A extinta pureza: a igreja da Pampulha e as capelas de Ouro Preto (Brasil) | The extinct purity: The church of Pampulha and the chapels of Ouro Preto (Brazil)

Alexandre Benoit, Rafael Urano Frajndlich

Resumo


A Igreja da Pampulha, feita em Belo Horizonte em 1943, por Oscar Niemeyer, e reconhecida como marco das vanguardas arquitetonicas brasileiras. Seu programa religioso colocava‑se como desafio para o arquiteto, pelo primado de simbolos e significados que remontavam ao passado colonial das catedrais e capelas valorizadas pelos intelectuais modernistas, como Drummond de Andrade, Lucio Costa, Mario de Andrade. Entre os anos 1920 e 1930, e intenso o debate intelectual acerca da heranca do barroco mineiro como portadora de uma forca de atualizacao do presente que sintetizaria modernidade e identidade nacional. As capelas e arquiteturas de autoria nao definida sao contrapostas as monumentais criacoes de artifices notaveis, como Aleijadinho. Niemeyer nao era alheio a este debate sobre como o passado colonial seria referenciado nas obras de vanguarda, preferindo na sua igreja construir correspondencias tipologicas com as capelas de Ouro Preto e arredores construidas no seculo XVIII, problematizando, na arquitetura, questoes da ordem do dia dos modernistas, no que tange a relacao com o passado no presente.


Palavras-chave


Arquitetura moderna. Igreja da Pampulha. Oscar Niemeyer.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE, C.D. Poesia completa. Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 2002.

ANDRADE, F. Uma poética da técnica: a produção da arquitetura vernacular no Brasil. 2016. 364f. Tese (Doutorado em História) — Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2016.

ANDRADE, M. O Aleijadinho e Alvares de Azevedo. Rio de Janeiro: RA Editora, 1935. p.44.

ANDRADE, M. A capela de Santo Antônio. Revista do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, v.1, n.1, p.119‑125, 1937.

ANDRADE, M. A arte religiosa no Brasil. São Paulo: Experimento e Giordano, 1993. p.80‑84.

ARQUIVO PÚBLICO DA CIDADE DE BELO HORIZONTE. A Pampulha no Acervo Fazendário do Arquivo Público da Cidade de Belo Horizonte, 1936‑1947. Belo Horizonte: APCBH, 2005. p.53.

AURELI, P.V.; EISENMAN, P. A project is a lifelong thing: If you see it, you will only see it at the end. Log, n.28, p.67‑78, 2013.

BANDEIRA, M. Da Vila Rica de Albuquerque a Ouro Preto dos estudantes. O Jornal, número especial do Estado de Minas Geraes, 1929.

BANDEIRA, M. Guia de Ouro Preto. Rio de Janeiro: Ministério da Educação e Saúde, 1938.

BANDEIRA, M. [Correspondência]. Destinatário: Cândido Portinari. Rio de Janeiro, 23 de setembro de 1949. 1 carta. Disponível em: . Acesso em: 23 jan. 2017.

BASTOS, R. A maravilhosa fábrica de virtudes: o decoro na arquitetura religiosa de Vila Rica, Minas Gerais. São Paulo: Edusp, 2013.

BONEMY, H. Guardiães da razão: modernistas mineiros. Rio de Janeiro: UFRJ, 1994. p.64.

COMAS, C.E. Precisões brasileiras: sobra um estado passado da arquitetura e urbanismo modernos, a partir dos projetos e obras de Lúcio Costa, Oscar Niemeyer, M.M.M. Roberto, Affonso Reidy, Jorge Moreira & Cia., 1936‑1945. 2002. 335f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) — Université de Paris, Paris, 2002, f.81‑235.

COSTA, L. Documentação necessária. Revista do Serviço do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, v.1, n.1, p.31‑39, 1937.

COSTA, L. O Aleijadinho e a arquitetura tradicional. O Jornal, número especial do Estado de Minas Geraes, 1929.

DELEUZE, G. A dobra: Leibniz e o barroco. Campinas: Papirus, 2016, p.214.

DRUMMOND DE ANDRADE, C. Viagem de Sabará. O Jornal, número especial do Estado de Minas Geraes,1929.

FERRAZ, E. O poeta vê a cidade. Revista Poesia Sempre, n.16, p.22‑35, 2002.

FROTA, L. Carlos e Mário: correspondência completa. Rio de Janeiro: Bem‑Te‑Vi, 2002, p. 338‑343.

GRAMMONT, G. Aleijadinho e o aeroplano: o paraíso barroco e a construção do herói colonial. Rio de Janeiro: Civilização Brasileira, 2008. p.155.

INSTITUTO ESTADUAL DO PATRIMÔNIO HISTÓRICO E ARTÍSTICO DE MINAS GERAIS. Conjunto arquitetônico e paisagístico da Pampulha: processo de avaliação e tombamento. Belo Horizonte: IEPHA, c2015.

LE CORBUSIER. Precisões. São Paulo: Cosac & Naify, 2004, p.211‑225.

LEONÍDIO, O. Carradas de razões: Lucio Costa e a arquitetura moderna brasileira (1924‑1951). Rio de Janeiro: PUC‑Rio, 2007, p.51‑218.

LEONÍDIO, O. Lucio Costa: palavra definitiva. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO

NACIONAL DE PESQUISA E PÓS‑GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO, 1., 2010, Rio de Janeiro. Anais [...]. [S.l.]: ANPARQ, 2010.

LIERNUR, J.F.; PSCHEPIURCA, P. La red austral: obras y proyectos de Le Corbusier y sus discípulos en Argentina 1924‑1965. Bernal: Universidad Nacional de Quilmes, 2012.

LIMA, K.T. Ouro Preto: da cidade‑memória à cidade monumento (1897‑1937). 2015. 243f. Tese (Doutorado em História) — Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2015.

MACEDO, D. A matéria da invenção: criação e construção das obras de Oscar Niemeyer em Minas Gerais 1938‑1954. 2002. 532f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura) — Universidade Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 2002. f.153‑260.

MACHADO, L.G. Barroco mineiro. São Paulo: Perspectiva, 1969.

MIRANDA, S.M. A arquitetura da capela mineira nos séculos XVIII e XIX. 2003. 195f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) — Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003. f.43‑183.

MORAES, M.A. Correspondência Mário de Andrade e Manuel Bandeira. São Paulo: Instituto de Estudos Brasileiros, 2001. p.372.

NAKAMUTA, A.S. Hannah Levy no SPHAN: história da arte e patrimônio. Rio de Janeiro: IPHAN, 2010.

NATAL, C.M. Mário de Andrade em Minas Gerais: em busca das origens históricas e artísticas da nação. História Social, n.13, p.193‑207, 2007.

NIEMEYER, O. Pampulha. Rio de Janeiro: Imprensa Nacional, 1944.

OCKMAN, J. From without utopia: Contextualizing Colin Rowe. Journal of the Society of Architectural Historians, v.57, n.4, p.448‑456, 1998.

PREFEITURA DE BELO HORIZONTE. Relatório do prefeito Juscelino Kubitschek Oliveira para o governador Benedicto Valladares Ribeiro. Belo Horizonte: Prefeitura de Belo Horizonte, 1942. p.50a.

RAMOS, N.M.M. Caracterização construtiva e patológica de igrejas e capelas no Concelho de Estarreja. 2008. 129f. Dissertação (Mestrado em Engenharia Civil) — Universidade de Aveiro, Aveiro, 2008.

ROWE, C. The mathematics of the Ideal Villa and other essays. Cambridge: The MIT Press, 1989. p.3.

SANTOS, P. Subsídios para o estudo da arquitetura religiosa em Ouro Preto. Rio de Janeiro: Kosmos, 1951. p.130‑157.

SCHLEE, A.R. Lucio Costa o senhor da memória. In: LEITÃO, F. (Org.). Brasília: 1960‑2010: passado, presente e futuro. Brasília: Governo do Distrito Federal, 2010. p.11‑16.

SCOTTÀ, L. Arquitetura religiosa de Oscar Niemeyer em Brasília. 2010. 170f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) — Universidade de Brasília, Brasília, 2010.

TAFURI, M. L’archeologia del presente. In: BIANCHINO, G. (Ed.). Il disegno di architettura. Parma: Centro di Studi e Archivio della Comunicazione, 1983. p.22‑29.

TAFURI, M. La esfera y el laberinto: vanguardias y arquitectura de Piranesi a los años setenta. Barcelona: Gustavo Gili, 1984. p.12‑24.

VALLE, M.A.A. Desenvolvimento da forma e procedimentos de projeto na arquitetura de Oscar

Niemeyer (1935‑1998). 2000. 325f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) — Universidade de São Paulo, São Paulo, 2000. f.156.

VASCONCELLOS, J.C. O racionalismo estrutural de Auguste Perret na arquitetura moderna

brasileira. In: ENCONTRO NACIONAL DA ASSOCIAÇÃO NACIONAL DE PESQUISA E PÓS‑GRADUAÇÃO EM ARQUITETURA E URBANISMO, 4., 2016, Porto Alegre. Anais [...]. Porto Alegre: UFRGS, 2016.

WISNIK, G. Plástica e anonimato: modernidade e tradição em Lúcio Costa e Mário de Andrade. Novos Estudos, n.79, p.69‑193, 2007.

XAVIER, A. Depoimento de uma geração. São Paulo: Abea, 1987. p.253.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v16n2a4129

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.