A escrita de lide na alfabetização

Raquel Pereira Soares, Adriana Pastorello Buim Arena

Resumo


O tema proposto para esta reflexão aborda o ensino da escrita e da leitura a partir de um gênero textual, a notícia, mais especificamente uma de suas partes constituintes: o lide. O artigo tem como objetivo apresentar e analisar o processo de produções escritas de quatro duplas de crianças entre seis e oito anos matriculadas no segundo ano do ensino fundamental em uma escola municipal da cidade de Uberlândia, Minas Gerais. Os dados apresentados são resultados de observações, de entrevistas e de um plano de ação realizados em 2012, durante uma pesquisa-ação. Foi desenvolvida uma sequência didática com o objetivo de promover mudanças nos sujeitos pesquisados e que gerasse dados para análise e compreensão do processo de ensinar e de aprender a escrever no ensino fundamental. Ao propor às crianças a escrita do lide, foi possível perceber que, além de se envolverem na prática da escrita dos textos, conseguiram produzir com autonomia uma parte da estrutura composicional do gênero notícia. A escrita em duplas propiciou as trocas de saberes entre as crianças, aprendizagem de estratégias de leitura e de escrita e a convivência social.

Palavras-chave: Ação docente. Aprendizagem da escrita. Prática pedagógica. Trabalho em duplas.


Palavras-chave


Ação docente; Aprendizagem da escrita; Prática pedagógica; Trabalho em duplas

Texto completo:

PDF

Referências


Bajard, E. Caminhos da escrita: espaços de aprendizagem. 2.ed. São Paulo: Cortez, 2002.

Bakhtin, M. Estética da criação verbal. Martins Fontes: São Paulo, 2003.

Calil, E. A rainha comilona: dialogismo e memória na escritura escolar. Bakhtiniana, v.7, n.1, p.24-45, 2012a.

Calil, E. Rasuras orais em madrasta e as duas irmãs: processo de escritura de uma díade recém-alfabetizada. Educação e Pesquisa, v.38, n.3, p.589-602, 2012b.

Calil, E.; Amorim, K.A.; Lira, L. Letramento e processo de escritura de alunos recém-alfabetizados. Cadernos CEDES, v.33, n.89, p.73-89, 2013.

Faria, M.A. Como usar o jornal na sala de aula. 8.ed. São Paulo: Contexto, 1996.

Faria, M.A. O jornal na sala de aula. 9.ed. São Paulo: Contexto, 2007.

Faria, M.A.; Zanchetta, J. Para ler e fazer o jornal na sala de aula. São Paulo: Contexto, 2002.

Freinet, C. O jornal escolar. São Paulo: Martins Fontes, 1974.

Jolibert, J. Formando crianças produtoras de textos. Porto Alegre: Artes Médicas, 1994. v.2.

Jolibert, J.; Jacob, J. Além dos muros da escola: a escrita como ponte entre os alunos e comunidade. Porto Alegre: Artmed, 2006.

Lener, D. Ler e escrever na escola: o real, o possível e o necessário. Porto Alegre: Artmed, 2002.

Marcuschi, L.A. Da fala para a escrita: atividades e retextualização. 3.ed. São Paulo: Cortez, 2001.

Mendonça, M. Gêneros: por onde anda o letramento. In: Mendonça, M.; Santos, C.F. (Org.). Alfabetização e letramento: conceitos e relações. Belo Horizonte: Autêntica, 2007. p.37-56.

Schneuwly, B.; Dolz, J. Gêneros orais e escritos na escola. 3.ed. Campinas: Mercado das Letras, 2011.

Thiollent, M. Metodologia da pesquisa-ação. 18.ed. São Paulo: Cortez, 2011.

Vygotsky, L.S. A formação social da mente. 6.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2000.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v20n2a2747

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.