Igreja e Estado em contextos de (des)secularização: a trajetória de um debate

João Miguel Teixeira Godoy, Ana Rosa Cloclet Silva

Resumo


O avanço nas pesquisas no campo dos estudos sobre a sociedade e as religiões, especificamente, obedece a algumas variáveis além daquelas esperadas e inerentes ao processo de pesquisa em geral. Ele exige um diálogo recorrente com a tradição e com o saber acumulado na perspectiva de superação, mas, também, incorporação das contribuições e problemáticas. Além disso, beneficia-se igualmente da abertura para os vários domínios do saber que exploram as dimensões da realidade sem, contudo, ignorar o peso dos condicionamentos sociais sobre o próprio conhecimento, bem como as demandas advindas da sociedade e da dinâmica do acontecer humano.

Texto completo:

PDF

Referências


BOURDIEU, P. Gênese e estrutura do campo religioso. In: BOURDIEU, P. A economia das trocas simbólicas. São Paulo: Perspectiva, 1999. p.27-70.

CARVALHO, J.J. Antropologia e esoterismo: dois contra discursos da modernidade. Horizontes Antropológicos, ano 4, n.8, p.53-71, 1998.

DI STEFANO, R. Modernidad religiosa y secularización en la Argentina del siglo XIX. In: MARANHÃO F.; ALBUQUERQUE,

E.M. (Org.). Política, religião e diversidades: educação e espaço público. Florianópolis: ABHR/Fogo Editorial, 2018. v.1, p.133-147. Disponível em: . Acesso em: 15/11/2019.

DOSSE, F. A história à prova do tempo: da história em migalhas ao resgate do sentido. São Paulo: Unesp, 2001.

FERREIRA, A.C. O historiador sem tempo. In: FERREIRA, A.C.; BEZERRA, H.G.; LUCA, T.R. (Org.). O historiador e seu tempo. São Paulo: Unesp, 2008. p.11-26

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. Rio de Janeiro: Edições Graal, 1979.

HERRERA, S. Reconstrução do processo de formação e desenvolvimento da área de estudos da religião nas ciências

sociais brasileiras. 2004. 374f. Tese (Doutorado em Sociologia) – Universidade Federal do Rio Grande do Sul, Porto Alegre, 2004.

JULIA, D. A religião: história religiosa. In: LE GOFF, J.; NORA, P. (Org.). História: novas abordagens. Rio de Janeiro:

Francisco Alves, 1995. p.106-131.

KOLAKOWSKI, L. 1977. A revanche do Sagrado na cultura profana. Religião e Sociedade, n.1, p.153-62, 1977.

MAQUIAVEL, N. O Príncipe. São Paulo: Companhia das Letras, 2010. p.32.

MONTERO, P. Dilemas da secularização. Novos Estudos Cebrap, n.65, p.34-44, 2003.

ORO, A.P. Religiões populares e modernidade no Brasil. In: ALVES, S.; ORO, A. (Org.). Brasil & França: ensaios de Antropologia Social. Porto Alegre: EdUFRGS, 1992. p.95-102.

PIERUCCI, A.F. Reencantamento e dessecularização: a propósito do auto-engano em Sociologia da Religião. Novos Estudos Cebrap, n.49, p.99-117, 1997. http://dx.doi.org/10.24220/2447-6803v44e2019a4788

PRANDI, R. Religião paga, conversão e serviço. In: PIERUCCI, A.F.; PRANDI, R. A realidade social das religiões no Brasil. São Paulo: HUCITEC, 1996.

PRANDI, R.; SANTOS, R.W. Mudança religiosa e sociedade secularizada: o Brasil 50 anos após o Concílio Vaticano

II. Contemporânea, v.5, n.2, p.351-379, 2015.

SANCHIS, P. Desencanto e formas contemporâneas do religioso. In: SANCHIS, P. Religião, cultura e identidades.Petrópolis: Vozes, 2018. p.66-82.

SCHWARZ, R. Nacional por subtração. In: SCHWARZ, R. Que horas são? São Paulo: Companhia das Letras, 1987.p.29-48.




DOI: https://doi.org/10.24220/2447-6803v44e2019a4788

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Bases de datos e repositórios

 


Reflexão

ISSNe 2447-6803 (eletrônico)

ISSN 0102-0269 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.