A influência do gênero e da escolaridade no diagnóstico de demência

Autores

  • Cristina Lúcia Maia COELHO Universidade Federal Fluminense
  • Claudio Lyra BASTOS Universidade Federal Fluminense
  • Fernando Portela CAMARA Universidade Federal do Rio de Janeiro
  • Jesus LANDEIRA-FERNANDEZ Pontifícia Universidade Católica do Rio de Janeiro/Universidade Estácio de Sá

Palavras-chave:

Avaliação neuropsicológica; Demência; Escolaridade; Gênero

Resumo

Um problema no diagnóstico das demências é a ausência de informação prévia sobre o nível cognitivo dos pacientes, anterior às manifestações atuais. A análise das discrepâncias nos testes cognitivos torna-se assim uma referência para o diagnóstico. A relação entre gênero, nível de escolaridade, experiência profissional e resultados da avaliação neuropsicológica foi analisada a partir de prontuários clínicos de pacientes idosos. A amostra masculina de nível superior apresentou médias significativamente menores nas subescalas de execução em relação às verbais. Apesar do nível de escolaridade e da atividade intelectual ocultarem a perda de performance nos quadros demenciais, a análise das discrepâncias evidencia as quedas de rendimento. Na amostra feminina, com menor nível de escolaridade, embora os resultados mostrassem deficiência cognitiva, não ocorreram diferenças significativas entre os subtestes verbais e de execução. A análise da covariância indicou que o nível de escolaridade, e não o gênero, foi o fator responsável pela diferença.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Bastos, C.L. (2010). Manual do exame psíquico: uma introdução prática à psicopatologia (3Ş ed.). Rio de Janeiro: Revinter.

Banhato, E., & Nascimento, E. (2007). Função executiva em idosos: um estudo utilizando subtestes da Escala WAIS-III. PsicoUSF, 12 (1), 65-73.

Dartigues, J., Commenges, D., & Letenneur, D. (1997). Cognitive predictors of dementia in elderly community residents. Neuroepidemiology, 16 (1), 29-39.

DSM-IV. (1995). Manual diagnóstico e estatístico de transtornos mentais (4Ş ed.). Porto Alegre: Artes Médicas.

Folstein, M., Folstein, S., & McHugh, P. R. (1975). Mini-Mental State: a practical method for grading the cognitive state of patients. Journal of Psychiatric Research, 12, 189-198.

Foss, M.,Vale, F., & Speciali, J. (2005). Influência da escolaridade na avaliação neuropsicológica de idosos. Arquivos de Neuropsiquiatria, 63 (1),119-126.

Gil, R. (2002). Neuropsicologia. São Paulo: Santos editora.

Herrera, J., Caramelli, P., Silveira A., & Nitrini, R. (2002). Epidemiologic survey of dementia in a community-dwelling Brazilian population. Alzheimer Disease and Associated Disorders, 16 (2), 103-108.

Jobim & Souza, S. (1994). Infância e linguagem: Baktin, Vygotsky e Benjamim São Paulo: Papirus.

Kaufman, A. (1990). Assessing adolescent and adult intelligence Boston: Allyn & Bacon.

Kaufman, A., & Lichtenberger, E. (1999). Essentials of WAIS-III Assessment. New York: John Wiley & Sons.

Lanska, D.J., & Schoenberg, B.S. (1993). The epidemiology of dementia: methodologic, issues and approaches. In Whitehouse PJ. Dementia (pp.3-22). Philadelphia: FA Davis Company.

Lezak, M. (1995). Neuropsychological assessment (2nd ed.). Oxford: Oxford University Press.

Lopes, M., & Botino, C. (2002). Prevalência de demência em diversas regiões do mundo: análise dos estudos epidemiológicos de 1994 a 2000. Arquivos de Neuro-Psiquiatria, 60 (1), 61-69.

Marcopulos, B., Mclain, C., & Guiliano, A. (1997). Cognitive impairement or inadequate norms? A study of health, rural, older adults with limited education. Clinical Neuropsychological, 11 (2), 111-131.

Mota, M., Banhato, E., Silva, K., & Cupertino, A. (2008). Triagem cognitiva: comparações entre o mini-mental e o teste de trilhas. Estudos em Psicologia (Campinas), 25 (3), 353-359.

Néri, A. (Org.) (2001). Maturidade e velhice: trajetórias individuais e socioculturais. Campinas: Papirus.

Nitrini, R. (2002). Demência e doença de Alzheimer no Brasil. Jornal Brasileiro de Neuropsiquiatria Geriátrica, 3 (1), 6-7.

Rey, A. (1964). L´exame clinique en psychologie Paris: Press Universitaires de France.

Rosselli, M., Ardila, A., & Rosas, P. (1990). Neuropsychological assessment illiterates: II language and praxis abilities. Brain and Cognition, 12, 281-289.

Snyder, P.J., & Nussbaum, P. D. (1999). Clinical neuropsychology: a pocket handbook for assessment. Washington: American Psychology Association.

Vygotsky, L., & Luria, A. (1998). Linguagem, desenvolvimento e aprendizagem São Paulo: Ícone.

Wechsler, D. (1997). Wechsler adult intelligence scale (3rd ed.). San Antonio, TX: Psychological Corporation.

Wechsler, D. (2004). WAIS-III Escala de inteligência Wechsler para adultos: manual David Wechsler. Adaptação e padronização de uma amostra brasileira. São Paulo: Casa do Psicólogo.

Zulliger, H., & Salomon, F. (1970). El Test de Zulliger Buenos Aires: Kapelusz.

Downloads

Publicado

2022-12-01

Como Citar

COELHO, C. L. M. ., BASTOS, C. L. ., CAMARA, F. P. ., & LANDEIRA-FERNANDEZ, J. . (2022). A influência do gênero e da escolaridade no diagnóstico de demência. Estudos De Psicologia, 27(4). Recuperado de https://seer.sis.puc-campinas.edu.br/estudos/article/view/7164