A política de ampliação do ensino fundamental e sua efetivação no estado de Mato Grosso do Sul

Vilma Miranda de Brito, Ester Senna

Resumo


Este artigo discute as transformações e os impasses que o Ensino Fundamental tem passado no Brasil, particularmente com relação à ampliação para nove anos. Focalizam-se as discussões e as lutas travadas no processo de ampliação do Ensino Fundamental obrigatório para nove anos no estado de Mato Grosso do Sul. Desta forma, o método de investigação do presente estudo considera a sociedade sempre em movimento e as relações sociais que aí acontecem em constante construção no espaço dinâmico e contraditório do modo capitalista de produção. A ferramenta metodológica utilizada foi a análise de conteúdo das normas. Conclui-se que a ampliação do Ensino Fundamental constituiu-se em práticas de acomodação e necessita ainda de mudanças estruturais que atinjam o cerne das questões educacionais e que possibilite a ampliação de oportunidades de permanência, sucesso escolar e garantia de padrão de qualidade.

 


Palavras-chave


Ensino Fundamental de nove anos. Políticas públicas. Qualidade da educação.

Texto completo:

PDF

Referências


AZEVEDO, J.M.L. A educação como política pública. Campinas: Autores Associados, 1997.

BRASIL. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988. Disponível em: . Acesso em: 10 ago. 2006.

BRASIL. Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Diário Oficial da República Federativa do Brasil, 23 de dez. 1996. n.248, Seção 1, p.27834.

BRASIL. Lei n. 11.114, 16 de maio de 2005. Altera os arts. 6º, 30, 32 e 87 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, com o objetivo de tornar obrigatório o início do ensino fundamental aos seis anos de idade. Diário Oficial da União, 16 maio 2005. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2007.

BRASIL. Ministério da Educação. Ampliação do ensino fundamental para nove anos: relatório do programa: orientações gerais. Brasília: MEC, 2006a.

BRASIL. Ministério da Educação. Ampliação do ensino fundamental para nove anos: 3º relatório do programa/Secretaria de Educação Básica. Brasília: MEC, 2006b.

BRASIL. Lei n. 11.274, 6 de fevereiro de 2006. Altera a redação dos arts. 29, 30, 32 e 87 da Lei n. 9.394, de 20 de dezembro de 1996, que estabelece as diretrizes e bases da educação nacional, dispondo sobre a duração de 9 (nove) anos para o ensino fundamental, com matrícula

obrigatória a partir dos 6 (seis) anos de idade. Diário Oficial da União, 7 fev. 2006c. Disponível em: . Acesso em: 10 jul. 2007.

FREITAS, D.N.T. Ação reguladora da União e qualidade do ensino obrigatório (Brasil, 1988-2007). Educar, n.31, p.33-51, 2008.

MATO GROSSO DO SUL. Conselho Estadual de Educação. Deliberação no 7.872 de 26 de outubro de 2005. Dispõe sobre o ingresso de crianças de seis anos de idade no Ensino Fundamental, do Sistema Estadual de Ensino. Diário Oficial do Estado do Mato Grosso do Sul, 22 nov. 2005. no

610.

MATO GROSSO DO SUL. Conselho Estadual de Educação. Deliberação no 8.144 de 9 de outubro de 2006. Dispõe sobre o Ensino Fundamental, com duração de 9 (nove) anos, e matrícula obrigatória a partir dos seis anos de idade, no Sistema Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul. Diário Oficial do Estado do Mato Grosso do Sul, 18 out. 2006a. no 6.830, p.16.

MATO GROSSO DO SUL. Resolução SED no 2.055, de 11 de dezembro de 2006. Dispõe sobre o Ensino Fundamental com duração de 9 (nove) anos e matrícula obrigatória a partir dos 06 (seis) anos de idade, nas unidades escolares da Rede Estadual de Ensino de Mato Grosso do Sul. Diário Oficial do Estado do Mato Grosso do Sul, 14 dez. 2006b. no 6.868, p.8-9.

MÉSZÁROS, I. A necessidade do controle social. São Paulo: Ensaio, 1987.

OLIVEIRA, R.P. Da universalização do ensino fundamental ao desafio da qualidade: uma análise histórica. Educação & Sociedade, v.28, n.100 (especial), p.661- 690, 2007.

PEREZ, J.R.R. Reflexões sobre a avaliação do processo de implementação de políticas e programas educacionais. In: WARDE, M.J. (Org.). Novas práticas educacionais: críticas e perspectivas. São Paulo: PUC-SP, 1988.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v16n2a31

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.