A responsabilidade da escola perante manifestações de agressividade: o olhar revelado por meio das redes sociais / The responsibility of the school in view of manifestations of aggressiveness: The view through social networks

Vera Maria Nigro de Souza Placco, Camila Lima Miranda, Adelina Braga Matsuda, Francisco Carlos Franco, Kátia Cilene de Mello Franco

Resumo


Este artigo relata uma investigação sobre as representações sociais (Serge Moscovici), construídas a partir da veiculação, nas redes sociais, de um vídeo que retrata uma criança derrubando objetos em uma sala, ocorrido em outubro de 2015, em Macaé, Rio de Janeiro. Esse vídeo ganhou enorme repercussão, evidenciada pelo seu destaque também em canais de televisão. Neste sentido, buscou-se compreender as teorias construídas por diferentes pessoas para o que estavam vendo naquelas imagens. Assim, a análise se centrou nos comentários de leitores sobre o vídeo, de modo que foram alocadas em quatro categorias preestabelecidas, com base nas concepções de responsabilidade elencadas por Yves Lenoir: senso comum, internalista, externalista (forte) do eu profundo e externalista fraca. Como resultados, evidenciou-se uma visão de responsabilidade majoritariamente centrada na mãe e na incapacidade da criança de distinção sobre o que é aceitável socialmente. Paradoxalmente, embora se considere a incapacidade da criança para esta distinção, os comentários defendem sanções à mesma. Outra representação, embora menos presente, é a denominada externalista fraca, na qual o aluno deve igualmente receber uma sanção, mas que também se orienta pela autocorreção e a autotransformação, em uma perspectiva social inter-relacional. Para superar esse impasse ético é preciso que o ser humano – professores, alunos, pais e leitores –, desenvolva em suas experiências a aprendizagem ética (Josep Maria Puig).


Palavras-chave


Criança. Representação Social. Responsabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


Adorno, S. Adolescentes, crime e violência. In: Abramo, H.W. et al. Juventude em debate. São Paulo: Cortez, 2000. p.97-109.

Alves-Mazzotti, A.J. Representações sociais: aspectos teóricos e aplicações à Educação. Em Aberto, n.61, p.60-78, 1994.

Alves-Mazzotti, A.J.; Campos, P.H.F. Cibercultura: uma nova “era das Representações sociais”? In: Almeida, A.M.O.; Santos, M.F.S.; Trindade, Z.A. (Org.). Teoria das representações sociais: 50 anos. Brasília: Technopolitik, 2011. p.457-488.

Araújo, U.F.; Puig, J.M.; Arantes, V.A. Entre pontos e contrapontos. In: Arantes, V.A. (Org.). Educação e valores. São Paulo: Summus, 2007. p.141-169.

Arroyo, M.G. Imagens quebradas: trajetórias e tempos de alunos e mestres. Rio de Janeiro: Vozes, 2004.

Bardin, L. Análise de conteúdo. Lisboa: Edições 70, 2000.

Barroso, J. Os professores e os novos modos de regulação da escola pública: das mudanças do contexto de trabalho às mudanças na formação. In: Barbosa, R.L.L. (Org.). Trajetórias e perspectivas da formação de educadores. São Paulo: Unesp, 2004. p.49-60.

Boff, L. Saber cuidar. Petrópolis: Vozes, 2013.

Codo, W. Educação: carinho e trabalho. 3. ed. Petrópolis: Vozes, 2002.

De Rosa, A.S. 50 anos depois: a Psychanalyse, son image et son public na era do facebook. In: Almeida, A.M.O.; Santos, M.F.S.; Trindade, Z.A. (Org.). Teoria das representações sociais: 50 anos. Brasília: Technopolitik, 2011. p.491-561.

Duveen, G. Introdução: o poder das ideias. In: Moscovici, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. Petrópolis: Vozes, 2013. p.7-29.

Goetz, E.R. et al. Representação social do corpo na mídia impressa. Revista Psicologia e Sociedade. v.20, n.2, p.226-236, 2008. Disponível em: . Acesso em: 14 ago. 2014.

Hall, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

Ianni, O. A sociedade global. São Paulo: Civilização Brasileira, 1996.

Jouan. M. Psychologie morale: autonomie, responsabilité et rationalité pratique (textes réunis et traduis par M. Jouan).

Paris: Librairie Philosophique J. Vrin, 2008.

Jouan, M.; Laugier, S. Comment penser l’autonomie? Entre compétences et dépendances. Paris: Presses universitaires de France, 2009.

Lebrun, J.; Lenoir, Y. O papel secundário dos saberes disciplinares no discurso dos futuros professores do primário: reflexo da relação estabelecida com as finalidades da escola? Pro-Posições, v.24, n.1, p.43-59, 2013.

Lenoir, Y. L’enseignant du XXIe siècle: un instrument ou un sujet responsable et autonome? Recherches sur les pratiques d’enseignement. Bulletin, n.3, p.1-14, 2013.

Libâneo, J.C; Oliveira, J.F.; Toschi, M.S. Educação escolar: políticas, estrutura e organização. 10. ed. São Paulo: Cortez, 2012.

Miranda, C.L.; Rezende, D.B.; Lisboa, J.C.F. A licenciatura e a construção das representações sociais sobre ser professor de química. Investigações em Ensino de Ciências, v.20, n.2, p.1-11, 2015. Disponível em: . Acesso em: 7 set. 2015.

Moscovici, S. Das representações coletivas às representações sociais: elementos para uma história. In: Jodelet, D. (Org.). As representações sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ, 2001. p.45-66.

Moscovici, S. A psicanálise, sua imagem e seu público. Petrópolis: Vozes, 2012.

Moscovici, S. Representações sociais: investigações em psicologia social. 10. ed. Petrópolis: Vozes, 2013.

Puig, J.M. Aprender a viver. In: Arantes, V.A. (Org.). Educação e valores. São Paulo: Summus, 2007. p.65-104.

Sá, C.P. A construção do objeto de pesquisa em representações sociais. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1998.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v23n2a3929

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.