Práticas educativas parentais em relação ao filho único e ao primogênito

Autores

  • Ana Paula Corrêa de Oliveira FREITAS Universidade Federal do Rio Grande do Sul
  • Cesar Augusto PICCININI Universidade Federal do Rio Grande do Sul

Palavras-chave:

Atitudes parentais; Educação infantil; Filhos únicos

Resumo

O objetivo deste estudo foi examinar eventuais diferenças das práticas educativas parentais em relação a filhos únicos e primogênitos de famílias com dois filhos. Participaram 12 famílias com filho único e 10 com dois filhos, emparelhadas conforme o nível socioeconômico, idade e gênero das crianças. A idade dos filhos únicos variou entre 4,6 e 6,1 anos (M=5,5, DP=0,51) e a dos primogênitos entre 4,3 e 6,3 anos (M=5,1, DP=0,78). Mães e pais dos dois grupos responderam a uma entrevista sobre práticas educativas parentais, cujas respostas foram submetidas à análise de conteúdo. O teste do qui-quadrado revelou diferença marginalmente significativa somente nas práticas maternas e paternas em relação ao filho único. Verificou-se semelhança nas práticas educativas entre mães e pais em ambos os grupos. Os resultados foram discutidos à luz da literatura, buscando entender os fatores que podem contribuir para explicar semelhanças das práticas educativas utilizadas para filhos únicos e primogênitos.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alvarenga, P., & Piccinini, C. A. (2001). Práticas educativas maternas e problemas de comportamento em préescolares. Psicologia: Reflexão e Crítica, 14 (3), 449-460.

Alonso, L., Wagner, A., & Castellá (2006). Prácticas educativas em famílias brasileñas de nível sócio-económico bajo. Cultura y Educación, 18 (1), 69-81.

Anastasi, A., & Urbina, S. (2000). Testagem psicológica Porto Alegre: Artes Médicas.

Bardin, L. (1977). Análise de conteúdo Lisboa: Edição 70.

Belsky, J. (1984). The determinants of parenting: a process model. Child Development, 55, 83-54.

Biasoli-Alves, Z. M. M. (1997). Famílias brasileiras do século XX: os valores e as práticas de educação da criança. Temas em Psicologia, 5 (3), 33-49.

Brody, G. H. (2004). Sibling's direct and indirect contributions to child development. Current Directions in Psychological Sciences, 13 (3), 124-126.

Cia, F., Pereira, C. S., Del Prette, Z. A. P., & Del Prette, A. (2006). Habilidades sociais parentais e o relacionamento entre pais e filho. Psicologia em Estudo, 11 (1), 73-81.

Conselho Federal de Psicologia. (2000). Resolução nº 016/2000 Brasília: Autor.

Conselho Nacional de Saúde. (1996). Resolução nº 196/1996 Brasília: Autor.

Costa, F. T, Teixeira, M. A. P., & Gomes, W. B. (2000). Responsividade e exigência: duas escalas para avaliar estilos parentais. Psicologia: Reflexão e Crítica, 13 (3), 465-473.

Deater-Deckard, K., Smith, J. Ivy, L., & Petril, S. A. (2005). Differential perceptions of and feelings about sibling children: implications for research on parenting stress. Infant and Child Development, 14 (2), 211-225.

Dessen, M. A. S. C. (1992). Efeitos do nascimento de uma segunda criança no comportamento e nas relações entre o primogênito e os genitores. Tese de doutorado não-publicada, Universidade de São Paulo.

Dessen, M. A. (1997). Desenvolvimento familiar: transição de um sistema triádico para um sistema poliádico. Temas em Psicologia, 5 (3), 51-61.

Doh, H. S., & Falbo, T. (1999). Social competence, maternal attentiveness, and overprotectiveness: only child in Korea. International Journal of Behavioral Development, 23 (1), 149-162.

Downey, D. B. (2001). Number of siblings and intellectual development: the resource dilution explanation. American Psychologist, 56 (6/7), 497-504.

Dunn, J., & Kendrick, C. (1981). Interaction between young siblings: association with the interaction between mother and first born child. Developmental Psychology, 17 (3), 336-343.

Dunn, J., Plomin, R., & Daniels, D. (1986). Consistency and change in mothers' behavior toward young siblings. Child Development, 57 (2), 348-356.

Falbo, T., & Polit, D. F. (1986). Quantitative review of the only child literature: research evidence and theory development. Psychological Bulletin, 100 (2), 176-189.

Fox, R. A., Platz, D. L., & Bentley, K. S. (1995). Maternal factors related to parenting practices, developmental expectations, and perceptions of child behavior problems. Journal of Genetic Psychology, 156 (4), 431-441.

Griffin, E. W., & de la Torre, C. (1985). New baby in the house: sibling jealousy. Medical Aspects of Human Sexuality, 19 (3), 110-116.

Grusec, J. E., & Kuczynski, L. (1980). Direction of effect in socialization: a comparison of the parent's versus the child's behavior as determinants of disciplinary techniques. Developmental Psychology, 16 (1), 1-9.

Herrera, N. C., Zajonc, R. B., Wieczorkowska, G., & Cichomski, B. (2003). Beliefs about birth rank and their reflection in reality. Journal of Personality and Social Psychology, 85 (1), 142-150.

Hoffman, M. L. (1975). Moral internalization, parental power and the nature of parent-child interaction. Developmental Psychology, 11 (2), 228-239.

Hoffman, M. L. (1994). Discipline and internalization. Developmental Psychology, 30, 26-28.

Jiao, S., Ji, G., & Jing, Q. (1986). Comparative study of behavioral qualities of only children and sibling children. Child Development, 57 (2), 357-361.

Kendrick, K., & Dunn, J. (1980). Caring for a second baby: effects on interaction between mother and first born. Developmental Psychology, 16 (4), 303-311.

Kowaleski-Jones, L., & Dunifon, R. (2004). Children's home environments: understanding the role of family structure changes. Journal of Family Issues, 25 (1), 3-28.

Mancillas, A. (2006). Challenging the stereotypes about only children: a review of the literature and implications for practice. Journal of Counseling & Development, 84 (3), 268-275.

McHalle, S. M., Crouter, A. C., McGuire, S. A., & Updegraff, K. A. (1995). Congruence between mothers' and fathers' differential treatment of siblings: links with family relations and children's well-being. Child Development, 66 (1), 116-128.

Minuchin, P. (1985). Families and individual development: provocations from the field of family therapy. Child Development, 56 (2), 289-302.

Mussun-Miller, L. (1993). Sibling status effects: parents' perceptions of their own children. Journal of Genetic Psychology, 154 (2), 189-198.

Nachmias, C., & Nachmias, D. (1996). Research methods in the social sciences London: Arnold.

Newcombe, N. (1999). Socialização no cenário da família. In N. Newcombe (Org.), Desenvolvimento infantil: abordagem de Mussen (pp.336-363). Porto Alegre: Artes Médicas.

Nichols, M. P., & Schwartz, R. C. (1998). Primeiros modelos e técnicas básicas: processos de grupo e análises das comunicações. In M. P. Nichols & R. C. Schwartz (Orgs.), Terapia familiar: conceitos e métodos (pp.153-185). Porto Alegre: Artes Médicas.

Oliveira, D. S. (2005). Os comportamentos de dependência e de independência do primogênito e as percepções maternas no contexto de gestação do segundo filho. Dissertação de mestrado não-publicada, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Pereira, C. R. R. (2006). Impressões e sentimentos maternos sobre o relacionamento mãe-primogênito durante a gestação do segundo filho. Dissertação de mestrado não-publicada, Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre.

Piccinini, C. A., Castro, E. K., Alvarenga, P., Vargas, S., & Oliveira, V. Z. (2003). A doença crônica orgânica na infância e as práticas educativas maternas. Estudos de Psicologia (Natal), 8 (1), 75-83.

Piccinini, C. A., Frizzo, G. B., Alvarenga, P., Lopes, R. S., & Tudge, J. (2007). Práticas educativas de pais e mães de crianças aos 18 meses de idade. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23 (4),369-378.

Polit, D. F., & Falbo, T. (1987). Only children and personality development: a quantitative review. Journal of Marriage and the Family, 49 (2), 309-325.

Salvo, C. G., Silvares, E. F. M., & Toni, P. M. (2005). Práticas educativas como forma de predição de problemas de comportamento e competência social. Estudos de Psicologia (Campinas), 22 (2), 187-195. doi: 10.1590/S0103-166X2005000200008.

Szymanski, H. (2004). Práticas educativas familiares: a família como foco de atenção psicoeducacional. Estudos de Psicologia (Campinas), 21 (2), 5-12. doi: 10.1590/S0103-166X2004000200001.

Tudge, J., Hayes, S., Doucet, F., Odero, D., Kulakova, N., Tammeveski, P., et al. (2000). Parents' participation in cultural practices with their preschoolers. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 16 (1), 1-11.

Velásquez, A. M. Q. (1997). Cambios en la dinâmica familiar durante la gestación y el posparto. Investigación y Educación en Enfermería, 15 (1), 109-119.

Downloads

Publicado

2022-12-01

Como Citar

FREITAS, A. P. C. de O. ., & PICCININI, C. A. . (2022). Práticas educativas parentais em relação ao filho único e ao primogênito. Estudos De Psicologia, 27(4). Recuperado de https://seer.sis.puc-campinas.edu.br/estudos/article/view/7175