Europeização: progresso e educação brasileira | Europeization: Progress and Brazilian education

Hevisley William Corrêa Ferreira, Sônia Aparecida Siquelli

Resumo


O presente artigo, oriundo de uma pesquisa bibliográfica de natureza exploratória com abordagem qualitativa, apresenta o conceito de “progresso” em seus diversos significados, apresentados com semblantes e aparências, movidos pelo questionamento de como esse “progresso” se apresentou na educação brasileira em seu período formativo. Sendo assim, analisa-se o conceito de “progresso” para desvelar as suas mais diversas facetas ao longo da história, com ênfase especial na escola positivista de Comte, que foi muito infl uente no Brasil e
cujo pensamento deu fundamento à noção de ordem e progresso que deveria guiar as instituições de ensino no País segundo seus seguidores. Aponta-se então quais foram as bases intelectuais, de acentuado caráter positivista, sobre as quais se construiu a educação no Brasil. Na sequência, aborda-se a perspectiva crítica de Adorno sobre o “progresso”, o que nos permite apresentar a historicidade do conceito e ver de que maneira ele está indissociavelmente atrelado às próprias relações de poder que fundamentaram a sua difusão progressiva nos séculos XVIII e XIX.


Palavras-chave


Educação; Educação Escolar; Positivismo; Progresso.

Texto completo:

PDF

Referências


Adorno, T. Dialética do esclarecimento. Rio de Janeiro: Zahar, 1985.

Adorno, T.W. Progresso. Lua Nova: Revista de Cultura e Política, n.27, p.217-236, 1992.

Balandier, G. O dédalo: para finalizar o século XX. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1999. p.8.

Bobbio, N.; Matteucci, N.; Pasquino, G. Dicionário de política. 11. ed. São Paulo: Editora UnB, 1998. p.1009.

Boudon, R. et al. Dicionário de sociologia. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1990. p.25.

Comte, A. Curso de filosofia positiva. São Paulo: Abril Cultural, 1978. p.39-510. (Os pensadores).

Dupas, G. O mito do progresso. São Paulo: Editora Unesp, 2006. p.11-290.

Faoro, R. Os donos do poder: formação do patronato político brasileiro. São Paulo: Globo, 1976. v.2, p.51.

Gadotti, M. História das ideias pedagógicas. São Paulo: Ática, 2003. p.111.

Gagnebin, J.M. Os cacos da História. 2. ed. São Paulo: Editora Brasiliense, 1993. p.53.

Iskandar, J.I.; Leal, M.R. Sobre o positivismo e educação. Revista Diálogo Educacional, v.3, n.7, p.89-94, 2002. Disponível em:

. Acesso em: 6 nov. 2017.

Lima, B.B.P. Os Horizontes de expectativas de progresso: a organização da instrução profissional nos discursos do senado

mineiro. Revista de História e Historiografia da Educação, v.1, número especial, p.29-57, 2017. Disponível em: <http://revistas.

ufpr.br/rhhe/article/view/52207/32878>. Acesso em: 28 jul. 2017.

Marcondes, D. A crise de paradigmas e o surgimento da modernidade. In: Brandão, Z. (Org.). A crise dos paradigmas e a educação. São Paulo: Cortez, 1994. p.14-29.

Moraes Filho, E. Auguste Comte: sociologia. Rio de Janeiro: Ática, 1983. p.31.

Nisbet, R. História da ideia de progresso. Brasília: Editora UnB, 1985. p.16-264.

Rossi, P. Naufrágios sem espectador: a ideia de progresso. São Paulo: Editora Unesp, 2000.

Silva, J.C. Pesquisa historiográfica em educação: o apostolado positivista do Brasil e a instrução pública no Brasil. Revista HISTEDBR Online, p.1-27, 2006. Disponível em: . Acesso em: 4 abr. 2017.

Silva, J.C. O amor por princípio, a ordem por base, o progresso por fim: as propostas do apostolado positivista para a educação

brasileira (1870-1930). Cascavel: EdUnioeste, 2016. p.25-131.

Werneck Sodré, N. História da Imprensa no Brasil. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 1966. p.271.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v24n3a4397

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.