, 2002. (1.ed.

MONTANER, J. M. Depois do movimento moderno.

Arquitetura da segunda metade do século XX. Barcelona:

Gustavo Gilli, 2001.

SANTOS, M. Por uma nova geografia. Da crítica da geografia

a uma geografia crítica. São Paulo: Edusp,

SENNET, R. O declínio do homem público: as tiranias da

intimidade. São Paulo: Cia. das Letras, 1976.

Downloads

Publicado

04-02-2013

Edição

Seção

Artigos de Pesquisa