Formação de professores e profissionais de saúde para a promoção da autorregulação em saúde na infância | Formation of professors and health professionals to promote self-regulation in childhood health

Cleidilene Ramos Magalhães, Stéfani Almeida Schneider, Mariana da Silva Bauer, Maína Hemann Strack, Carmem Lisiane Escouto de Souza, Pedro Rosário, Luciana Bisio Mattos

Resumo


Aborda-se a temática da autorregulação da aprendizagem, no contexto da promoção do autocuidado em saúde. Trata-se de um estudo qualitativo. A pesquisa teve por objetivos: (a) realizar um programa de formação, com profissionais da Atenção Básica participantes do Programa Saúde na Escola e com professores de escolas de Educação Básica no Sul do Brasil, sobre a temática autocuidado em saúde; (b) acompanhar a intervenção em autorregulação em saúde, conduzida pelos professores e profissionais de saúde participantes da formação, junto a alunos do 5º ano, adotando-se como referencial a autorregulação da aprendizagem. Participaram do estudo 35 profissionais: dentistas, enfermeiros, técnicos de enfermagem, agentes comunitários de saúde, professores, supervisora, orientadoras educacionais e uma vice-diretora. O estudo desenvolveu-se em duas fases: (1) formação de professores e profissionais de saúde com vistas à promoção da autorregulação da saúde nos domínios de alimentação saudável e saúde bucal em escolares; (2) intervenção para a promoção da autorregulação em saúde, junto a alunos do 5º ano da Educação Básica, conduzida pelos professores e profissionais que realizaram a formação. Ambas as etapas estão descritas neste estudo. Os profissionais de ensino e de saúde envolvidos na formação e no desenvolvimento da intervenção engajaram-se no propósito de se tornarem autorreguladores e modeladores de práticas cotidianas na escola. Isso os subsidiou para o uso de metodologias que proporcionaram o aprender a aprender e o uso de estratégias autorregulatórias em sala de aula. As crianças participantes desse estudo mostraram-se capazes de planejar, executar e avaliar em outras situações do cotidiano, organizando objetivos coerentes com as atividades e desenvolvendo a competência de transpor para outros domínios as aprendizagens sobre os processos de autorregulação. O estudo mostra-se promissor para pensar a autorregulação no domínio da saúde e na formação de educadores, em especial na infância.


Palavras-chave


Autocuidado. Educação. Formação de professores. Saúde.

Texto completo:

PDF

Referências


Alna, O. The importance of oral storytelling in literacy development. The Ohio Reading Teacher, v.31, n.1, p.15-18, 1999.

Álvarez, I.M.; Olivera-Smith, M. Autorregulados: sistemas basados em guías y rubricas que promueven la autorreflexión. In: Monereo, C. (Coord.). Enseñando a enseñar en la Universidad: La formacióndel professorado basada en incidentes críticos. Barcelona: Octaedro, 2014. p.188-216.

Anderson, A.S. et al. The impact of a school-based nutrition education intervention on dietary intake and cognitive and attitudinal variables relating to fruits and vegetables. Public Health Nutrition, v.8, n.6, p.650-656, 2005.

Bandura, A. Social foundations of though and action: A social cognitive theory. Englewood Cliffs: Prentice-Hall, 1986.

Bandura, A. Health promotion from the perspective of social cognitive theory. Psychology and Health, v.13, n.4, p.623-649, 1998.

Bandura, A. The primacy of self-regulation in health promotion. Applied Psychology: An International Review, v.54, n.2, p.245-254, 2005.

Boruchovitch, E. Autorregulação da aprendizagem: contribuições da psicologia educacional para a formação de professores. Revista Quadrimestral da Associação Brasileira de Psicologia Escolar e Educacional, v.18, n.3, p.401-409, 2014.

Brasil. Presidência da República. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Casa Civil, 1988.

Brasil. Presidência da República. Lei nº 8080 de 19 de setembro de 1990. Dispõe sobre as condições para a promoção, proteção e recuperação da saúde, a organização e o funcionamento dos serviços correspondentes e dá outras providências. Brasília: Casa Civil, 1990.

Brasil. Ministério da Saúde. Promoção da saúde: Declaração de Alma-Ata, Carta de Ottawa, Declaração de Adelaide, Declaração de Sundsvall, Declaração de Santafé de Bogotá, Declaração de Jacarta, Rede de Megapaíses e Declaração do México. 2. ed. Brasília: Ministério da Saúde, 2001.

Brasil. Ministério da Saúde. Decreto nº 6.286, de 5 de dezembro de 2007. Institui o Programa Saúde na Escola - PSE, e dá outras providências. Brasília: Ministério da Saúde, 2007.

Brasil. Ministério da Saúde. Sistema de Vigilância Alimentar e Nutricional (SISVAN): orientações básicas para coleta, processamento, análise de dados e informação em serviços de saúde. Brasília: Ministério da Saúde, 2008.

Brasil. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde. Departamento de Atenção Básica. Passo a passo PSE: Programa Saúde na Escola: tecendo caminhos da intersetorialidade. Brasília: Ministério da Saúde, 2011.

Brasil. Ministério da Saúde. Caderno do gestor PSE. Brasília: Ministério da Saúde, 2015.

Clark, N.M. et al. A trial of asthma self-management in Beijing schools. Chronic Illness, v.1, n.1, p.31-38, 2005.

Cleary, T.; Zimmerman, B. Self-regulation empowerment program: A school-based program to enhance self-regulated and self-motivated cycles of student learning. PsycholSchools, v.41, n.5, p.537-50, 2004.

Domene, S.M.A. A escola como ambiente de promoção da saúde e educação nutricional. Psicologia USP, v.19, n.4, p.505-517, 2008.

Dongbo, F. et al. Implementation and quantitative evaluation of chronic disease self-management programme in Shanghai, China: Randomized controlled trial. Bulletin of the World Health Organization, v.81, n.3, p.174-182, 2003.

Gomes, J.P. As escolas promotoras de saúde: uma via para promover a saúde e a educação para a saúde da comunidade escolar. Educação, v.32, n.1, p.84-91, 2009.

Haskell, W.L. et al. Effects of intensive multiple risk factor reduction on coronary atherosclerosis and clinical cardiac events in men and women with coronary artery disease. Circulation, v.89, n.3, p.975-990, 1994.

Machado, M.F.A.S. et al. The Health School Programme: A health promotion strategy in primary care in Brazil. Journal of Human Growth and Development, v.25, n.3, p.307-312, 2015. http://dx.doi.org/10.7322/jhgd.96709

Monereo, C. et al. La necesidad de formar al profesorado em estrategias de Aprendizaje. In: Monereo, C. et al. (Coord.). Estrategias de enseñanza y aprendizaje: formación del profesorado y aplicación en la escuela. Barcelona: Editorial Graó, 1999.

Núñez, J.C. et al. El aprendizaje autorregulado como medio y meta de la educación. Papeles del Psicólogo, v.2, n.3, p.139-146, 2006.

Núñez, J.C. et al. A longitudinal assessment of the effectiveness of a school-based mentoring program in middle school. Contemporary Educational Psychology, v.38, n.1, p.11-21, 2013.

Organização Mundial da Saúde. Declaração de Adelaide sobre a saúde em todas as políticas: no caminho de uma governança compartilhada, em prol da saúde e do bem-estar. Adelaide: OMS, 2010.

Organização Mundial da Saúde. Relatório da Comissão pelo fim da obesidade infantil 2016. Genebra: OMS, 2016.

Pérez-Rodrigo, C.; Aranceta, J. School-based nutrition education: Lessons learned and new perspectives. Public Health Nutrition, v.4, n.1, p.131-139, 2001.

Pina, F.; Rosário, P.; Tejada, J. Impacto de un programa de autorregulación del aprendizaje en estudiantes de Grado. Revista de Educación, n.353, p.571-588, 2010. Disponible en: . Accesso en: June 26, 2018.

Pozo, J.I.; Mateos, M. Aprender a aprender: Hacia uma gestión autónoma y metacognitiva de la prendizaje. In: Pozo; J.I.; Echeverría, M.P.P. (Coord.). Psicología del aprendizaje universitário: la formación em competências. Madrid: Morata, 2009. p.54-69.

Rosário, P. et al. Inventário de processos de auto-regulação da aprendizagem (IPAA). In: Machado, C. et al. (Coord.). Instrumentos e contextos da avaliação psicológica. Coimbra:

Almedina, 2010. p.159-174. Rosário, P. et al. Transcultural analysis of the effectiveness of a program to promote self-regulated learning in Mozambique, Chile, Portugal, and Spain. Higher Education Research and Development, v.34, n.1, p.173-187, 2014.

Rosário, P. et al. O monte das árvores carecas e outras histórias. Americana: Adonis, 2016.

Rosário, P. et al. Analysis of instructional programs for improving self-regulated learning SRL through written text. In: Fidalgo, R.; Harris, K.R.; Braasksma, M. (Ed.). Design principles for teaching effective writing. Leiden: Brill Editions, 2017. p.201-231.

Rosário, P.; Núñez, J.C; González-Pienda, J. Auto-regulação em crianças sub-10: Projecto Sarilhos do Amarelo. Porto: Porto Editora, 2007.

Rosário, P.; Núñez, J.C.; González-Pienda, J. As travessuras do amarelo. Americana: Adonis, 2012.

Souza, L.M. et al. Saúde bucal no âmbito escolar e familiar: da autonomia à transformação social. Revista Brasileira de Educação Médica, v.39, n.3, p.426-432, 2015.

Silva, A.L; Pereira, C.M. Aprender a ser saudável: um desafio à autorregulação dos comportamentos de saúde. In: Veiga Simão, A.M.V.; Frison, L.M.B.; Abrahão, M.H.M.B. Autorregulação da aprendizagem e narrativas autobiográficas: epistemologia e práticas. Natal: EDUFRN, 2012. p.287-320.

Veiga Simão, A.M. Integrar os princípios da aprendizagem estratégica no processo formativo dos professores. In: Silva, A.L. et al. (Org.). Aprendizagem auto-regulada pelo estudante: perspectivas psicológicas e educacionais. Porto: Porto Editora, 2004. p.95-106.

Veiga Simão, A.M.; Frison, L.M.B. Autorregulação da aprendizagem: abordagens teóricas e desafios para as práticas em contextos educativos. Cadernos de Educação, v.45, p.2-20, 2013.

West, J.A. et al. A comprehensive management system for heart failure improves clinical outcomes and reduces medical resource utilization. Americal Journal of Cardiology, v.79, n.1, p.58-63, 1997.

Yekaninejad, M.S. et al. Effect of a school-based oral health education program on Iranian children: Results from a group randomized trial. European Journal of Oral Sciences, v.120, n.5, p.429-437, 2012.

Yokota, R.T.C. et al. Projeto “a escola promovendo hábitos alimentares saudáveis”: comparação de duas estratégias de educação nutricional no Distrito Federal, Brasil. Revista de Nutrição, v.23, n.1, p.37-47, 2010. http://dx.doi.org/10.1590/S1415-52732010000100005

Zancul, M.S; Valeta, L.N. Educação nutricional no ensino fundamental: resultados de um estudo de intervenção. Nutrire: Revista da Sociedade Brasileira de Alimentação e

Nutrição, v.34, n.3, p.125-140, 2009.

Zimmerman, B.J. Becoming a self-regulated learner: Which are the key subprocess? Contemporary Educational Psychology, v.11, n.4, p.307-313, 1986.

Zimmerman, B.J. Models of self-regulated learning and academic achievement. In: Zimmerman, B.J.; Schunk, D.H. (Ed.). Self-regulated learning and achievement: Theory, research and practice. New York: Springer-Verlag, 1989. p.1-25.

Zimmerman, B.J. Investigating self-regulation and motivation: Historical, background, methodological developments, and future prospects. American Educational Research Journal, v.45, n.1, p.166-183, 2008.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v23n3a4137

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.