A gestão de um sistema de ensino recontextualizada a partir do planejamento estratégico participativo

Eliete Aparecida de Godoy, Alessandra Rodrigues de Almeida

Resumo


Desde o final do século XX, muito se tem escrito sobre o fenômeno da gestão democrática da escola, que ganhou forma pela primeira vez no Brasil com a Constituição Federal de 1988 e com a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional de 1996. Usualmente, a gestão democrática e participativa tem focado a participação de pais, comunidade, professores e estudantes na vida administrativa da escola e na discussão e elaboração coletiva do Projeto Político Pedagógico, porém ainda é pouco explorada pelos sistemas de ensino. Neste texto, apresentamos um relato de experiência e discutimos o Planejamento Estratégico Participativo como elemento essencial de estruturação da gestão democrática no âmbito do sistema educacional e também das escolas, bem como alguns de seus resultados. Apoiadas em autores como Boaventura S. Santos e Leonardo Avritzer, Heloísa Lück, Carlos Matus, Djalma P. R. Oliveira, Sofia L. Vieira, Vitor H. Paro, Moacir Gadotti e Gilnei L. Moura, as autoras, por meio deste texto, pretendem contribuir para o debate da gestão democrática na educação pública. O processo de recontextualização da gestão educacional demonstrou que atividades como a reorganização das estruturas administrativas e práticas participativas trazem maior envolvimento dos atores, avaliação e discussão dos problemas e desafios vivenciados, o que permite a visibilidade de aspectos relevantes para implementação das políticas educacionais locais.

Palavras-chave: Gestão democrática. Planejamento estratégico. Planejamento participativo. Políticas educacionais.


Palavras-chave


Gestão democrática; Planejamento estratégico; Planejamento participativo; Políticas educacionais

Texto completo:

PDF

Referências


Brasil. Constituição (1988). Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado Federal, 1988. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2015.

Brasil. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional. Lei 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Brasília: Senado Federal, 1996. Disponível em: . Acesso em: 12 mar. 2015.

Gadotti, M. Escola cidadã: uma aula sobre a autonomia da escola. São Paulo: Cortez, 1992.

Lück, H. A aplicação do planejamento estratégico na escola. Revista Gestão em Rede, n.19, p.8-13, 2000. Disponível em:. Acesso em: 15 ago. 2014.

Lück, H. et al. A escola participativa: o trabalho do gestor escolar. Petrópolis: Vozes, 2005. (Série Cadernos de Gestão).

Matus, C. O Método PES: roteiro de análise teórica. São Paulo: Fundap, 1997.

Moura, G.L. Planejamento estratégico e planejamento participativo na gestão municipal: o caso do município de Porto Alegre: gestão 1989-93. Revista de Administração Pública, v.31, n.1, p.23-41, 1997.

Oliveira, D.P.R. Planejamento estratégico: conceitos, metodologia, práticas. 12.ed. São Paulo: Atlas, 1998.

Oliveira, D.P.R. Planejamento estratégico: conceitos, metodologia e práticas. 13.ed. São Paulo: Atlas, 1999.

Paro, V.H. Implicações do caráter político da educação para a administração da escola pública. Educação e Pesquisa, v.28, n.2, p.11-23, 2002.

Rua, M.G. Políticas públicas. Florianópolis: UFSC, 2009.

Santos, B.S.; Avritzer, L. Introdução: para ampliar o cânone democrático. In: Santos, B.S. (Org.). Democratizar a democracia: os da participativa. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2005. p.39-82.

Vieira, S.L. Política(s) e gestão da educação básica: revisitando alguns conceitos simples. Rio Grande do Sul: UFRGS, 2006. Disponível em: . Acesso em: 15 maio 2014.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v20n2a2604

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.