Estímulos e barreiras à criatividade na educação a distância

Autores

  • Thaïs Cardoso SATHLER Instituto de Pesquisa Econômica Aplicada
  • Denise de Souza FLEITH Universidade de Brasília

Palavras-chave:

Criatividade; Educação a distância; Estudantes universitários; Métodos de ensino

Resumo

Este estudo investigou estímulos e barreiras à criatividade na educação a distância. Participaram desta pesquisa 122 alunos de um curso de graduação naquela modalidade. Utilizou-se uma escala que avaliava a percepção dos alunos tanto acerca da implementação, realizada por seu tutor, de práticas pedagógicas que favorecem o desenvolvimento e expressão da criatividade, quanto acerca das barreiras à criatividade na educação a distância. Foram analisados aspectos do projeto político-pedagógico relativos ao desenvolvimento/expressão da criatividade. Os resultados indicaram que práticas pedagógicas que favorecem a criatividade são desenvolvidas pelos tutores. A barreira à criatividade mais citada refere-se à dificuldade de gerenciar o tempo. O projeto político-pedagógico do curso contempla a criatividade e formas de desenvolvê-la na educação a distância. A identificação de estímulos e barreiras à criatividade possibilita que intervenções sejam planejadas e implementadas a fim de catalisar o desenvolvimento/expressão do potencial criativo.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Alencar, E. M. L. (1996). A gerência da criatividade São Paulo: Makron

Alencar, E. M. L. S. (1997). O estímulo à criatividade no contexto universitário. Psicologia Escolar e Educacional, 1 (2-3), 29-37.

Alencar, E. M. L. S. (2001). Criatividade e educação de superdotados. Petrópolis: Vozes.

Alencar, E. M. L. (2002). O estímulo à criatividade em programas de pós-graduação segundo seus estudantes. Psicologia: Reflexão e Crítica, 15 (1), 63-70.

Alencar, E. M. L. S., & Fleith, D. S. (2003a). Criatividade: múltiplas perspectivas. Brasília: EdUnB.

Alencar, E. M. L. S., & Fleith, D. S. (2003b). Barreiras à criatividade pessoal entre professores de distintos níveis de ensino. Psicologia: Reflexão e Crítica, 16 (1), 63-69.

Alencar, E. M. L. S., & Fleith, D. S. (2004). Inventário de práticas docentes que favorecem a criatividade no ensino superior. Psicologia: Reflexão e Crítica, 17 (1), 105-110.

Alencar, E. M. L. S., Fleith, D. S., & Martínez, A. M. (2003). Obstacles to personal creativity between Brazilian and Mexican university students: a comparative study. Journal of Creative Behavior, 37 (3), 179-192.

Almeida, M. E. B. (2003). Educação a distância na internet: abordagens e contribuições dos ambientes digitais de aprendizagem. Educação e Pesquisa, 29 (2), 327-340.

Barreto, M. O., & Martínez, A. M. (2007). Possibilidades criativas de profesores em cursos de pós-graduação stricto sensu Estudos de Psicologia (Campinas), 24 (4), 463-473.

Belloni, M. L. (2003). Educação a distância. São Paulo: Autores Associados.

Castro, M. N. M., & Ferreira, L. D. V. (2006). TD&E a distância: múltiplas mídias e clientelas. In J. E. Borges-Andrade, G. S. Abbad & L. Mourão (Orgs.), Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho (pp.322-339). Porto Alegre: Artmed.

Coiçaud, S. (2001). A colaboração institucional na educação a distância. In I.E. Litwin (Org.), Educação a distância: temas para o debate de uma nova agenda educativa (pp.53-72). São Paulo: Artmed.

Fleith, D. S. (1994). Treinamento e estimulação da criatividade no contexto educacional. In E. M. L. Alencar & A. M. R. Virgolim (Orgs.), Criatividade: expressão e desenvolvimento (pp.113-141). Petrópolis: Vozes.

Francescato, D., Mebane, M., Porcelli, R., Attanasio, C., & Pulino, M. (2007). Developing professional skills and social capital through computer supported collaborative learning in university contexts. International Journal of Human-Computer Studies, 65 (2), 140-152.

Franco, M. L. P. B. (2005). Análise do conteúdo Brasília: Liber Livro.

Gall, M. D., Borg, W. R., & Gall, J. P. (1996). Educational research (6th ed.). White Plains, NY: Longman.

Joly, M. C. R. A., & Guerra, P. B. C. (2004). Compreensão em leitura e barreiras à criatividade: um estudo com universitários ingressantes. Psico, 35 (2), 151-159.

Kristensson, P., & Norlander, T. (2003). The creative product and process in computer-mediated groups. The Journal of Creative Behavior, 37 (4), 223-243.

Oliveira, Z. M. F. (2010). Fatores influentes no desenvolvimento do potencial criativo. Estudos de Psicologia (Campinas), 27 (1), 83-92. doi: 10.1590/S0103-166X2010000 100010.

Peters, O. (2003). Didática do ensino a distância. São Leopoldo: Unisinos.

Renzulli, J. S. (1992). A general theory for the development of creative productivity through the pursuit of ideal acts of learning. Gifted Child Quarterly, 36 (4), 170-182.

Ribeiro, R. A., & Fleith, D. S. (2007). O estímulo à criatividade em cursos de licenciatura. Paidéia, 17 (38), 403-416.

Santeiro, T. V., Santeiro, F. R. M., & Andrade, I. R. (2004). Professor facilitador e inibidor da criatividade segundo universitários. Psicologia em Estudo, 9 (1), 95-102.

Sousa, M. F. G. (2004). Aprender a aprender em educação a distância: a construção da autonomia do aprendiz. São Paulo: Moderna.

Starko, A. J. (1995). Creativity in the classroom. White Plains, NY: Longman

Vianna, C. R. G. V. (2005). Expressão e desenvolvimento da criatividade em ambientes de ensino-aprendizagem online Dissertação de mestrado não-publicada, Universidade Católica de Brasília.

Vianna, C. R. G. V., & Alencar, E. M. L. S. (2006). Creativity and barriers to its expression in online education courses. Gifted Education International, 21 (1), 54-62.

Williams, P., Nicholas, D., & Gunter, B. (2005). E-learning: What the literature tells us about distance education. Aslib Proceedings: New Information Perspectives, 57 (2), 109-122.

Downloads

Publicado

2022-12-01

Como Citar

SATHLER, T. C. ., & FLEITH, D. de S. . (2022). Estímulos e barreiras à criatividade na educação a distância. Estudos De Psicologia, 27(4). Recuperado de https://seer.sis.puc-campinas.edu.br/estudos/article/view/7165