Espaços públicos da metrópole contemporânea: reflexões sobre o caso de Campinas

Marina de Camargo Assumpção Gontijo, Eugenio Fernandes Queiroga

Resumo


O presente artigo trata de uma velha questão – a esfera pública e seus espaços – diante de uma nova realidade – a metrópole contemporânea. Existe um contexto espacial novo, há heranças da formação socioespacial brasileira, inclusive quanto ao que se pode chamar de público no país; há restrições, mas, também, futuro... projete-se. Apresenta-se como lugar concreto das reflexões a metrópole de Campinas, sem dúvida um dos territórios mais representativos do que se pode chamar “metrópole contemporânea” no Brasil. A partir de
breves notas sobre a urbanização e metropolização campineiras, constitui-se um quadro de esferas de vida dessa metrópole nova onde não se observa um inexorável “declínio do homem público”, mas sim metamorfoses das esferas privada e pública. Aponta-se, por fim, para algumas questões de projeto e plano envolvendo espacialidades contemporâneas da vida pública.
PALAVRAS-CHAVE: esfera pública, espaço público, pracialidade, metrópole contemporânea.

Palavras-chave


esfera pública, espaço público, pracialidade, metrópole contemporânea.

Texto completo:

PDF

Referências


BADARÓ, R. Campinas: o despontar da modernidade.

Campinas: Área de Publicações CMU/Unicamp,

CALDEIRA, T. P. do R. Enclaves fortificados: a nova

segregação urbana em São Paulo. Novos Estudos

Cebrap, n.47, p.155-76, mar. 1997.

EMBRAPA/NESUR-IE-UNICAMP. Região Metropolitana

de Campinas – Cenário Físico Territorial –

Campinas: Embrapa/ Nesur-IE-Unicamp,

Carta em escala 1:50.000.

FRUGOLI JUNIOR, H. São Paulo: espaços públicos e

interação social. São Paulo: Marco Zero, Sesc, 1995.

GONTIJO, M. Praças com feiras: suas conseqüências

para a vida urbana e seus lugares. Campinas, 2005.

Dissertação (Mestrado em Urbanismo) – Programa

de Pós-Graduação em Arquitetura e Urbanismo,

Pontifícia Universidade Católica de Campinas.

HABERMAS, J. Mudança estrutural da esfera pública:

investigações quanto a uma categoria da sociedade

burguesa. Trad. Flávio Kothe. Rio de Janeiro:

Tempo Brasileiro, 1984.

JACOBS, J. Morte e vida de grandes cidades. Trad. Carlos

Rosa. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

LIMA, S. Os jardins de Campinas: o surgimento de uma

nova cidade (1850-1935). Campinas, 2000. Dissertação

(Mestrado em Urbanismo) – Faculdade de

Arquitetura e Urbanismo, Pontifícia Universidade

Católica de Campinas.

QUEIROGA, E. A megalópole e a praça: o espaço entre a

razão de dominação e a ação comunicativa. São

Paulo, 2001. Tese (Doutorado em Arquitetura e

Urbanismo) – Faculdade de Arquitetura e Urbanismo,

Universidade de São Paulo.

_______. Praças e pracialidades em design: da visualidade

da paisagem à visibilidade dos lugares. In: I

SEMINÁRIO DE SEMIÓTICA APLICADA AO

DESIGN. Anais... Rio de Janeiro: PUC-Rio. 2003.

(CD-ROM)

SANTOS, C. N. F.; VOGEL, A.; MELLO, M. S. (Org.)

Quando a rua vira casa: a apropriações de espaços de

uso coletivo em um centro de bairro. São Paulo:

Projeto, 1985.

SANTOS, M. A natureza do espaço: técnica e tempo,

razão e emoção. São Paulo: Hucitec, 1996.

SENNET, R. O declínio do homem público: as tiranias da

intimidade. Trad. Ligia Watanabe. São Paulo: Companhia

das Letras, 1988.

SOJA, E. O desenvolvimento metropolitano pós-moderno

nos EUA: virando Los Angeles pelo avesso.

In: SANTOS, M.; SOUZA, M. A. (Org.) Território:

globalização e fragmentação. São Paulo: ANPUR,

Hucitec, 1994.

SOLÀ-MORALES, M. de. Ações estratégicas de reforço

do centro. In: VV.AA. Os centros das metrópoles:

reflexões e propostas para a cidade democrática do

século XXI. São Paulo: Terceiro Nome, Viva o centro,

Imprensa Oficial do Estado, 2001.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.