EPLIBRAS: a experiência de um projeto bilíngue de preparação de alunos surdos para o Exame Nacional do Ensino Médio / EPLIBRAS: The experience of a bilingual project of preparation of deaf students for National Exam of Secondary Education

Maria Izabel dos Santos Garcia

Resumo


Nos últimos anos, com a discussão em torno da chamada educação inclusiva, muitas questões vêm sendo levantadas em relação a esse grupo social, seja por parte das instituições educacionais, seja pela militância de surdos. Um grande desafio que se coloca é como assegurar à criança, jovem/adolescente ou adulto surdo nos ensinos fundamental, médio e superior uma formação adequada, uma vez que o sistema educacional brasileiro apresenta sérios problemas no que se refere à qualificação dos professores. Ademais, há necessidade de revisão do modelo pedagógico ouvintista, bem como o pleno reconhecimento da LIBRAS. Assim, no Brasil, as políticas educacionais atuais ainda não asseguram plenamente aos surdos a LIBRAS como primeira língua e/ou materna, e a Língua Portuguesa, na forma escrita, como segunda língua. Desse modo, o artigo visa pôr em discussão como vem sendo a inserção dos Surdos no ensino superior brasileiro, a despeito da Lei n° 10.436/2002 e do Decreto n° 626/2005 que oficializam a LIBRAS como a língua oficial do surdo brasileiro, tomando por base a experiência da Escola Preparatória em LIBRAS para o Exame Nacional do Ensino Médio, que a autora deste artigo teve a oportunidade de implementar numa instituição pública do Estado de São Paulo e outra no Rio de Janeiro. A pesquisa ora apresentada teve por base uma abordagem qualitativa das três edições da Escola Preparatória em Libras, a saber: 2013, 2014 e 2015. Como procedimento metodológico foi adotada a pesquisa-ação, que se deu ao longo de todas as edições, e posterior análise comparativa entre as mesmas. Vale ressaltar que, para além das questões tanto linguísticas como cognitivas que se colocam, há também os aspectos culturais e identitários da(s) comunidade(s) de Surdos que precisam ser considerados. Esses foram fatores também considerados nessa experiência pioneira.

Palavras-chave: Bilinguismo. Ensino Superior. LIBRAS. Surdos.


Palavras-chave


Bilinguismo. Ensino Superior. LIBRAS. Surdos.

Texto completo:

PDF

Referências


Baldwin, S.C. Genocide & deafness. Review the Voice, p.7-10, 1988.

Berger, P.; Luckmann, T. A Construção social da realidade. Rio de Janeiro: Vozes, 1985.

Babha, H.K. O local da cultura. Belo Horizonte: Editora UFMG, 2003.

Bourdieu, P. Escritos de educação. Petrópolis: Vozes, 1998.

Brito, L.F. A Língua brasileira de sinais. Deficiência Auditiva, v.3, n.7, [s.p.], 1997.

Campello, A.R.C. Aspectos da visualidade na educação de surdos. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Santa Catarina, 2008.

Ciampa, A.C. Identidade. In: Lan, S.T.M.; Coldo, W. (Org.). Psicologia social: o homem em movimento. São Paulo:

Brasiliense, 1984. Coppete, M.C.; Fleuri, R.M.; Stoltz, T. Educação intercultural e diversidade: perspectivas possíveis. In: Cecchetti, E.; Pozzer, A. Educação e interculturalidade: conhecimentos, saberes e práticas descoloniais. Blumenau: Edifurb, 2014.

Elias, N. Mozart: sociologia de um gênio. Rio de Janeiro: Zahar Editora, 1994.

Eurydice. A educação para a cidadania nas escolas da Europa. Lisboa: Giase, 2005. Espaço: Informativo Técnico Científico do INES, da Instituição.

Rio de Janeiro: INES, 1997. (Edição Especial Comemorativa dos 140 Anos)

Frigotto, G. Educação e a crise do capitalismo real. São Paulo: Cortez, 1995.

Gadotti, M. Educação e poder: introdução à pedagogia do conflito. 13. ed. São Paulo: Cortez, 2003.

Garcia, M.I.S. Movimento social dos surdos: interseções, atravessamentos e implicações. Tese (Doutorado em

Sociologia e Antropologia) - Universidade Federal do Rio de Janeiro, 2011.

Garcia, M.I.S. Fala Zé mudo: aventuras e desventuras de uma trajetória. Dissertação (Mestrado em Psicologia e Práticas

Sócio-Culturais) - Universidade Estadual do Rio de Janeiro, 1999.

Goffman, E. Estigma. Rio de Janeiro: Guanabara, 1988. Libâneo, J.C. Adeus Professor, adeus professora? Novas exigências educacionais e profissão docente. São Paulo: Cortez, 2006.

Lobo, L. Deficiência: prevenção, diagnóstico e estigma. In: Grupos e instituições em análise. Rio de Janeiro: Rosa dos

Tempos, 1992.

Marques, R.R. A experiência de ser surdo, uma descrição fenomenológica. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

Miranda, M.I. Pesquisa-ação escolar: uma alternativa de enfrentamento aos desafios educacionais. In: Miranda, M.I.;

Silva, L.C. Pesquisa-ação: uma alternativa à práxis educacional. Uberlândia: EdUFU, 2012.

Padden, C. The Deaf Community and the culture of deaf people. In: Baker, C.; Battison, R. (Org.). Sign language and

the Deaf Community: Essays in honour of William Stokoe. Silver Spring: National Association of the Deaf, 1980.

Pádua, E.M.M. Metodologia da pesquisa: abordagem teóricoprática. Campinas: Papirus, 1997.

Patto, M.H.S. A produção do fracasso escolar. São Paulo: T. A. Queiroz Editor, 1993.

Rancière, J. O mestre ignorante: cinco lições sobre a emancipação intelectual. Belo Horizonte: Autêntica, 2002.

Sacks, O. Vendo vozes: uma jornada pelo mundo dos surdos. São Paulo: Imago, 1990.

Skliar, C. A Educação para os surdos: entre a pedagogia especial e as políticas para as diferenças. In: Seminário

Desafios e Possibilidades na Educação Bilíngüe para Surdos, 1997, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: INES, 1997. p.32-47.

Soares, M. Linguagem e escola: uma perspectiva social. 6. ed. São Paulo: Ática, 1988.

Stokoe, W.; Casterline, D.; Croneberg, C. A dictionary of american sign language on linguistic principles. Silver Spring:

Linstok Press, 1965.

Stokoe, W. C. Sign language structure: The first linguistic analysis of American sign language. Silver Spring: Linstok

Press, 1978.

Strathern, M. Entrevista: no limite de uma certa linguagem. Mana: Estudos de Antropologia Social, v.5, n.2, p.157-175, 1999.

Strobel, K. L. A visão histórica da in(ex)clusão de surdos nas escolas. Educação Temática Digital, v.7, n.2, 2006. p.244-252.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v22n3a3833

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.