Campo psicossocial e jurídico: relações de poder nas decisões de conflito familiares

Autores

  • Marcia Regina Ribeiro dos SANTOS Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios
  • Liana Fortunato COSTA Universidade de Brasília

Palavras-chave:

Família; Fatores psicossociais; Justiça social; Poder

Resumo

Este artigo discute, a partir da experiência adquirida por profissionais psicossociais do Serviço de Atendimento a Famílias com Ação Cível do Tribunal de Justiça do Distrito Federal e dos Territórios, as relações de poder presentes nos campos familiar, psicossocial e jurídico, com base em autores da Terapia Familiar, da Psicologia Jurídica e da Sociologia que fundamentem as questões apresentadas. O caso de Lorena ilustra o poder que existe nessas relações e nas inter-relações dos diferentes campos sociais, quando os avós materno e paterno disputam sua guarda na Justiça. Embora haja interesse da equipe psicossocial em compartilhar conhecimento com os profissionais do Direito, observou-se que o poder que perpassa pelos campos aqui referidos, apenas em parte atendeu à resolução do pleito. Ao final, questiona-se quanto ao futuro da família, à eficácia do trabalho dos profissionais do setor psicossocial e à participação da Justiça na disputa.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Anderson, H., & Goolishian, H. (1998). O cliente é o especialista: a abordagem terapêutica do não-saber. In S. McNamee & J. K. Gergen (Orgs.), A terapia como construção social (pp.34-50). Porto Alegre: Artes Médicas.

Ausloos, G. (1996). A competência da família: tempo, caos e processo. Coleção sistemas, famílias e terapias. Lisboa: Climepsi editores.

Bourdieu, P. (1997). Meditações pascalianas Rio de Janeiro: Bertrand Brasil.

Brandão, S. N & Costa, L. F. (2004). Visita domiciliar como proposta de intervenção comunitária. In M. A. Ribeiro & L. F. Costa (Orgs.), Família e problemas na contemporaneidade: reflexões e intervenções do Grupo Socius (pp157-179). Brasília: Universa.

Brito, L. M. T. (2005). Reflexões em torno da psicologia jurídica. In R. M. Cruz, S. K. Maciel & D. C. Ramirez (Orgs.), O trabalho do psicólogo no campo jurídico (pp.9-17). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Calil, V. L. L. (1987). Terapia familiar e de casal. São Paulo: Summus.

Costa, L. F., Penso. M. A., Almeida, T. M. C, & Ribeiro, M. A. (2008). A justiça é demorosa, burra e cega, percepções de famílias sobre a dimensão jurídica dos crimes de abuso sexual. Boletim de Psicologia, 58 (128), 85-102.

Costa, L. F., Penso, M. A., Legnani, V. N. & Sudbrack, M. F. O. (2009). As competências da Psicologia Jurídica na avaliação psicossocial de famílias em conflito. Psicologia & Sociedade, 21 (2), 233-241.

Cruz, R. M., Maciel, S. K. & Ramirez, D. C. (2005). Apresentação. In R. M. Cruz, S. K. Maciel, & D. C. Ramirez, (Orgs.), O trabalho do psicólogo no campo jurídico (pp. 7-8). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Enriquez, E. (2007). As figuras do poder. São Paulo: Via Lettera Falcão, D. V. S & Salomão, M. N. R. (2005). O papel dos avós na maternidade adolescente. Estudos de Psicologia (Campinas), 22 (2). Recuperado em junho 2, 2010, disponível em http://www.scielo.br doi: 10.1590/S0103-166 X2005000200010.

Foucault, M. (1998). Microfísica do poder Rio de Janeiro: Graal.

Grandesso, M. A. (2000). Sobre a reconstrução do significado: uma análise epistemológica e hermenêutica da prática clínica São Paulo: Casa do Psicólogo.

Granjeiro, I. A. C. L. (2006). Psicologia e direito: interdisciplinaridade no conflito familiar violento Dissertação de mestrado não-publicado, Universidade de Brasília.

Granjeiro, I. A. C. L, & Costa, L. F. (2008). O estudo psicossocial forense como subsídio para a decisão judicial na situação de abuso sexual. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 24 (2), 161-169.

Hoffman L. (1998). Uma postura reflexiva para a terapia de família. In S. McNamee & J. K Gergen (Orgs.), A terapia como construção social (pp.13-33). Porto Alegre: Artes Médicas.

Lima, H. G. D. & Fonseca, M. A. M. (2008). O Estudo psicossocial e a "Nova justiça". In L. F. Costa & H. G. D. de Lima (Orgs.), Abuso sexual. a justiça interrompe a violência (pp.19-32). Brasília: Liber Livros.

Miermont, J. (1987). Dictionnaire des Thérapies Familiales Paris: Payot.

Nery, M. P. & Costa, L. F. (2008). A pesquisa em psicologia clínica: do indivíduo ao grupo. Estudos de Psicologia (Campinas), 25 (2). Recuperado em junho 2, 2010, disponível em http://www.scielo.br, doi: 10.1590/S0103-16 6X2008000200009.

Neves, A. S., & Romanelli, G. (2006). A violência doméstica e os desafios da compreensão interdisciplinar. Estudos de Psicologia (Campinas), 23 (3), Recuperado em junho 2, 2010, disponível em http://www.scielo.br, doi: 10.1590/S0103-166X2006000300009.

Nichols, M. P. & Schwartz, R. C. (2007). Terapia familiar conceitos e métodos (7Ş ed). Porto Alegre: Artmed.

Penso, M. A., Costa, L. F., & Ribeiro, M. A. (2008). Aspectos teóricos da transmissão geracional e do genograma. In M. A. Penso & L. F. Costa (Orgs.), A transmissão geracional em diferentes contextos; da pesquisa à intervenção (pp.9-23). São Paulo: Summus.

Ribeiro, R., & Costa, L. F. (2007). As emoções do profissional psicossocial frente à situação de abuso sexual infantil. Estilos da Clínica, 12 (23), 130-147.

Shine, S. (2005). Avaliação psicológica em contexto forense. In S. Shine (Org.), Avaliação psicológica e lei: adoção, vitimização, separação conjugal, dano psíquico e outros temas (pp.1-18). São Paulo: Casa do Psicólogo.

Vasconcellos, M. J. E. (2002). Pensamento sistêmico: o novo paradigma da ciência. São Paulo: Papirus.

Downloads

Publicado

2022-12-01

Como Citar

SANTOS, M. R. R. dos ., & COSTA, L. F. (2022). Campo psicossocial e jurídico: relações de poder nas decisões de conflito familiares. Estudos De Psicologia, 27(4). Recuperado de https://seer.sis.puc-campinas.edu.br/estudos/article/view/7179