A construção social do individualismo na profissão docente: como transcender as fronteiras tradicionais da identidade dos professores?

Júlio Emílio Diniz-Pereira

Resumo


O propósito deste artigo é entender, por meio da análise da literatura norte-americana sobre o tema, como o individualismo vem sendo construído histórica e socialmente como uma das marcas mais fortes e mais resistentes da identidade docente e discutir algumas possibilidades para a construção da colaboração e da solidariedade como novas funcionalidades da identidade dos professores. Discutem-se questões como as seguintes: Por que o individualismo é uma das marcas mais fortes e mais resistentes da identidade docente? Como essa marca foi construída historicamente e socialmente? Existe alguma possibilidade para a construção da colaboração e da solidariedade como novas funcionalidades da identidade dos professores? O “ethos” da ocupação, a estrutura “celular” das escolas, a formação docente, a carreira profissional, bem como as relações que se estabelecem entre os professores e os “outros” nas escolas são aspectos que nos ajudam a compreender como esse fenômeno acontece. Ao final, o texto apresenta algumas ideias de como transcender fronteiras tradicionais da identidade dos professores.

Palavras-chave: Construção da identidade. Formação de professores. Individualismo. Pesquisa colaborativa. Profissão docente.


Palavras-chave


Construção da identidade; Formação de professores; Individualismo; Pesquisa colaborativa; Profissão docente

Texto completo:

PDF

Referências


Anderson, G.L.; Herr, K.; Nihlen, A.S. Studying your own school: An educator’s guide to qualitative practitioner research. Thousand Oaks: Corwin Press, 1994.

Biklen, S.K. School work: Gender and the cultural construction of teaching. New York: Teachers College Press, 1995.

Boy, L.C.G.; Duarte, A.M.C. A dimensão coletiva do trabalho docente: uma experiência em duas escolas municipais de Belo Horizonte. Educação em Revista, v.30, n.4, p.81-104, 2014.

Britzman, D.P. Practice makes practice: A critical study of learning to teach. Albany: State University of New York Press, 1991.

Cochran-Smith, M.; Lytle, S.L. Inside/outside: Teacher research and knowledge. New York: Teachers College Press, 1993.

Cohn, M.M.; Kottkamp, R.B. Teachers: The missing voice in education. Albany: State University of New York Press, 1993.

Danielewicz, J. Teaching selves: Identity, pedagogy, and teacher education. Albany: State University of New York, 2001.

Fiorentini, D. Investigar e aprender em comunidades colaborativas de docentes da escola e da universidade. In: Encontro Nacional de Didática e Prática de Ensino, 16., Campinas, 2012. Anais... São Paulo: Junqueira & Marin, 2012. p.239-252.

Forte, A.M.; Flores, M.A. Potenciar o desenvolvimento profissional e a colaboração docente na escola. Cadernos de Pesquisa, v.24, n.147, p.900-919, 2012.

Foster, M. Black teachers on teaching. New York: The New Press, 1997.

Foster, C. Why teach? Stanford Magazine, 2001. Available from: . Cited: Apr. 17, 2002.

Goodlad, J.I. Teachers for our nation’s schools. San Francisco: Jossey-Bass, 1990.

Little, J.W. The persistence of privacy: Autonomy and Initiative in teachers’ professional relations. Teachers College Record, v.91, n.4, p.509-536, 1990.

Lortie, D.C. Schoolteacher: A sociological study. Chicago: The University of Chicago Press, 1975.

Metz, M. How social class differences shape teachers’ work. In: McLaughlin, M.; Talbert, J.; Bascia, N. (Ed.). The contexts of teaching in secondary schools: Teachers realities. New York: Teachers College Press, 1990. p.40-107.

Mitchell, A. Teacher Identity: A key to increase collaboration. Action in Teacher Education, v.19, n.3, p.1-14, 1997.

Pimenta, S.G. Pesquisa-ação crítico-colaborativa: construindo seu significado a partir de experiências com a formação docente. Educação e Pesquisa, v.31, n.3, p.521-539, 2005.

Talbert, J.E.; McLaughlin, M.W. Understanding teaching context. In: Cohen, D.K.; McLaughlin, M.W.; Talbert, J.E. (Ed.). Teaching for understanding: Challenges for policy and practice. San Francisco: Jossey-Bass, 1993. p.167-206.

Tyack, D.; Tobin, W. The “grammar” of schooling: Why has it been so hard to change? American Educational Research Journal, v.31, n.3, p.453-479, 1994.

Zeichner, K.M. Uma análise crítica sobre a reflexão como conceito estruturante na formação docente. Educação & Sociedade, v.29, n.103, p.535-554, 2008.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v20n2a2993

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.