Dito (e)feito: ideologia e relacoes de poder nos discursos/praticas (anti) democraticas em contexto escolar / Ideology and power relations in (anti)democratic discourses/practices in school

Enio José Porfirio Soares, Filomena Elaine Paiva Assolini, Andrea Coelho Lastoria

Resumo


Este artigo apresenta um recorte de pesquisa de mestrado, financiada pela Fundacao de Amparo a Pesquisa do Estado de Sao Paulo, em que se analisam discursivamente as relacoes entre dizeres e fazeres docentes no que concerne a construcao de praticas democráticas no espaco escolar. O estudo toma por base entrevistas semiestruturadas, realizadas com professores, gestores e funcionarios, apresentando observacoes acerca do ultimo ano do ensino fundamental (9º ano) em tres escolas municipais de uma cidade do interior do estado de Sao Paulo. A pesquisa apoiase no arcabouco teorico-metodologico da Analise de Discurso de matriz francesa, com o objetivo geral de analisar discursivamente as relacoes entre, de um lado, o interdiscurso que sustenta as falas a respeito do ideal de escola democratica corrente no meio educacional e, de outro, as praticas de fato concretizadas, apontando convergencias e divergencias constitutivas dos contextos estudados, bem como possiveis atravessamentos ideologicos. Buscou-se, ainda, corroboracao nas obras de Foucault, Pecheux, Gregolin, Orlandi, Assolini, Tfouni e Apple, dentre outros, para problematizar ‘se’ e ‘como’ a escola cria oportunidades para que os estudantes sejam sujeitos criticos de seus dizeres e fazeres. As analises mostram que, mesmo a escola ainda sendo um dispositivo disciplinar, voltado para a forma(ta) cao dos sujeitos estudantes e legitimacao de verdades e ideologias, muitas vezes constitui um espaço para a problematizacao das relacoes de poder e formacao de sujeitos criticos.


Palavras-chave


Analise de discurso. Democracia. Educacao. Praticas pedagogicas.

Texto completo:

PDF

Referências


Achard, P. et al. Papel da memória. 3. ed. Campinas: Pontes, 2010.

Apple, M.W.; Beane, J. Escolas democráticas. São Paulo: Cortez, 1997.

Araújo, U.F. Escola, democracia e a construção de personalidades morais. Revista Educação e Pesquisa, v.26, n.2, p.91-107, 2000.

Araújo, U.F. A construção social e psicológica dos valores. In: Araújo, U.F.; Puig, J.M. Educação e valores. São Paulo: Summus, 2007.

Araújo, U.F. Resolucao de conflitos e assembleias escolares. Cadernos de Educação FaE/PPGE/UFPel, n.31, p.115-131, 2008.

Aries, P.; Duby, G. História da vida privada. Sao Paulo: Cia. das Letras, 1997. (Da Renascenca ao Seculo das Luzes, v.4). Assolini, F.E.P. Análise discursiva dos saberes e fazeres pedagógicos de professores do ensino fundamental. Alfa, v.52, n.1, p.123-147, 2008.

Assolini, F.E.P.; Rivas, N.P.P. Leituras e memorias de sentidos: repercussoes na pratica pedagogica escolar In: Reuniao Anual da Anped, Educacao e Justica Social, 34., 2011. Natal. Anais... Rio de Janeiro: Anped, v.1, 2011, p.1-17.

Authier-Revuz, J. Heterogeneidades enunciativas. Cadernos de Estudos Linguísticos, v.19, p.25-42, 1990.

Bauman, Z. Modernidade líquida. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2001.

Brasil. Decreto no 52.625, de 15 de janeiro de 2008. Regulamenta o uso de telefone celular nos estabelecimentos de ensino do Estado de S.o Paulo. Brasilia: Imprensa Oficial, 2008. Disponivel em: <http://www.imprensaoficial.com.br/PortalIO/DO/GatewayPDF.aspx?link=/2008/executivo%20secao%20i/janeiro/16/pag_0003_2SPE9RJLQ1JPQe2VUB

DVCD39H5U.pdf>. Acesso em: 19 maio 2016.

Bobbio, N. Democracia. In: Bobbio, N.; Matteucci, N.; Pasquino, G. Dicionário de política. 8. ed. Brasília: Universidade de Brasília, 1995.

Bogdan, R.C.; Biklen, S. K. Investigaçã o qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Porto Alegre: Porto Editora, 1997.

Cesarotto, O.A. O discurso lacaniano. Viver Mente e Cérebro, v.4. p.23-29, 2005. (Coleção Memória da Psicanálise, 4).

Chaui, M. Cultura e democracia: o discurso competente e outras falas. 9. ed. São Paulo: Cortez, 2001.

Chaves, W.C. Consideracoes a respeito do conceito de real em Lacan. Psicologia em Estudo, v.14, n.1, p.41-46, 2009.

Courtine, J. Définition d’orientations théoriques et construction de procédures en analyses du discours. Philosophiques, v.9, n.2, p.239-264, 1982.

Elia, L. O conceito de sujeito. 3. ed. Rio de Janeiro: Zahar, 2010. (Psicanalise Passo-a-Passo).

Evangelista, O.; Shiroma, O.E. Professor: protagonista e obstaculo da reforma. Educaç.o e Pesquisa, v.33, n.3, p.531-541, 2007.

Foucault, M. A ordem do discurso. 19. ed. São Paulo: Edições Loyola, 2009a.

Foucault, M. A arqueologia do saber. 7. ed. Rio de Janeiro: Forense Universitaria, 2009b.

Foucault, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2015.

Foucault, M. Vigiar e punir: nascimento da prisao. 29. ed. Petropolis: Vozes, 2004.

Freire, P. Pedagogia da autonomia: saberes necessários à prática educativa. 35. ed. São Paulo: Paz e Terra, 2007.

Ginzburg, C. Sinais: raízes de um paradigma indiciário. In: Ginzburg, C. Mitos, emblemas e sinais. 2. ed. São Paulo:

Companhia das Letras, 2011. Gregolin, M.R. Michel Pecheux e a historia epistemológica da linguistica. Estudos da Lingua(gem), n.1, p.99-112, 2005.

Hall, S. A identidade cultural na pós-modernidade. 11. ed. Rio de Janeiro: DP&A, 2006.

Henry, P. Os fundamentos teoricos da “analise automática do discurso” de Michel Pecheux (1969). In: Gadet, F.; Hak, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso. 4. ed.

Campinas: Unicamp, 2010.

Lacan, J. O Seminário, Livro VII: a ética da psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1988.

Lacan, J. Para-além do princípio de realidade. In: Escritos. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1998.

Lacan, J. O Seminário, Livro V: as formações do inconsciente. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 1999.

Lacan, J. Discurso aos católicos: em o triunfo da religião. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2005.

Longo, L. Linguagem e psicanálise. Rio de Janeiro: Jorge Zahar, 2006. (Coleção Passo-a-Passo).

Lüdke, M.; André, M.E.D.A. Pesquisa em educação: abordagens qualitativas. São Paulo: EPU, 1986.

Machado, R. Por uma genealogia do poder. In: Foucault, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Graal, 2015. p.7-34.

Mesquita, D.P.C.; Rosa, I.F. As heterogeneidades enunciativas como aporte teorico-metodologico para a analise do discurso de linha francesa. Veredas online: Análise do Discurso, n.2, p.130-141, 2010.

Minayo, M.C. O desafio do conhecimento: pesquisa qualitativa em saúde. 8. ed. Sao Paulo: Hucitec-Abrasco, 2004.

Neutzling, C. Tolerância e democracia em John Dewey. Roma: Pontifícia Universidade Gregoriana, 1984.

Oliveira, C.; Cazarin, E.A. Democracia: sentidos possíveis em distintas concepções teóricas. ReVEL, v.7, n.13, p.1-18, 2009.

Orlandi, E.P. Análise de discurso: princípios e procedimentos. 8. ed. Campinas: Pontes, 2009. Paniago, M.L.F.S. Práticas discursivas de subjetivaçã o em contexto escolar. 2005. 351 f. Tese (Doutorado em Linguistica e Lingua Portuguesa) – Faculdade de Ciências e Letras da Universidade Estadual Paulista, Araraquara, 2005.

Pêcheux, M. Sobre a (des)construcao das teorias linguisticas. Cadernos de Traduç.o, n.4, p.35-55, 1998.

Pêcheux, M. O discurso: estrutura ou acontecimento. 5. ed. Campinas: Pontes, 2008.

Pêcheux, M. Análise automática do discurso (AAD-69). In: Gadet, F.; Hak, T. (Org.). Por uma análise automática do discurso. 4. ed. Campinas: Unicamp, 2010a. p.59-158.

Pêcheux, M. Semântica e discurso: uma crítica a afirmação do óbvio. 4. ed. Campinas: Unicamp, 2010b.

Pecheux, M.; Fuchs, C. A proposito da analise automática do discurso: atualizacao e perspectivas. In: Gadet, F.; Hak, T. (Org.) Por uma análise automática do discurso. 4. ed. Campinas: Unicamp, 2010. p.159-250.

Piovezanni, C. Presencas do curso de linguistica geral na analise do discurso. In: Fiorin, J.L.; Flores, V.N.; Barbisan, L.B. Saussure e a invenç.o da linguística. Sao Paulo: Contexto, 2013. p.149-162.

Rosenfield, D.L. O que é democracia. São Paulo: Brasiliense, 1984.

Serres, M. Polegarzinha: uma nova forma de viver em harmonia, de pensar as instituicoes, de ser e de saber. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 2013.

Tadeu, T.S. Curriculo, conhecimento e democracia: as licoes e as duvidas de duas decadas. Caderno de Pesquisa, n.73, p.59-66,1990.

Triviños, A.N.S. Introduçã o à pesquisa em ciências sociais: a pesquisa qualitativa em educação. São Paulo: Atlas, 1987.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v23n1a3666

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.