A legislação brasileira de Educação a Distância à luz da democracia dubetiana | Brazilian legislation of Distance Education in light of Dubetian democracy

Amanda Miranda Ramalho Eid, Ana Elisa Spaolonzi Queiroz Assis

Resumo


Desde seu surgimento, no início do século XX, a modalidade de Educação a Distância, no Brasil, corrobora concepções de democratização do ensino. Assim, ao se tratar dessa temática, inclusive na legislação referente à modalidade, diversas concepções de justiça, igualdade e democratização aparecem e se fundem. Uma dessas concepções é dada por François Dubet, que entende a democratização do ensino como um conceito multifacetado e multidimensional, que inclui a massificação, a igualdade do valor dos diplomas, a equidade de acesso, e outras várias características. Com vistas ao fomento dessa discussão, e sendo essa concepção de democratização de suma importância para que se atinja uma sociedade mais igualitária, é objetivo deste trabalho verificar se a democratização dubetiana se faz presente na legislação referente à Educação a Distância de 1996 a 2007. Para cumpri-lo, foram realizadas leituras de obras pré-selecionadas de Dubet e da legislação, e por meio da análise documental, foi feita a comparação entre a democratização descrita pelo autor e a que está presente na Legislação Nacional de Ensino a Distância. Notou-se que alguns elementos da concepção de democratização dubetiana apareceram, enquanto massificação, democracia interna e igualdade do valor dos diplomas. No entanto, o autor critica a estratégia brasileira de universalização, a qual ele chama de massificação, antes de se pensar na qualidade.


Palavras-chave


Democratização; Educação a Distância; Ensino Superior; François Dubet; Legislação.

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil de 1988. Brasília: Presidência da República, 1988. Disponível em: . Acesso em: 3 mar. 2018.

Brasil. Lei de Diretrizes e Bases da Educação: LDB, nº 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Presidência da República, 1996. Disponível em: . Acesso em: 3 mar. 2018.

Brasil. Lei nº 10.172, de 9 de janeiro de 2001. Aprova o Plano Nacional de Educação e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 2001. Disponível em: . Acesso em: 3 mar. 2018.

Brasil. Decreto nº 5.622, de 19 de dezembro de 2005. Regulamenta o art. 80 da Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Presidência da República, 2005. Disponível em: . Acesso em: 3 mar. 2018.

Brasil. Portaria Ministerial nº 2, de 10 de janeiro de 2007. Dispõe sobre os procedimentos de regulação e avaliação da educação superior na modalidade a distância. Brasília: Ministério da Educação, 2007a. Disponível em: . Acesso em: 3 mar. 2018.

Brasil. Decreto nº 6.303, de 12 de dezembro de 2007. Altera dispositivos dos Decretos n° 5.622, de 19 de dezembro de 2005, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, e n° 5.773, de 9 de maio de 2006, que dispõe sobre o exercício das funções de regulação, supervisão e avaliação de instituições de educação superior e cursos superiores de graduação e seqüenciais no sistema federal de ensino. Brasília: Presidência da República, 2007b. Disponível em: . Acesso em: 3 mar. 2018.

Brasil. Lei nº 13.005, de 25 de junho de 2014. Aprova o Plano Nacional de Educação - PNE e dá outras providências. Brasília: Presidência da República, 2014. Disponível em: . Acesso em: 3 mar. 2018.

Dedecca, C.S. A pesquisa nacional por amostra de domicílios: PNAD: síntese metodológica. Revista Brasileira de Estudos de População, v.15, n.2, p.103-114, 2014.

Dubet, F. O que é uma escola justa? Cadernos de pesquisa, v.34, n.123, p.539-555, 2004.

Dubet, F. Democratização escolar e justiça na escola. Revista Educação, v.33, n.3, p.381-394, 2008.

Dubet, F. Qual democratização do Ensino Superior? Caderno CRH, v.28, n.74, p.255-265, 2015.

Gomes, A.V.A. Educação a distância, tecnologias educacionais e o plano nacional de educação: elementos para uma avaliação das metas. Brasília: Câmara dos Deputados, 2006.

Lessa, S.C.F. Os reflexos da legislação de educação a distância no Brasil. Revista Brasileira de Aprendizagem Aberta e a Distância, v.10, p.17-28, 2011.

Lüdke, M.; André, M. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

Moran, J.M. Modelos e avaliação do ensino superior a distância no Brasil. Educação Temática Digital, v.10, n.2, p.54, 2009.

Rawls, J. Uma teoria da justiça. Barcarena: Editorial Presença, 1993.

Santos, M.D.M. A Constituição do Campo da Educação Superior no Brasil: 1996-2010. Campinas: [s.n.], 2013.

Saviani, D. Escola e Democracia. 34.ed. Campinas: Autores Associados, 2001.

Universidade de São Paulo. USP em números 2015. São Paulo: USP, 2015. Disponível em: . Acesso em: 14 nov. 2016.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v24n2a4197

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.