Bons professores na perspectiva de estudantes do Ensino Médio | Good teachers from the perspective of High School students

Maria Lucia Lanza, Marcia Aparecida Jacomini

Resumo


Neste artigo aborda-se o que é um bom professor na perspectiva de estudantes do ensino médio da escola pública. A pesquisa teve como objetivo conhecer o que caracteriza um bom professor para os alunos. Realizou-se pesquisa qualitativa em educação, com revisão da literatura e estudos de clássicos da educação, pesquisa de campo, envolvendo aplicação de questionários a 392 estudantes e entrevista com cinco deles, escolhidos com base nas respostas aos questionários. Utilizou-se o método de análise de conteúdo de Laurence Bardin para classificar e organizar o conteúdo das respostas ao questionário e das entrevistas em três grandes categorias que se inter-relacionam: características pessoais do professor, didática e relacionamento interpessoal. A pesquisa foi realizada em 2015-2016, numa escola da rede estadual paulista, localizada na cidade de São Paulo, Brasil. Entre os resultados, destacou-se que os estudantes reconhecem que todos os professores são importantes, não só aqueles que consideram bons. Percebem que, de diferentes formas, cada professor cumpre papel importante em suas vidas. A visão que os alunos têm sobre o professor reafirma uma concepção humanista de Educação presente nos clássicos, com destaque para os seguintes valores: respeito à diversidade, afetividade, igualdade, compromisso, criatividade. Para eles, é importante que o professor se importe com seus alunos e provoque um estranhamento do mundo” que lhes possibilite questionar, duvidar, perguntar, reconhecer que não sabem e procurar novas respostas.


Palavras-chave


Bom professor. Docência. Estudante do Ensino Médio.

Texto completo:

PDF

Referências


Amigues, R. Trabalho do professor e trabalho de ensino. In: Machado, A.R. (Org.). O ensino como trabalho: uma abordagem discursiva. Londrina: Eduel, 2004. p.35-53.

Azanha, J.M.P. Educação: alguns escritos. São Paulo: Nacional, 1987.

Azanha, J. A formação do professor e outros escritos. São Paulo: Senac, 2006.

Barbier, J-M. Le vois nouvelles de la professionnalisation. In: Lenoir, Y.; Bouillier-Oudot, M.H. Savoirs professionels et curriculum de formation. Quebec: Les Presses de l’Université Laval, 2006. p.67-82.

Bardin, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 1977.

Biesta, G. Para além da aprendizagem: educação democrática para um futuro humano. Belo Horizonte: Autêntica, 2013.

Bruner, J.S. O processo da educação. São Paulo: Nacional, 1976. p.59.

Bühler, C. Bons professores que fazem a diferença na vida do aluno: saberes e práticas que caracterizam sua liderança. 2010. 169f. Tese (Doutorado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2010. Disponível em: . Acesso em: 2 jul. 2016.

Cândido, C.M. et al. A representação social do “bom professor” no ensino superior. Psicologia e Sociedade, v.2, n.26, p.356-365, 2014. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2016.

Charlot, B. O professor na sociedade contemporânea: um trabalhador da contradição. Revista da Faeeba: Educação e Contemporaneidade, v.17, n.30, p.17-31, 2008.

Comenius. Didática magna. São Paulo: Martins Fontes, 2002.

Contreras, J. Autonomia de professores. São Paulo: Cortez, 2012.

Cunha, M.I. A prática pedagógica do “bom professor”: influências na sua educação. 1988. 187f. Tese (Doutorado em Educação e Metodologia do Ensino) – Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 1988.

Dewey, J. Vida e educação. São Paulo: Melhoramentos, 1965. p.112.

Dias, G.B.M. O “bom professor”: entre o possível e o necessário. 2015. 157f. Dissertação (Mestrado em Sociologia da Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2015.

Félix, D.C. O bom professor na concepção do aluno: adolescente em busca de um referencial adulto. 2009. 95f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2009.

Freinet, C. A educação do trabalho. São Paulo: Martins Fontes, 1998. p.101-183.

Freire, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2014. p.24-138.

Giroux, H.A. Os professores como intelectuais: rumo a uma pedagogia crítica da aprendizagem. Porto Alegre: Artmed, 1997.

Gutierra, B.C.C. Adolescência, psicanálise e educação: o mestre “possível” de adolescentes. São Paulo: Avercamp, 2003.

Horta, P.R.T. Os desafios de definir um bom professor e a herança das escolas alternativas paulistanas: perspectivas de coordenadoras pedagógicas e professoras do Ensino Fundamental I. 2014. 274f. Tese (Doutorado em Educação - Psicologia e Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2014. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2016.

Ishii, I. O que os estudantes pensam e esperam de seus professores? Uma análise qualitativa das concepções de aprendizagem e de ensino de estudantes do nível médio. 2010. 169f. Dissertação (Mestrado em Educação) – Universidade de São Paulo, São Paulo, 2010. Disponível em: . Acesso em: 3 jul. 2016.

Kollas, F. et al. Saberes necessários ao bom professor: dizeres de licenciandos e estudantes da educação básica. Educação: Revista do Centro de Educação UFSM, v.38, n.3, p.645-658, 2013. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2015.

Korczak, J. Como amar uma criança. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1983. p.89-190.

Lanza, M.L. Sobre o bom professor: estudo de caso em uma escola da rede estadual paulista com alunos do Ensino Médio. 2016. 183f. Dissertação (Mestrado Educação) – Universidade Federal de São Paulo, Guarulhos, 2016.

Lessard, C. O trabalho docente, a análise da atividade e o papel dos sujeitos. Sísifo: Revista de Ciências da Educação, n.9, p.119-127, 2009.

López-Vargas, B.I.; Basto Torrado, S.P. Desde las teorías implícitas a la docencia como práctica reflexiva. Educación y Educadores, v.13, n.2, p.275-297, 2010. Disponible en: . Acceso en: 14 enero 2016.

Makarenko, A. Poema pedagógico. São Paulo: Editora 34, 2005.

Mellouki, M. Gauthier, C. O professor e seu mandato de mediador, herdeiro, intérprete e crítico. Educação e Sociedade, v.25, n.87, p.537-571, 2004.

Mondolfo, R. Problemas de cultura e de educação. São Paulo: Mestre Jou, 1967. p.104.

Montaigne, M. Da educação das crianças. São Paulo: Nova Cultura, 2000. p.151-166. (Os pensadores, v.1).

Nogueira, D.R.; Casa Nova, S.P.C.; Carvalho, R.C.O. O bom professor na perspectiva da geração Y: uma análise sob a percepção dos discentes de Ciências Contábeis. Enfoque: Reflexão Contábil, v.31, n.3, p.37-52, 2012. Disponível em: . Acesso em: 16 fev. 2015.

Pachane, G.G. Quem é seu melhor professor universitário e por quê? Características do bom professor universitário sob o olhar de licenciandos. Educação: Revista do Centro de Educação, v.37, n.2, p.307-320, 2012. Disponível em: . Acesso em: 16 jul. 2015.

Paro, V.H. (Org.). Administração escolar à luz dos clássicos da pedagogia. São Paulo: Xamã, 2011.

Paro, V.H. Crítica da estrutura da escola. São Paulo: Cortez, 2016.

Petersen, Telma Valle. Percepções dos alunos do ensino médio sobre o professor real e ideal, em relação às suas características pessoais e profissionais e à interação com os alunos. 2008. 154f. Dissertação (Mestrado em Psicologia) – Faculdade de Filosofia, Ciências e Letras de Ribeirão Preto, Ribeirão Preto, 2008. Disponível em: . Acesso em: 12 jul. 2016.

Pistrak, M.M. Fundamentos da escola do trabalho. São Paulo: Expressão Popular, 2003. p.21-157.

Rancière, J. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Belo Horizonte: Autêntica, 2015. p.34-57.

Rangel, L.F. O equilíbrio dinâmico entre o racional e o emocional: movimentos de formação de um professor. 2005. 145f. Dissertação (Mestrado em Educação em Ciências e Matemática) – Pontifícia Universidade Católica do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2005. Disponível em: . Acesso em: 9 jul. 2016.

Rios, T.A. Compreender e ensinar: por uma docência da melhor qualidade. São Paulo: Cortez, 2001.

Rizzoti, M.Â. Um bom professor de Matemática deveria: representações de alunos sobre a mediação do professor. In: Congreso Internacional sobre Investigación en la Didáctica de las Ciencias: Enseñanza de las Ciencias, 7., 2005, Barcelona. Anais […]. Barcelona: Universitat Autónoma de Barcelona, 2005. Número extra, p.1-4.

Rousseau, J-J. Emílio ou da Educação. São Paulo: Difel, 1979. p.15.

Ventura, M.C.A.A. et al. O “bom professor”: opinião dos estudantes. Revista de Enfermagem Referência ESEnfC, série 3, n.5, p.95-102, 2011.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v24n2a4065

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.