Identidade da educação infantil e de seus professores: perspectivas de reconstrução

Jaqueline Cristina Massucato, Heloisa Helena Oliveira de Azevedo

Resumo


Este trabalho aborda a identidade da Educação Infantil e de seu professor, tendo como problemática conhecer quais são os desafios e as perspectivas para sua reconstrução. De cunho bibliográfico, analisa as concepções de escola e de professor que circulam na literatura da área, identificando o professor de Educação Infantil como responsável por oportunizar as condições objetivas nas quais o conhecimento se processa e as escolas de Educação Infantil enquanto instituições privilegiadas para disponibilizar as ferramentas para que a criança aprenda sobre o mundo e sobre os conhecimentos em torno deste. Esse estudo evidenciou a necessidade de se ampliar as discussões sobre o tema, a fim de se buscar caminhos para a reconstrução da identidade dos professores de Educação Infantil, que precisa ser pensada em termos de reconhecimento da profissão docente e do seu papel social, político e profissional, assim como colocar em relevo a importância das escolas de Educação Infantil.

 


Palavras-chave


Concepção de educação infantil. Concepção de professor. Identidade. Políticas educacionais.

Texto completo:

PDF

Referências


Arce, A.; Martins, L.M. (Org.). Quem tem medo de ensinar na educação infantil?: em defesa do ato de ensinar. 2.ed. Campinas: Alínea, 2010.

Arce, A.; Silva, J.C. É possível ensinar no berçário? In: Arce, A.; Martins, L.M. (Org.). Ensinando aos pequenos de zero a três anos. Campinas: Alínea, 2009. p.163-185.

Azevedo, H.H.O. Formação inicial de profissionais de educação infantil: desmistificando a separação cuidar-educar. 2005. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Metodista de Piracicaba, Piracicaba, 2005.

Brasil. Constituição da República Federativa do Brasil. Brasília: Senado, 1988. Disponível em: .

Brasil. Lei no 8.069, de 13 de julho de 1990. Dispõe sobre o estatuto da criança e do adolescente e dá outras providências. Diário Oficial da União, 16 jul. 1990. p.13563.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Fundamental. Política nacional de educação infantil. Brasília: MEC, 1994.

Brasil. Lei no 9.394, de 20 de dezembro de 1996. Estabelece as diretrizes e bases da educação nacional. Diário Oficial da União, 23 dez. 1996. Seção 1, p.27833.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Referencial curricular nacional para a educação infantil. Brasília: MEC, 1998a.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Diretrizes curriculares nacionais para educação infantil. Brasília: MEC, 1998b.

Brasil. Ministério da Educação. Secretaria de Educação Básica. Parâmetros nacionais de qualidade para educação infantil. Brasília: MEC, 2006.

Brasil. Emenda Constitucional nº 59, de 11 de novembro de 2009. Acrescenta § 3o ao artigo 76 do ato das disposições constitucionais transitórias para reduzir... Diário Oficial da União, 12 nov. 2009a. Seção 1, p.8. Disponível em: . Acesso em: 28 mar. 2011.

Brasil. Resolução no 5, de 17 de dezembro de 2009. Fixa as diretrizes curriculares nacionais para educação infantil. Diário Oficial da União, 18 dez. 2009b. Seção 1, p.18.

Gandini, L. Espaços educacionais e de envolvimento pessoal. In: Edwards, C. (Org.). As cem linguagens da criança: a abordagem Reggio Emilia na educação da primeira infância. Porto Alegre: Artmed, 1999. p.145-176.

Kuhlmann Júnior, M. Infância e educação infantil: uma abordagem histórica. 4.ed. Porto Alegre: Mediação, 2007.

Mallaguzzi, L. História, ideias e filosofia básica. In: Edwards, C. (Org.). As cem linguagens da criança: a abordagem Reggio Emilia na educação da primeira infância. Porto Alegre: Artmed. 1999. p.56-104.

Pasqualini, J.C. O papel do professor e do ensino na educação infantil: a perspectiva de Vygotsky, Leontiev e Elkonin. In: Martins, L.M.; Duarte, N. (Org.). Formação de professores: limites contemporâneos e alternativas

necessárias. São Paulo: Cultura Acadêmica, 2010. p.161-191.

Raupp, M.D. Concepções de formação das educadoras de infância em Portugal e das professoras de educação infantil no Brasil: o discurso dos intelectuais (1995-2006). 2008. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2008.

Rocha, M.S.P.M.L. O real e o imaginário no faz-de-conta: questões sobre o brincar no contexto da pré-escola. In: Góes, M.C.R.; Smolka, A.L.B. (Org.). A significação nos espaços educacionais: interação social e subjetivação. Campinas: Papirus, 1997. p.63-86.

Smolka, A.L.B. Estatuto de sujeito, desenvolvimento humano e teorização sobre a criança. In: Freitas, M.C.; Kuhlmann Júnior, M. (Org.). Os intelectuais na história da infância. São Paulo: Cortez, 2002. p.99-127.

Stemmer, M.R.G.S. Educação infantil e pós-modernismo: a abordagem Reggio Emília. 2006. Tese (Doutorado em Educação) - Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2006.

Veiga, C.G. Infância e modernidade: ações, saberes e sujeitos. In: Faria Filho, L.M. (Org.). A infância e sua educação: materiais, práticas e representações (Portugal e Brasil). Belo Horizonte: Autêntica, 2004. p.35-82.

Vygotsky, L.S. A formação social da mente: o desenvolvimento dos processos psicológicos superiores. 7.ed. São Paulo: Martins Fontes, 2008.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0870v17n2a1004

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista de Educação PUC-Campinas

ISSNe 2318-0870 (eletrônico)
ISSN 1519-3993 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.