O construtivismo no programa de formação de professores alfabetizadores: significados, estratégias pedagógicas e objetivos políticos-econômicos

Géssica Priscila Ramos

Resumo


A análise proposta neste artigo pretende iniciar uma discussão sobre os significados, as estratégias pedagógicas e os objetivos político-econômicos que embasam a defesa oficial do construtivismo na política educacional brasileira após 1995. Para tanto, foca-se o Programa de Formação de Professores Alfabetizadores, criado pelo Ministério da Educação em 2000, e constata-se que: 1) o construtivismo é veiculado neste programa como um novo e superior modelo educacional, adequado para a sociedade atual; 2) variadas estratégias são utilizadas para convencer o professor cursista a assumir o construtivismo em sua prática pedagógica; 3) a concepção construtivista defendida oficialmente, por sua natureza pedagógica flexível, mostra-se coerente ao princípio da racionalização de verbas públicas presente na Reforma do Estado Brasileiro dos anos 1990 ao possibilitar a minimização de mecanismos custosos como reprovação, evasão e fracasso escolar.


Palavras-chave


Construtivismo. PROFA. Política educacional.

Texto completo:

PDF

Referências


ABRAHÃO, J. Financiamento e gasto público da educação básica no Brasil e comparações com alguns países da OCDE e América Latina. Educação

& Sociedade, Campinas, v.26, n.92, p.841-858, 2005.

ARCE, A. Compre o kit neoliberal para a educação infantil e ganhe grátis os dez passos para se tornar um professor reflexivo. Educação & Sociedade, v.22, n.74, p.251-283, 2001.

BRASIL. Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, Brasília, Seção I. 23 dez.1996.

BRASIL. Mare. Plano diretor da reforma do aparelho do estado. Brasília, 1995.

BRASIL. Presidente. Palavra do Presidente: Fernando Henrique Cardoso. Brasília: Presidência da República, 2002, v.1.

BRASIL. Ministério da Educação. Desempenho em leitura na 4ª série inverte tendência de queda.

Informativo. Brasília, ano 2, n.43, jun. 2004. Disponível em: . Acesso em: 27 abr. 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Programa de formação de professores alfabetizadores. Brasília: MEC, 2001a. (Documento de apresentação).

BRASIL. Ministério da Educação. Módulo 1. Coletânea de textos. Programa de Formação de Professores Alfabetizadores. Brasília: MEC, 2001b.

BRASIL. Ministério da Educação. Brasília: MEC, 2001c. (Coletânea de textos, Módulo 2. Programa de Formação de Professores Alfabetizadores).

BRASIL. Ministério da Educação. Guia de orientações metodológicas gerais. Programa de Formação de Professores Alfabetizadores. Brasília: MEC, 2001d.

BRESSER PEREIRA, L.C. Reflexões sobre a reforma gerencial brasileira de 1995. Revista do Serviço Público, Brasília, v.50, n.4, p.5-29, 1999.

ROSSLER, J.H. Sedução e alienação no discurso construtivista. Campinas: Autores Associados, 2006.

SOUZA, A.N. A racionalidade econômica na política educacional em São Paulo. Proposições, Campinas, v.13, n.1, p.105-130, 2002.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v0n28a74

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.