Transição para a maternidade na trajetória acadêmica: estratégias de reparação dinâmica do self e de resistência no campo social de jovens universitárias

Autores

Palavras-chave:

Ensino superior, Estudo de caso, Gravidez, Psicologia cultural

Resumo

O presente estudo pretende analisar as estratégias de reparação dinâmica do self e de resistência no campo social construídas por jovens universitárias que inesperadamente engravidaram durante suas trajetórias acadêmicas. A partir da perspectiva da Psicologia Cultural Semiótica, será apresentado um estudo de caso construído por entrevista narrativa. A análise do caso revela que a gravidez não planejada foi experienciada pela jovem entrevistada como um evento disruptivo que, junto a um restrito apoio social e institucional, implicou em significativos desafios para conciliar distintas demandas, colocando em risco a sua saúde mental. Nesse cenário de complexas demandas desenvolvimentais, intensos deverão ser os esforços com o intuito de reparação dinâmica do self e de resistência para a permanência na universidade.

Downloads

Não há dados estatísticos.

Referências

Barreto, P. C. S. (2015). Gênero, raça, desigualdades e políticas de ação afirmativa no ensino superior. Revista Brasileira de Ciência Política, 16, 39-64. http://dx.doi.org/10.1590/0103-335220151603

Dias, M. J. S., & Soares, B. V. P. S. (2019). Assistência estudantil x creche nas universidades públicas. Revista Educação e Emancipação, 12(2), 50-74. http://dx.doi.org/10.18764/2358-4319.v12n2p50-74

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. (2017). Censo da Educação Superior 2017: divulgação dos principais resultados. Brasília: INEP. http://portal.mec.gov.br/docman/setembro-2018-pdf/97041-apresentac-a-o-censo-superior-u-ltimo/file.

Jovchelovitch, S., & Bauer, M. V. (2017). Entrevista narrativa. In M. W. Bauer & G. Gaskell (Orgs.), Pesquisa qualitativa com texto, imagem e som: um manual prático. Petrópolis: Vozes.

Lieblich, A., Tuval-Mashiach, R., & Zilber, T. (1998). Narrative research: reading, analysis and interpretation. Thousand Oaks: Sage.

Maffei, B., Menezes, M., & Crepaldi, M. A. (2019). Rede social significativa no processo gestacional: uma revisão integrativa. Revista da Sociedade Brasileira de Psicologia Hospitalar, 22(1), 216-237. http://pepsic.bvsalud.org/scielo. php?script=sci_arttext&pid=S1516-08582019000100012&lng=pt&nrm=iso

Marinho-Araújo, C. M. (2016). Inovações em psicologia escolar: o contexto da educação superior. Estudos de Psicologia (Campinas), 33(2), 199-211. http://dx.doi.org/10.1590/1982-02752016000200003

Marsico, G., & Tateo, L. (2018). Introduction: the construct of educational self. In G. Marsico & L. Tateo (Eds.), The emergence of self in educational contexts: theoretical and empirical explorations (pp. 1-14). Cham: Springer.

Moreno, C. S., Duarte, G. M., & D’Affonseca, S. M. (2020). A condição universitária e a vivência parental. Psicologia e Argumento, 38(1), 548-579. https://periodicos.pucpr.br/index.php/psicologiaargumento/article/view/26506.

Pontes, V. V. (2016). Trajetórias interrompidas: perdas gestacionais, luto e reparação. Salvador: EDUFBA.

Pontes, V. V. (2019). Disquieting experiences of ruptures in the life trajectory: challenges to dynamic self-repair. Integrative Psychological and Behavioral Science, 53, 450-462. https://doi.org/10.1007/s12124-019-09492-5

Pontes, V. V., & Simão, L. M. (2018). Transgenerational ambivalence in the time to come: how meanings regulate being pregnant and facing miscarriage. In I. Albert, E. Abbey, & J. Valsiner. (Orgs.). Trans-generational family relations: investigating ambivalences. Charlotte: Information Age Publishing.

Prates, S. R., & Gonçalves, J. P. (2019). Educação superior e relações de gênero: atividades domiciliares para mães estudantes de pedagogia. Revista Internacional de Ensino Superior, 5(1), 1-23. https://doi.org/10.20396/riesup.v5i0.8653753.

Presidência da República (Brasil). (1975). Lei n° 6.202, de 17 de abril de 1975. Atribui à estudante em estado de gestação o regime de exercícios domiciliares instituído pelo Decreto-lei nº 1.044, de 1969, e dá outras providências. Diário Oficial da União, Brasília. http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/LEIS/1970-1979/L6202.htm.

Ricoldi, A., & Artes, A. (2016). Mulheres no ensino superior brasileiro: espaço garantido e novos desafios. Ex Æquo, 33(1), 149-161. http://www.scielo.mec.pt/pdf/aeq/n33/n33a11.pdf

Silva, P. V. B., & Borba, C. A. (2018). Políticas afirmativas na pesquisa educacional. Educar em Revista, 34(69), 151-191. https://doi.org/10.1590/0104-4060.58095

Silva, J. S., Alves, M. B., Carvalho, G. B., Tavares, R., Arruda, A. A., & Costa, C. D. M. (2020). A maternidade na trajetória universitária: desafios percorridos pelas discentes da Universidade Federal do Maranhão – UFMA campus VII Codó. Brazilian Journal of Development, 6(7), 42538-42550. https://doi.org/10.34117/bjdv6n7-027

Simão, L. M. (2010). Ensaios dialógicos: compartilhamento e diferença nas relações eu-outro. São Paulo: Hucitec.

Simão, L. S. (2016). Culture as a moving symbolic border. Integrative Psychological and Behavioral Sciences, 50, 14-28. https://doi.org/10.1007/s12124-015-9322-6

Publicado

2022-07-25

Como Citar

PONTES, V. V., QUEIROZ, F. S. de, NASCIMENTO, J. S. do, & FONSECA, F. D. T. da. (2022). Transição para a maternidade na trajetória acadêmica: estratégias de reparação dinâmica do self e de resistência no campo social de jovens universitárias. Estudos De Psicologia, 39, 1–14. Recuperado de https://seer.sis.puc-campinas.edu.br/estudos/article/view/6479

Edição

Seção

DOSSIÊ | PSICOLOGIA CULTURAL DA EDUCAÇÃO