Alienação via mobilidade

Silke Kapp

Resumo


A mobilidade é um atributo da sociedade moderna que tem sido celebrado nos campos da arquitetura, do urbanismo e do planejamento urbano há um século. Este artigo examina o ideal da mobilidade à luz da possibilidade de uma autonomia coletiva dos habitantes urbanos na produção do espaço, sobretudo em escala local e microlocal. Para isso, são retomadas algumas discussões da segunda metade do século XX, tais como o estudo de Thompson sobre a transformação do tempo vivido em tempo abstrato, a crítica da mobilidade abstrata pelos situacionistas e a crítica dessa crítica por Guy Debord, Henri Lefebvre e outros. Retomar essas discussões permite compreender a mobilidade dialeticamente, isto é, como constitutiva, também, de uma forma de alienação.

 

Palavras-chave: Alienação. Espaço abstrato. Internacional situacionista. Mobilidade.


Palavras-chave


Alienação. Espaço abstrato. Internacional situacionista. Mobilidade.

Texto completo:

PDF

Referências


ADORNO, T. Minima moralia: reflexões a partir da vida

danificada. São Paulo: Ática, 1992.

CONSTANT, N. Nueva babilonia. In: ULRICH, C. Programas

y manifiestos de la arquitectura del siglo XX. Barcelona:

Lumen, 1973.

DEBORD, G. A sociedade do espetáculo. 1967. Disponí-

vel em: .

Acesso em: 18 fev. 2012.

DEBORD, G. Teoria da deriva. In: JAQUES, P.B. (Org.).

Apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade.

Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003. p.87-91.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA.

Censo 2010. Rio de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível

em: .

INTERNACIONAL Situacionista. Relatório sobre a

construção de situações e sobre as condições de organização

e de ação da tendência situacionista internacional.

In: JAQUES, P.B. (Org.). Apologia da deriva: escritos

situacionistas sobre a cidade. Rio de Janeiro: Casa da

Palavra, 2003a. p.43-59.

INTERNACIONAL Situacionista. Urbanismo unitário

no fim dos anos 1950. In: JAQUES, P.B. (Org.). Apologia

da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade. Rio de

Janeiro: Casa da Palavra, 2003b. p.100-105.

JAQUES, P.B. Apresentação. In: JAQUES, P.B. (Org.).

Apologia da deriva: escritos situacionistas sobre a cidade.

Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2003. p.13-15.

JACOBS, J. Morte e vida das grandes cidades. São Paulo:

Martins Fontes, 2003.

LEFEBVRE, H. The survival of capitalism: reproduction

of the relations of production. London: Allison

& Busby, 1976.

LEFEBVRE, H. The production of space. Oxford: Blackwell,

LEFEBVRE, H. Henri Lefebvre on the situationist international:

interview by Kristin Ross. 1997. Available

from: <http://www.notbored.org/lefebvre-interview.

html>. Cited: 10 Sept. 2011.

MAQUIAVEL, N. Discorsi sopra la prima deca di Tito

Livio. 1532. Disponibile in: .

Accesso: 19 fev. 2012.

MAQUIAVEL, N. O príncipe. São Paulo: Martins Fontes,

NAJEMY, J.M.A history of Florence: 1200-1575. Oxford:

Blackwell, 2006.

SYNGE, J.M. Plays, poems, and prose. London: Everyman,

TAYLOR, N. Urban planning theory since 1945. London:

Sage, 1998.

THOMPSON, E.P. Time, work-discipline, and industrial

capitalism. Past and Present, n.38, p.56-97, 1967.

WIGLEY, M. Constant’s new babylon: the hyper-architecture

of desire. Rotterdam: 010 Publishers, 1998.

YOUNG, M.; WILLMOT, P. Family and kinship in East

London. Los Angeles: University of California, 1992.

Oculum_miolo_n15_final.indd 40 10/18/12 4:58 PM

ALIENAÇÃO VIA MOBIL




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v0n15a882

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.