Reação aos procedimentos instrucionais de um curso via internet: validação de uma escala

Autores

  • Thaís ZERBINI Universidade de São Paulo
  • Gardênia ABBAD Universidade de Brasília

Palavras-chave:

Avaliação de curso; Avaliação de programa educacional; Educação a distância

Resumo

Pesquisas em avaliação de treinamentos a distância ainda são incipientes. O artigo pretende contribuir com a área ao validar estatisticamente o instrumento Reação aos Procedimentos Instrucionais. O curso-alvo foi oferecido pelo Serviço Brasileiro de Apoio às Micro e Pequenas Empresas para alunos de todo o país. A coleta de dados foi realizada ao final do curso por meio de questionário digitalizado que mede a satisfação dos participantes quanto aos procedimentos instrucionais ofertados no curso. Foram realizadas análises de componentes principais e fatoriais e de consistência interna (Alfa de Cronbach). A escala apresentou estrutura bifatorial: Procedimentos Tradicionais, com 12 itens, α=0,91, e cargas fatoriais variando de 0,53 a 0,79; Recursos da Web, três itens, índice de confiabilidade α=0,76, com cargas fatoriais 0,40, 0,76 e 0,88. Os resultados indicam que a escala apresentou evidências de validade de construto.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Abbad, G. (1999). Um modelo integrado de avaliação do impacto do treinamento no trabalho - IMPACT. Tese de doutorado não-publicada, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília.

Abbad, G., & Borges-Andrade, J. E. (2004). Aprendizagem humana em organizações de trabalho. In J. C. Zanelli, J. E. Borges-Andrade & A. V. B. Bastos (Orgs.), Psicologia, organizações e trabalho no Brasil (pp.237-275). Porto Alegre: Artmed.

Abbad, G., Gama, A. L. G., & Borges-Andrade, J. E. (2000). Treinamento: análise do relacionamento da avaliação nos níveis de reação, aprendizagem e impacto do treinamento no trabalho. Revista de Administração Contemporânea - RAC, 4 (3), 25-45.

Alves, A. R., Pasquali, L., & Pereira, M. A. M. (1999). Escala de satisfação com o treinamento - ESAST/TELEBRÁS/UnB. Revista de Administração de Empresas, 39 (1), 25-30.

Borges-Andrade, J. E. (2002). Desenvolvimento de medidas em avaliação de treinamento. Estudos de Psicologia (Natal), 7 (Número Especial), 31-43.

Borges-Andrade, J. E. (2006). Avaliação integrada e somativa em TD&E. In J. E. Borges-Andrade, G. Abbad & L. Mourão (Orgs.), Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas (pp.343-358). Porto Alegre: Artmed.

Borges-Ferreira, M. F. (2004). Avaliação de reações e aprendizagem em disciplinas de curso técnico profissionalizante oferecidas a distância. Dissertação de mestrado não-publicada, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília.

Brown, K. G. (2005). What does recent research tell us about "training satisfaction?" In C. Saul & B. Sugrue (Eds.), American society for training & development: research-to-practice conference proceedings (pp.27-35). Orlando, Florida.

Carvalho, R. S., & Abbad, G. S. (2006). Avaliação de treinamento a distância: reação, suporte à transferência e impactos no trabalho. Revista de Administração Contemporânea,10 (1), 95-116.

Cheung, D. (1998). Developing a student evaluation instrument for distance teaching. Distance Education, 19 (1), 23-34.

Cheung, D. (2000). Evidence of a single second-order factor in student ratings of teaching effectiveness. Structural Equation Modeling, 7 (3), 442-460.

Dean, A., & Webster, L. (2000). Simulations in distance education-progress towards an evaluation instrument. Distance Education, 21 (2), 344-360.

De Paula e Silva, A. (2004). Avaliação de uma disciplina semipresencial de graduação ofertada por meio da internet pela Universidade de Brasília. Dissertação de mestrado não-publicada, Instituto de Psicologia, Universidade de Brasília.

Hamblin, A. C. (1978). Avaliação e controle do treinamento São Paulo: McGraw-Hill do Brasil.

Pasquali, L. (2004). Análise fatorial para pesquisadores. Petrópolis: Vozes.

Pilati, R., & Borges-Andrade, J. E. (2006). Construção de medidas e delineamentos em avaliação de TD&E. In J. E. Borges-Andrade, G. Abbad & L. Mourão (Orgs.), Treinamento, desenvolvimento e educação em organizações e trabalho: fundamentos para a gestão de pessoas (pp.359-384). Porto Alegre: Artmed.

Porras-Hernandez, L. H. (2000). Student variables in the evaluation of mediated learning environments. Distance Education, 21 (2), 385-395.

Rodrigues, R. S. (1998). Modelos de avaliação para cursos no ensino a distância: estrutura, aplicação e avaliação Dissertação de mestrado não-publicada, Engenharia de Produção, Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis.

Tabachnick, B. G., & Fidell, L. S. (2001). Using multivariate statistics. New York: Harper-Collins College.

Walker, S. (1998). The value of building skills with online technology: online training costs and evaluation at the Texas Natural Resource Conservation Commission. In D. A. Scheiber & Z. L. Berge (Orgs.), Distance training: how innovative organizations are using technology to maximize learning and meet business objectives (pp.270-286). San Francisco: Jossey-Bass.

Zerbini, T., & Abbad, G. (2005). Impacto de treinamento no trabalho via internet. Revista de Administração de Empresas Eletrônica, 4 (2), 1-21.

Downloads

Publicado

2022-11-16

Como Citar

ZERBINI, T. ., & ABBAD, G. . (2022). Reação aos procedimentos instrucionais de um curso via internet: validação de uma escala. Estudos De Psicologia, 26(3). Recuperado de https://seer.sis.puc-campinas.edu.br/estudos/article/view/7082