O Programa Ler e Escrever: uma experiência no 4º e no 5º ano

Elvira Cristina Martins Tassoni, Jonas Fernandes (in memoriam)

Resumo


Este artigo apresenta resultados de pesquisa que investigou como o material didático do Programa Ler e Escrever vem sendo explorado nas classes de 4º e 5º ano do Ensino Fundamental de uma escola estadual em Campinas (SP). O material empírico foi produzido por meio de observações realizadas nas duas classes e de informações fornecidas pelas professoras. Os resultados evidenciaram que: (i) há pouca variabilidade organizacional das aulas e pouca interação entre os alunos para discutirem as atividades propostas; (ii) as dificuldades das professoras em relação ao uso do material, às vezes, eram transferidas para os alunos; (iii) o professor pode cometer o engano de ver as práticas de leitura e de escrita como naturais e de fácil aprendizagem, considerando a linguagem escrita como um objeto transparente, que se revela por si só. Há necessidade de reflexão sobre as ações cotidianas que se automatizam devido às condições de trabalho, que dificultam a concretização de espaços para discussão.

Palavras-chave: Material didático. Política educacional. Práticas pedagógicas. Programa Ler e Escrever.


Palavras-chave


Material didático; Política educacional; Práticas pedagógicas; Programa Ler e Escrever

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, Brasília, DF, 23 dez. 1996. Seção 1, p.207.

Bogdan, R.; Biklen, S. Investigação qualitativa em educação: uma introdução à teoria e aos métodos. Portugal: Porto Editora, 1994.

Camacho, P.V. Um estudo sobre o programa ler e escrever da rede púbica do estado de São Paulo. 2010. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Humanidades e Direito, Universidade Metodista de São Paulo, São Bernardo do Campo, 2010.

Charlot, B. Da relação com o saber às práticas educativas. São Paulo: Cortez Editora, 2013.

Ferreiro, E.; Teberosky, A. Psicogênese da língua escrita. Porto Alegre: Artes Médicas, 1985.

Lemos, C.T.G. Sobre a aquisição da escrita: algumas questões. In: Rojo, R. (Org.). Alfabetização e letramento: perspectivas linguísticas. Campinas: Mercado das Letras, 1998. p.13-31.

Molinari, S.G.S. A prática pedagógica e as escolhas didáticas de uma professora alfabetizadora. In: Anais do Congresso

Educasul, 2010. Florianópolis. Anais eletrônicos... 2010, p.1-16. Disponível em: <http://www.educasul.com.br/2010/

Anais/trabalhos_educasul_curriculo_e_culturaescolar2/Simone%20Molinari.pdf>. Acesso em: 11 nov. 2012.

Nascimento, M. A alfabetização como objeto de estudo: uma perspectiva processual. In: Rojo, R. (Org.). Alfabetização e letramento: perspectivas linguísticas. Campinas: Mercado das Letras, 1998. p.33-59.

Newman, F.; Holzman, L. Lev Vygotsky cientista revolucionário. São Paulo: Edições Loyola, 2002.

Nóvoa, A. Formação de professores e profissão docente. In: Nóvoa, A. (Org.). Os professores e sua formação. Lisboa: Publicações Dom Quixote, 1992. p.15-33.

Pimenta, S.G. O professor reflexivo: construindo uma crítica. In: Pimenta, S.G.; Ghedin, E. (Org.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e crítica de um conceito. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2002. p.17-52.

Russo, M.; Carvalho, C. Reforma e políticas de educação do governo do estado de São Paulo (2007-2011). Série-Estudos. n.34, p.275-289, 2012. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2015.

São Paulo (Estado). Secretaria da Educação. Programa de formação de professores alfabetizadores: documento de apresentação. São Paulo: Ministério da Educação, 2003.

São Paulo (Estado). Secretaria da Educação. Resolução SE - 86, de 19-12-2007. Institui, para o ano de 2008, o Programa Ler e Escrever, no Ciclo I das Escolas Estaduais de Ensino Fundamental das Diretorias de Ensino da Coordenadoria de Ensino da Região Metropolitana da Grande São Paulo.

São Paulo, 2007a. Disponível em: . Acesso em: 13 abr. 2013.

São Paulo (Estado). Secretaria da Educação. Resolução SE - 88, de 19-12-2007. Dispõe sobre a função gratificada de professor coordenador. São Paulo, 2007b. Disponível em: . Acesso em: 13 abr.2013.

São Paulo (Estado). Secretaria da Educação. Ler e escrever: guia de planejamento e orientações didáticas: professor 3ª série (4º ano). São Paulo: FDE, 2010a.

São Paulo (Estado). Secretaria da Educação. Ler e escrever: coletânea de atividades: professor 4º ano (3ª série). São Paulo: FDE, 2010b.

São Paulo (Estado). Secretaria da Educação. Ler e escrever: guia de planejamento e orientações didáticas: professor 4ª série (5º ano). São Paulo: FDE, 2010c.

São Paulo (Estado). Secretaria da Educação. Ler e escrever: coletânea de atividades: professor 4ª série (5º ano). São Paulo: FDE, 2010d.

Schön, D. Formar professores como profissionais reflexivos. In: Nóvoa, A. (Org.) Os professores e sua formação. Lisboa: Dom Quixote, 1992. p.77-91.

Tassoni, E.C.M. A leitura e a escrita nos anos iniciais do ensino fundamental: a prática docente a partir da voz dos alunos. EccoS: Revista Científica, n.27, p.191-209, 2012.

Vicentini, P.P.; Lugli, R. História da profissão docente no Brasil: representações em disputa. São Paulo: Cortez Editora, 2009.

Vigotski, L S. A formação social da mente. São Paulo: Martins Fontes, 1994.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v20n1a2940

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.