Lei Maria da Penha: as representações do judiciário sobre a violência contra as mulheres

Autores

  • Madge PORTO Universidade Federal do Acre
  • Francisco Pereira COSTA Universidade Federal do Acre

Palavras-chave:

Poder judiciário; Representações; Violência contra as mulheres

Resumo

Este estudo teve como objetivo identificar as representações de juízes sobre a violência contra as mulheres, de forma a compreender como tais representações pessoais podem ou não influenciar as decisões prolatadas em suas sentenças. Foi realizada a análise de conteúdo de 15 sentenças, proferidas entre setembro de 2006 e agosto de 2007, correspondente ao primeiro ano de vigência da Lei 11.340/2006, conhecida como Lei Maria da Penha, em uma cidade da região Norte do Brasil. Nesse contexto, pode-se afirmar que os magistrados percebem a violência contra as mulheres como elemento constitutivo das relações entre gêneros, como um fato que não oferece perigo para elas e que não se enquadra no estatuto jurídico, não configurando crime. Há uma naturalização do lugar social definido para as mulheres pela sociedade patriarcal e a consequente invisibilidade das várias formas de violência por elas sofrida, o que dificulta o acesso à Justiça.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alexy, R. (2005) Teoria da argumentação jurídica: a teoria do discurso racional como teoria da justificação jurídica (2Ş ed.). São Paulo: Landy.

Alves, A. M., & Coura-Filho, P. (2001). Avaliação das ações de atenção às mulheres sob violência no espaço familiar, atendidas no Centro de Apoio à Mulher (Belo Horizonte) entre 1996 e 1998. Ciência & Saúde Coletiva, 6 (1), 243-257.

Anchieta, V. C. C., & Galinkin, A. L. (2005). Policiais civis: representando a violência. Psicologia e Sociedade, 17 (1), 17-28.

Badin, L. (1997). Análise de conteúdo Lisboa: Edições 70.

Barsted, L. L., & Hermann, J. (2001a). Instrumentos internacionais de proteção aos direitos humanos: os direitos das mulheres são direitos humanos. Rio de Janeiro: CEPIA.

Barsted, L. L., & Hermann, J. (2001b). As mulheres e os direitos humanos: os direitos das mulheres são direitos humanos. Rio de Janeiro: CEPIA.

Beauvoir, S. (1967). O segundo sexo (2Ş ed.). São Paulo: Difusão Européia de Livros.

Brandão, E. R. (1998). Violência conjugal e o recurso feminino à polícia. In C. Bruschini & H. B. Holanda (Orgs.), Horizontes plurais: novos estudos de gênero no Brasil (pp.53-84). São Paulo: Editora 34.

Brasil. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. (2003). Programa de prevenção, assistência e combate à violência contra a mulher: plano nacional: diálogos sobre violência doméstica e de gênero: construindo políticas públicas. Brasília: Autor.

Brasil. Presidência da República. Secretaria Especial de Políticas para as Mulheres. (2006). Lei Maria da Penha Lei n. 11.340 de 7 de agosto de 2006 coíbe a violência doméstica e familiar contra a mulher Brasília: Autor.

Costa, J. F. (1989). Ordem médica e norma familiar (3Ş ed.). Rio de Janeiro: Edições Graal.

Cruz, R. A. (2002). Os crimes sexuais e a prova material. Cadernos Themis Gênero e Direito, 3, 79-100.

Debert, G. G., & Oliveira, M. B. de. (2007). Os modelos conciliatórios de solução de conflitos e a "violência doméstica". Cadernos Pagu, 29, 305-337.

Diniz, S. G., Silveira, L. P., & Mirim, L. A. (Orgs.) (2006). Vinte e cinco anos de respostas brasileiras em violência contra a mulher: alcances e limites (pp.266-287). São Paulo: Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde.

Fontes, A. & Neves, M. G. (1993). Gestão municipal e perspectiva de gênero. Revista de Administração Municipal, 206, 52-63.

Giffin, K. (1994). Violência de gênero, sexualidade e saúde. Cadernos de Saúde Pública, 10 (Supl. 1), 146-155.

Guimarães, F., Silva, E. C., & Maciel, S. A. B. (2007). "Mas Ele diz que me ama...": cegueira relacional e violência conjugal. Psicologia: Teoria e Pesquisa, 23 (4), 481-482.

Heise, L., Pitanguy, J., Germain, A. (1994). Violencia contra la mujer: carga de salud oculta [mimeo]. Manuscript published as: violence against women: the hidden health burden Washington, D.C.: The international Bank for Reconstruction and Development/The World Bank.

Meneghel, S. N., Barbiani, R., Steffen, H., Wunder, A. P., Dalla Roza, M., Rotermund, J., et al. (2003). Grupos de mulheres em situação de vulnerabilidade de gênero. Cadernos de Saúde Pública, 19 (4), 955-963.

Mirim, L. A. (2006). Balanço do enfrentamento da violência contra a mulher na perspectiva da saúde mental. In S. G. Diniz, L. P. Silveira & L. A. Mirim (Orgs.), Vinte e cinco anos de respostas brasileiras em violência contra a mulher: alcances e limites (pp.266-287). São Paulo: Coletivo Feminista Sexualidade e Saúde.

Moscovici, S. (1978). A representação social da psicanálise. Rio de Janeiro: Zahar.

Nascimento-Schulze, C. M., & Camargo, B. V. (2000). Psicologia social, representações sociais e métodos. Temas em Psicologia da SBP, 8 (3), 287-299.

Oliveira, J. M., & Amâncio, L. (2006). Teorias feministas e representações sociais: desafios dos conhecimentos situados para a psicologia social. Estudos Feministas,14 (3), 597-615.

Pinto, C. R. J. (2003). Uma história do feminismo no Brasil São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Portella, A. P. (2000). Abordagem social sobre a violência e saúde das mulheres. Jornal da Redesaúde, 22, 17-19.

Porto, M. S. G. (2006). Crenças, valores e representações sociais da violência. Sociologias, 16, 250-273.

Porto, M., Santos, M. L. G., & Leite, M. F. A. (2008). Os crimes contra as mulheres e a perícia psicológica no contexto da Lei Maria da Penha (Lei nş. 11.340/2006). In F. P. Costa (Org.), Lei Maria da Penha: aplicação e eficácia no combate à violência de gênero (pp.58-68). Rio Branco: Edufac.

Sabadell, A. L. (2005). Manual de sociologia jurídica: introdução a uma leitura externa do direito (3Ş ed.). São Paulo: Revista dos Tribunais.

Saffioti, H. L. B. (2004). Gênero, patriarcado, violência São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Scott, J. (1990). Gênero: uma categoria útil de análise histórica. Educação e Realidade, 16 (2), 5-22.

Silva, M. D. (1999). Violência doméstica e sexual: o invisível e o indizível nas relações de gênero. In M. Ferreira (Org.), Mulher, gênero e políticas públicas (pp.11-118). São Luiz: UFMA.

Soares, B. M. (2005). Enfrentando a violência contra a mulher: orientações práticas para profissionais e voluntários(as) Brasília: Secretaria Especial de Política para as Mulheres.

Streck, L. L. (2002). Os crimes sexuais e o papel da mulher no contexto da crise do Direito: uma abordagem hermenêutica. Cadernos Themis Gênero e Direito, 3, 135-164.

Venturi, G., Recamán, M., & Oliveira, S. (Org.) (2004). A mulher brasileira nos espaços públicos e privados. São Paulo: Fundação Perseu Abramo.

Downloads

Publicado

2022-12-01

Como Citar

PORTO, M. ., & COSTA, F. P. . (2022). Lei Maria da Penha: as representações do judiciário sobre a violência contra as mulheres. Estudos De Psicologia, 27(4). Recuperado de https://seer.sis.puc-campinas.edu.br/estudos/article/view/7172