A figura do mestre em Goethe e Foucault | The figure of the master in Goethe and Foucault

Claudio Almir Dalbosco, Miguel da Silva Rossetto, Márcio Luís Marangon

Resumo


A reflexão sobre a figura do mestre parece ter desaparecido do cenário pedagógico contemporâneo. Originadas das reformas pedagógicas do final do século XIX e início do século XX, teorias educacionais atuais focam mais na figura do educando e menos na do educador. Partindo da hipótese de que não há formação humana sem autoformação, o presente ensaio procura investigar a figura do mestre em dois autores distantes historicamente entre si, Wolfgang Goethe e Michel Foucault. Reconstrói, na primeira parte, alguns traços que estão subjacentes ao personagem Wilhelm Meister, do romance de formação “Os anos de aprendizagem de Wilhelm Meister”. Na segunda parte, trata do sentido da figura do mestre em “A hermenêutica do sujeito”. Resume, na parte final, alguns traços em comum que são atribuídos por esses dois autores à figura do mestre, cabendo destaque para a ideia de que, sem o papel do mestre que se forma pela experiência, possibilitando que os outros também o façam, não há formação como autoformação. Ou seja, o difícil trabalho de formar-se a si mesmo ocorre pelo respeito à possibilidade de o outro também formar-se a si mesmo.


Palavras-chave


Autoformação. Educação. Experiência. Formação humana. Mestre.

Texto completo:

PDF

Referências


Castrillón, H.Q. Michel Foucault, ¿Pedagogo? Revista Educación y Pedagogía, v.15, n.37, p.201-216, 2003.

Coelen, T. Pedagogia e cuidado de si nas relações mestre-aluno na Antigüidade. In: Peters, M.A.; Besley, T. (Org.). Por que Foucault? Novas diretrizes para a pesquisa educacional. Porto Alegre: Artmed, 2008. p.54-64.

Dalbosco, C.A. Condição humana e educação do amor próprio em Jean-Jacques Rousseau. São Paulo: Edições Loyola, 2016.

Foucault, M. A Hermenêutica do sujeito: curso dado no Collège de France (1981-1982). 3.ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010. p.9-472.

Fonseca, M.A. O cruzamento entre a filosofia, a história e a educação na interpretação foucaultiana do diálogo Alcibíades. In: Resende, H. Michel Foucault: transversais entre educação, filosofia e história. Belo Horizonte: Autêntica Editora, 2011. p.131-142.

Foucault, M. O sujeito e o poder. In: Foucault, M. Ditos e escritos: a genealogia da ética, subjetividade e sexualidade. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2014. v.9. p.118-140.

Goethe, J.W. Memórias. Rio de Janeiro: José Olympio, 1948. p.44-179.

Goethe, J.W. Os anos de aprendizagem de Wilhelm Meister. São Paulo: Editora 34, 2006. p.36-573.

Goethe, J.W. Fausto. São Paulo: Editora 34, 2014. p.214.

Gros, F. Situação do curso. In: Foucault, M. A hermenêutica do sujeito: curso dado no Collège de France (1981-1982). 3.ed. São Paulo: Editora WMF Martins Fontes, 2010. p.455-493.

López, M.V. O conceito de experiência em Michel Foucault. Revista Reflexão e Ação, v.19, n.2, p.42-55, 2011.

Maraschin, R. Diálogo ética e saúde: formação profissional na perspectiva hermenêutica. 2017. 237f. Tese (Doutorado em Educação) – Universidade de Passo Fundo, Passo Fundo, 2017.

Moura, P.A. Prefácio. In: Schweitzer, A. Goethe: quatro discursos. São Paulo: Melhoramentos, 1950. p.7-10.

Nussbaum, M.C. El cultivo de la humanidade: Una defesa clásica de la reforma en la educación liberal. Barcelona: Paidós, 2005.

Nussbaum, M.C. Sin fines de lucro: Por qué la democracia necesita de las humanidades. Buenos Aires: Katz, 2010.

Peña, A. Foucault o de la revaloración del maestro como condición de la relación pedagógica y como modelo de formación: Una mirada pedagógica a la Hermenéutica del sujeto. Revista Educación y Pedagogía, v.15, n.37, p.219-232, 2003.

Santos Neto, A.B. A fenomenologia do espírito de Hegel e o romance de formação de Goethe. Revista Urutágua: Revista Acadêmica Multidisciplinar, v.17, p.75-86, 2009.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v24n1a4091

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.