Uma contribuição ao tratamento de riscos em urbanização de assentamentos precários | A contribution to the treatment of risks in slums upgrading

Fernando Rocha Nogueira, Cláudia Francisca Escobar de Paiva

Resumo


Este artigo discute aspectos conceituais e históricos da gestão de riscos (de desastres) no Brasil, no sentido de contribuir para a qualificação do tratamento dos riscos em projetos de urbanização de favelas. Essa reflexão, que tem como desfecho a sugestão de indicadores para orientação dos projetos, fez parte de investigação desenvolvida com objetivo de identificar as características, alcances e limitações dos investimentos em urbanização de assentamentos precários efetuados com recursos do Programa de Aceleração do Crescimento na Região do ABC Paulista.


Palavras-chave


Gestão de riscos de desastres. Riscos em assentamentos precários. Urbanização de favelas.

Texto completo:

PDF

Referências


ALHEIROS, M.M. (Coord.). Manual de ocupação de morros da região metropolitana de Recife. Recife: Programa Viva o Morro, 2003. p.147. CD-ROM.

ALVES, H.P.F. Vulnerabilidade socioambiental na metrópole paulistana: uma análise sociodemográfica das situações de sobreposição espacial de problemas e riscos sociais e ambientais. Revista Brasileira de Estudos Populacionais, v.23, n.1, p.43-59, 2006.

BALBIM, R. et al. Metodologia de avaliação de resultados: o caso das intervenções do PAC Urbanização de Favelas. Brasília: IPEA, 2013. Texto para discussão 1903.

BONDUKI, N. Origens da habitação social no Brasil. São Paulo: Estação Liberdade, 1998.

BRASIL. Ministério das Cidades. Matriz de indicadores para avaliação da pós-ocupação dos projetos-piloto de investimento intervenção em favelas. Brasília: Ministério das Cidades, 2006.

BRASIL. Ministério das Cidades. Política habitacional e a integração de assentamentos precários: parametros conceituais, técnicos e metodológicos. Brasília: Ministério das Cidades, 2008.

BUENO, L.M.M. Projeto e favela: metodologia para projetos de urbanização. 2000. 362 f. Tese

(Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) — Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000.

CALDERÓN, A.I.; SEGURA, D.S.B. Riscos socioambientais: a complexidade do caso paulistano. Debates socioambientais, n.4, p.3-5, 1996.

CARDONA, O.D. Midiendo lo inmedible: indicadores de vulnerabilidad y riesgo. Ciudad de Panamá: La Red: Red de Estudios Sociales en Prevención de Desastres en América Latina, 2007. p.1-4. Disponible en: . Acceso en: 15 feb. 2018.

CARDOSO, A.L. Assentamentos precários no Brasil: discutindo conceitos. In: MORAIS, M.P. et al. (Ed.). Caracterização e tipologia de assentamentos precários: estudos de caso brasileiros. Brasília: Ipea, 2016. p.29-52.

CARVALHO, C.S. et al. (Org.). Mapeamento de riscos em encostas e margem de rios. Brasília: Ministério das Cidades, 2007.

CERRI, L.E.S.; CARVALHO, C.S. Hierarquização de situações de risco em favelas do município de São Paulo, Brasil: critérios e metodologia. In: SIMPOSIO LATINO-AMERICANO SOBRE RISCO GEOLOGICO URBANO, 1., 1990, São Paulo. Anais... São Paulo: ABGE, 1990, p.150-57.

CERRI, L.E.S. et al. Mapeamento de riscos em assentamentos precários no Município de São Paulo (SP). Geociências, v.26, n.2, p.143-150, 2007.

CONSÓRCIO INTERMUNICIPAL GRANDE ABC. Diagnóstico habitacional regional do ABC. São Bernardo do Campo: UFABC, 2016. Relatório.

CUTTER, S.L. A ciência da vulnerabilidade: modelos, métodos e indicadores. Revista Crítica de Ciências Sociais, n.93, p.59-69, 2011.

DENALDI, R. et al. Urbanização de favelas na Região do ABC no âmbito do Programa de Aceleração do Crescimento-Urbanização de Assentamentos Precários. Caderno da Metrópole, v.18, n.35, p.101-118, 2016.

DUTRA. R.C. Indicadores de vulnerabilidade no contexto da habitação precária em área de encosta sujeita a deslizamento. 2011. 172 f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) — Universidade Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2011.

FARAH, F. Habitação e encostas. 1998. 246 f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) — Universidade de São Paulo, São Paulo, 1998.

IWASA, O.Y. et al. Vulnerabilidade da ocupação em setores de risco a movimentos gravitacionais de massa e inundação no Município de Luis Alves, Santa Catarina. In: CONGRESSO BRASILEIRO DE GEOLOGIA DE ENGENHARIA E AMBIENTAL, 14., 2013, Rio de Janeiro. Anais.... São Paulo: ABGE, 2013, p.1-15.

MANDAI, P.R. Avaliação da aptidão à urbanização com uso de Inferência Fuzzy em dados geomorfométricos: subsídios para o planejamento territorial em torno do anel viário do Distrito Federal. 2012. 206 f. Dissertação (Mestrado em Geoprocessamento e Analise Ambiental) — Universidade de Brasília, Brasília, 2012.

MONTANER, J.M. et al. Instrumentos de avaliação de projetos. In: FRANÇA, E.; COSTA, K.P. (Org.). Do plano ao projeto: novos bairros e habitação social em São Paulo. São Paulo: Prefeitura de São Paulo, 2012. (Coleção Política Municipal de Habitação: uma construção coletiva, v.2).

MORETTI, R.S. et al. Urbanização de assentamentos precários no âmbito do Programa de Aceleração do Crescimento na Região do ABC. Brasília: CNPq, 2015. Relatório Final de Pesquisa.

NOGUEIRA, F.R. Gerenciamento de riscos ambientais associados a escorregamentos: contribuição às políticas públicas municipais para áreas de ocupação subnormal. 2002. 268 f. Tese (Doutorado em Geociências e Meio Ambiente) — Universidade Estadual Paulista, Rio Claro, 2002.

PEREZ, L.P. Índice de vulnerabilidade urbana a alagamentos e deslizamentos de terra em função de eventos extremos de clima na região metropolitana de São Paulo: uma proposta de método. 2013. 115f. Tese (Doutorado em Geografia) — Universidade de São Paulo, São Paulo, 2013.

ROLNIK, R. O sonho possível do povo oprimido nas vilas, filas, favelas. Diálogos e debates da Escola Paulista de Magistratura, n.1, ed.5, p.58-61, 2001.

SILVEIRA, L.R.M. Ocupação de Encostas: dinâmica urbana, modos de vida e cultura do habitar. In: PEREIRA, F.O.R Características da habitação de interesse social na região de Florianópolis. Florianópolis: UFSC, 2000. Relatório Final de Projeto de Pesquisa. CD-Rom.

WILCHES-CHAUX,G. La vulnerabilidad global. In: MASKREY, A. (Comp.) Los desastres no son naturales. Bogotá: Tercer Mundo Editores, 1993. p.9-50. Disponible en: . Acceso en: 15 feb. 2018.

ZUQUIM, M.L. et al. Remanescência da ilegalidade, da irregularidade, da precariedade e dos riscos pós-urbanização de favelas. In: SEMINÁRIO NACIONAL SOBRE URBANIZAÇÃO DE FAVELAS, 2., 2016, Rio de Janeiro. Anais... Rio de Janeiro: IIPUR-UFRJ, 2016. p.1-15.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v15n3a4182

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.