Políticas de preservação e desenvolvimento urbano no Brasil: dicotomias e similaridades conceituais

Otto Ribas, Maria do Carmo de Lima Bezerra

Resumo


O artigo procede à análise das lógicas que estruturam o domínio das ações de preservação e desenvolvimento urbano, apresentando um conjunto de polaridades que devem ser compreendidas para alcance de uma gestão urbana que integre as diversas dimensões do espaço urbano. Discute o necessário envolvimento da população na definição de estratégias de preservação, como forma de contrapor interesses individuais e coletivos presentes nas definições de prioridades de uso e ocupação do espaço. Conclui pelo necessário avanço de marcos legais da política urbana no sentido de que a preservação, seja cultural ou ambiental, passe a constituir uma dimensão assegurada do espaço, assim como hoje ocorre com as dimensões econômica e social da cidade.

Palavras-chave: Brasil. Patrimônio. Planejamento urbano. Preservação. Sustentabilidade.


Palavras-chave


Brasil. Patrimônio. Planejamento urbano. Preservação. Sustentabilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


BEZERRA, M.C.; BURSZTYN, M. (Org.). Ciência e tecnologia

para o desenvolvimento sustentável: subsídios a

Agenda 21 brasileira. Brasília: IBAMA, 2000.

RIBAS, O. A sustentabilidade das cidades: os instrumentos

da gestão urbana e a construção da qualidade

urbana. 2003. Tese (Doutorado) — Universidade de

Brasília, Brasília, 2003.

RIBAS, O.; BEZERRA, M.C. Sobre as lógicas que fundamentam

a promoção do desenvolvimento urbano e a

preservação do patrimônio histórico cultural. Brasília:

Instituto dos Arquitetos do Brasil, 2005.

SCHLEE, A.R. A preservação do moderno: o caso de Brasília.

In: PESSOA, J. et al. (Org). Moderno e nacional.

Rio de Janeiro: EDUFF, 2006.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v0n15a888

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.