Justiça social e política educacional: extensão das vagas escolares na educação infantil

Ana Elisa Spaolonzi Queiroz Assis, José Roberto Rus Perez

Resumo


O objetivo desta pesquisa foi investigar se as decisões que estão garantindo vagas para crianças fora da faixa etária prevista na Constituição Federal têm efetivado o direito à educação na Região Metropolitana de Campinas. Para responder ao problema fez-se um diagnóstico utilizando metodologia quantitativa e identificação das ações dos Poderes Públicos por meio da análise institucional. Identificou-se que as demandas do Parquet por vagas para crianças fora da faixa etária prevista são significativas e quase sempre atendidas pelo Judiciário, que justifica a efetivação do direito com base em uma interpretação extensiva inexistente na Carta Magna. Tal posicionamento prejudica o sucesso da implementação da política por não respeitar as delimitações dos textos legais, reduzindo a efetivação dos direitos das crianças a uma simples vaga em instituição escolar, sem considerar uma discussão de Direitos Humanos.


Palavras-chave


Educação infantil. Poderes públicos. Políticas educacionais.

Texto completo:

PDF

Referências


Arendt, H. Origens de totalitarismo I: o anti-semitismo, instrumento de poder. Rio de Janeiro: Documentário, 1975.

Assis, A.E.S.Q. Controle judicial de políticas públicas educacionais: o que vem fazendo o Poder Judiciário? 2009. Monografia (Graduação em Direito) - Faculdade de Direito, Pontifícia Universidade Católica de Campinas, Campinas, 2009.

Assis, A.E.S.Q.; Perez, J.R.R. Judicial control of public policy education: the case of continued progression in São Paulo. In: Conferénce Internationale Éducation, Économie et Societé, 3., 2011, Paris. Actes… Strasbourg: Guy Tchibozo, 2011. p.45-53.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988. Disponível em: .

Brasil. Lei no 9.394, 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, 23 dez. 1996. Seção 1, p.27833.

Brasil. Emenda Constitucional nº 59, de 11 de novembro de 2009. Diário Oficial da União, 12 nov. 2009. Seção 1, p.8.

Duarte, C.S. Direito público subjetivo e políticas educacionais. São Paulo em Perspectiva, v.18, n.2, p.113-118, 2004. Disponível em: . Acesso em: 13 fev. 2012.

Gordon, D. Children, policy and social justice. In: Craig, G.; Burchardt, T.; Gordon, D. Social justice and public policy: seeking fairness in diverse society. Bristol: The Policy, 2008. p.160-175.

Lafer, C. A reconstrução dos direitos humanos: um diálogo com o pensamento de Hannah Arendt. São Paulo: Companhia das Letras, 1991.

Lourau, R. Análise institucional e práticas de pesquisa. Rio de Janeiro: UERJ, 1993.

Maldonado, M. Separação dos poderes e sistema de freios e contrapesos: desenvolvimento no estado brasileiro. Revista Jurídica 9 de julho, n.2, p.235-255, 2003.

Montesquieu, C. Do espírito das leis. São Paulo: Difusão Européia do Livro, 1962.

Moraes, A. Direitos humanos fundamentais: teoria geral. 4.ed. São Paulo: Atlas, 2002.

Morais, D.C.B. A formação de professores nos municípios da Região Metropolitana de Campinas. 2007. Dissertação (Mestrado) - Faculdade de Educação, Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2007.

Núcleo de Estudos de Políticas Públicas. Diagnóstico das ações do conselho tutelar de Indaiatuba: relatório final. Campinas: Unicamp, 2011.

Organização das Nações Unidas. Declaração universal dos direitos humanos. 1948. Disponível em: <http://portal.mj.gov.br/sedh/ct/legis_intern/ddh_bib_inter_universal.

htm>. Acesso em: 13 fev. 2012.

Perez, J.R.R. Diagnóstico da educação básica na região metropolitana de Campinas. Campinas: Observatório Metropolitano, 2010.

Rawls, J. O direito dos povos. São Paulo: Martins Fontes. 1999.

Sabatier, P.A.; Mazmanian, D.A. La implementación de la política pública: un marco de análisis. In: Villanueva, L.A. Laimplementación de las políticas. Ciudad del Mexico: Porrúa, 1996. p.323-372.

Sarlet, I.W. Dignidade da pessoa humana e direitos fundamentais na Constituição Federal de 1988. 5.ed. Porto Alegre: Livraria do Advogado, 2007.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v18n2a2025

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.