Qualificação profissional e as políticas educacionais para a juventude no Brasil | Professional qualification and educational policies for the youth group in Brazil

Jailton de Souza Lira, Sayarah Carol Mesquita dos Santos

Resumo


Este artigo pretende discutir as proposições de políticas educacionais para a juventude brasileira, especialmente relacionada à expansão da Educação Profi ssional que podem ser notadas no Plano Nacional de Educação (2014-2024) e na atual reforma do Ensino Médio. Como referencial teórico, foram utilizadas as análises situadas no campo do materialismo histórico e dialético de base marxista, à luz das categorias analíticas de “Estado”, com base em Engels e Mészáros, da relação entre “trabalho” e “educação”, segundo Saviani, e de “classe social” fundamentada em Marx e Mészáros. Entende-se que a Educação Profissional pensada a partir da análise das legislações e políticas educacionais adotadas apresenta complexos problemas no quesito do papel do Estado para com a sua oferta e qualidade. Além disso, essa modalidade de educação tem perpetuado o dualismo histórico na educação, que oferta uma formação prática para a juventude de origem trabalhadora e destina uma formação mais ampla possível para a juventude oriunda das classes dirigentes. Para fundamentar essas hipóteses, recorreu-se à pesquisa documental, utilizando a Lei n°13.415/2017 da reforma do Ensino Médio e o Plano Nacional de Educação (2014-2024), bem como a revisão de literatura a partir de autores como Frigotto, Krawczyk, Adrião e Pinto, Bezerra e Araújo, entre outros, que contribuem para as reflexões e contextualizações acerca da relação entre educação, Estado, sociedade e mercado.


Palavras-chave


Educação Profissional; Juventude; Mercado; Plano Nacional de Educação; Reforma do Ensino Médio.

Texto completo:

PDF

Referências


Adrião, T.; Pinto, J.M.R. Privatização da educação na América Latina: estratégias recentes em destaque. Educação e Sociedade,

v.37, n.134, p.11-15, 2016.

Althusser, L. Aparelhos ideológicos do Estado: nota sobre os aparelhos ideológicos de Estado. 2. ed. Rio de Janeiro: Graal, 1985.

Andrade, E.L.; Barbosa, N.B. Políticas públicas de Educação Profissional e a inserção de egressos no mercado de trabalho.

Trabalho e Educação, v.26, n.2, p.171-187, 2017.

Bezerra, V.; Araújo, C.M.A reforma do Ensino Médio: privatização da política educacional. Revista Retratos da Escola, v.11, n.21,

p.603-618, 2017.

Brasil. Decreto n° 5.154, de 23 de julho de 2004. Regulamenta o § 2º do art. 36 e os arts. 39 a 41 da Lei nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e dá outras providências. Diário Oficial da

União, 23 jul. 2004. p.2. Disponível em:. Acesso em: 12 dez. 2018.

Brasil. Lei n° 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação – PNE e dá outras providências. Diário

Oficial da União, 25 jun. 2014. p.10. Disponível em:. Acesso em: 14 dez. 2018.

Brasil. Lei n° 13.415, de 16 de fevereiro de 2017. Altera as leis n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes

e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, 16 fev. 2017. p.3. Disponível em: <http://www.planalto.gov.br/ccivil_03/_

Ato2015-2018/2017/Lei/L13415.htm>. Acesso em: 29 nov. 2018.

Brasil. Resolução n° 3, de 21 de novembro de 2018. Atualiza as Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino Médio. Diário

Oficial da União, 3 dez. 2018. Disponível em:. Acesso em: 15 jan. 2019.

Chauí, M. O que é ideologia. São Paulo: Brasiliense, 2000.

Cury, C.R.J. et al. A profissionalização do ensino na lei n° 5692/71. Brasília: Inep, 1982.

Deitos, R.; Lara, A. Educação profissional no Brasil: motivações socioeconômicos e ideológicos da política educacional. Revista

Brasileira de Educação, v.21, n.64, p.165-188, 2016.

Engels, F. A origem da família, da propriedade privada e do Estado. 3. ed. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

Ferreti, C.J. A Reforma do Ensino Médio: desafios à educação profissional. Holos, v.4, p.261-271, 2018.

Frigotto, G. A relação da Educação Profissional e Tecnológica com a universalização da Educação Básica. Educação e Sociedade,

v.28, n.100, p.1129-1152, 2007.

Frigotto, G.; Ciavatta, M.; Ramos, M. A educação de trabalhadores no Brasil contemporâneo: um direito que não se completa. Germinal: Marxismo e Educação em Debate, v.6, n.2, p.56-76, 2014.

Frigotto, G.; Molina, H. Estado, educação e sindicalismo no contexto da regressão social. Revista Retratos da Escola, v.4, n.6,

p.37-51, 2010.

Instituto Brasileiro de Geografia e Estatística. Pesquisa Mensal de Emprego – PME. Rio de Janeiro: IBGE, 2019. Disponível em:

<https://www.destakjornal.com.br/seu-valor/mercado/detalhe/no-brasil-quem-tem diploma-ganha-mais-que-o-dobro-dotrabalhador-

com-ensino-medio>. Acesso em: 13 abr. 2019.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Censo escolar da educação básica 2017: notas estáticas.

Brasília: Inep, 2018a. Disponível em:. Acesso em: 20 dez. 2018.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Relatório do 2º Ciclo de Monitoramento das Metas do

Plano Nacional de Educação 2018. Brasília: Inep, 2018b. Disponível em: . Acesso em: 9 jan. 2019.

Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais Anísio Teixeira. Sinopse estatística: censo escolar e da educação superior.

Brasília: Inep, 2019. Disponível em: . Acesso em: 21 dez. 2018.

Krawczyk, N. Ensino Médio: empresários dão as cartas na escola pública. Educação e Sociedade, v.35, n.126, p.21-41, 2014.

Lenin, V.I. Imperialismo, estágio superior do capitalismo: ensaio popular. São Paulo: Expressão Popular, 2012.

Lira, J.S. O neoliberalismo na educação pública durante o governo Teotônio Vilela Filho (2007-2014). 2016. 345f. Tese (Doutorado

em Educação) – Universidade Federal da Paraíba, João Pessoa, 2016. f.61.

Maciel, M.H.R. Hegemonia, ajuste neoliberal e Ensino Superior no Brasil. 2008. 171f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade

Federal da Paraíba, João Pessoa, 2008.

Marx, K. O Capital: crítica da economia política. São Paulo: Nova Cultural, 1996.

Marx, K.; Engels, F. Manifesto do partido comunista. São Paulo: Martin Claret, 2004.

McCowan, T. A “desagregação” do Ensino Superior. Revista Eletrônica de Educação, v.12, n.2, p.464-482, 2018.

Melo, A.A.S.; Sousa, F.B.S. A agenda do mercado e a educação no governo Temer. Germinal: Marxismo e Educação em Debate,

v.9, n.1, p.25-36, 2017.

Mészáros, I. Para além do capital. São Paulo: Boitempo, 2002. p.96.

Moreira, J.F.C. As políticas de expansão e privatização do Ensino Superior no Brasil e na Argentina (1989-2009). 2013. 238f. Tese

(Doutorado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

Oliveira, R. Empresariado industrial e a educação brasileira: qualificar para competir? São Paulo: Cortez, 2005.

Poulantzas, N. Poder político e classes sociais. São Paulo: Martins Fontes, 1977.

Poulantzas, N. O Estado, o poder, o socialismo. Rio de Janeiro: Graal, 1980.

Santos, D. Educação e precarização profissionalizante: crítica à integração da escola com o mercado. São Paulo: Instituto Lukács,

p.190-209.

Saviani, D. Trabalho e educação: fundamentos ontológicos e históricos. Revista Brasileira de Educação, v.12, n.34, p.152-165, 2007.

Silva Júnior, J.R.; Sguissardi, V. A nova lei de Educação Superior: fortalecimento do setor público e regulação do privado/

mercantil ou continuidade da privatização e mercantilização do público? Revista Brasileira de Educação, v.5, n.29, p.5-27,2005.

Souza, D.C.; Vazquez, D. Expectativas de jovens do Ensino Médio público em relação ao estudo e ao trabalho. Educação e Pesquisa, v.41, n.2, p.409-426, 2015.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v24n3a4478

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.