Como preservar ruínas? Um debate acerca de conceitos e abordagens para a conservação | How to preserve ruins? A debate about concepts and approaches for conservation

Laís Hanson Alberto Lima, Karin Schwabe Meneguetti, Helio Hirao

Resumo


Dentre os debates acerca da preservação dos monumentos, um dos menos consensuais e sobre ruinas. O conceito varia entre o estado de arruinamento das obras e a ruina como objeto consistente e tal conceituação dita o caminho para a intervenção que, quando aportada na leitura da ruina como processo a ser combatido, resulta em intervenções arquitetônicas em preexistências que tendem a mascarar os aspectos sublimes e pitorescos presentes. Este artigo pretende identificar um aporte teórico para a conservação da ruina como monumento. A metodologia para a compreensão do objeto e a argumentação logica, partindo de uma investigação nos preceitos e teorias do patrimônio, Cartas Patrimoniais e discussões atuais sobre como lidar com ruinas. Encarando‑a como monumento, dotada de aspectos e relações intrínsecas com a paisagem, identifica‑se a conservação dos monumentos aportada por teóricos, seus preceitos na Carta de Veneza (1964) e sua influência em abordagens mais atuais, a exemplo das Verdant Ruins, na Inglaterra.


Palavras-chave


Conservação. Ruinas. Verdant ruins.

Texto completo:

PDF

Referências


ASHURTS, J. Conservation of ruins. Londres: Elsevier, 2007.

BAETA, R.E.; NERY, J.C. Intervenções arquitetônicas contemporâneas em ruinas: valorização ou destruição? In: Encontro da Associação Nacional de Pesquisa e

Pós‑Graduação em Arquitetura e Urbanismo, 3., 2014, São Paulo. Anais [...]. São Paulo: ENANPARQ, 2014. p.20‑29.

BRANDI, C. Teoria da restauração. São Paulo: Ateliê Editorial, 2014. p.65‑68.

BOITO, C. Os restauradores. São Paulo: Ateliê Editorial, 2003. p.60.

BURKE, E. Uma investigação filosófica sobre a origem de nossas ideias do sublime e do belo. 2.ed. Campinas: Unicamp, 2013.

CABRAL, R.C. A noção de “ambiente” em Gustavo Giovanini e as leis de tutela do patrimônio cultural na Itália. 2013. 200f. Tese (Doutorado em Arquitetura e Urbanismo) — Universidade de São Paulo, São Carlos, 2013.

CARBONARA, G. Brandi e a restauração arquitetônica hoje. Desígnio, n.6, p.1‑19, 2006.

CHAVES, J.A.B. Estudo sobre espaços abandonados: documentar a ruina com as linguagens da imagem em movimento instalada. 2013. 62f. Dissertação (Mestrado em Arte Multimídia ‑ Audiovisuais) — Universidade de Lisboa, Lisboa, 2013. f.8‑10.

CHOAY, F. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Unesp, 2006.

DVORAK, M. Catecismo da preservação dos monumentos. São Paulo: Ateliê Editorial, 2015.

ESCRITORIO INTERNACIONAL DOS MUSEUS SOCIEDADE DAS NACOES. p.99-110.

Carta de Atenas. In: Congresso Internacional de Arquitetos e Técnicos de Monumentos Históricos, 1., 1931, Atenas. Anais [...]. Atenas: Escritório Internacional dos Museus Sociedade das Nações, 1931. Disponível em: . Acesso em: 14 jun. 2015.

FERRABY, S. The ecology of ruin sites. In: ASHURST, J. Conservation of ruins. Londres: Elsevier, 2007. p.194‑211.

FORTUNA, C. Georg Simmel: as cidades, a ruina e as novíssimas metrópoles. Philosophica, n.42, p.107‑123, 2013.

HETZLER, F.M. Causality: Ruin time and ruins. Leonardo, v.21, n.1, p.51‑55, 1988.

INSTITUTO DO PATRIMONIO HISTORICO E ARTISTICO NACIONAL. Paisagem cultural. Brasília: IPHAN, 2009. p.13.

INTERNATIONAL COUNCIL ON MONUMENTS AND SITES. Carta de Veneza. In: Congresso Internacional de Arquitetos e Técnicos dos Monumentos Históricos, 2., 1964, Veneza. Anais [...]. Veneza: ICOMOS, 1964. Disponível em: <http://portal.

iphan.gov.br/uploads/ckfinder/arquivos/Carta%20de%20Veneza%201964.pdf>. Acesso em: 14 jun. 2015.

KUHL, B.M. Arquitetura do ferro e Arquitetura ferroviária em São Paulo: reflexões sobre a sua preservação. Cotia: Ateliê Editorial, 1998. p.182

KUHL, B.M. Quatremere de Quincy e os verbetes restauração, restaurar, restituição, ruina de sua Encyclopedie methodique: Architeture. Rotunda, n.2 p.100‑117, 2003.

KUHL, B.M. Gustavo Giovannoni: textos escolhidos. São Paulo: Artes e Ofícios, 2013.

MADERUELO, J. Paisaje: un termino artístico. In: BULHOES, M.A.; KERN, L.B. (Org.). Paisagem: desdobramentos e perspectivas contemporâneas. Porto Alegre: UFRGS, 2010. p.13‑34.

MENEGUELLO, C. Da construção das ruinas: fragmentos e criação do passado histórico. In: Simpósio Nacional de História, 22., Joao Pessoa, 2003. Anais [...]. Joao Pessoa: ANPUH, 2003.

MENEGUETTI, K.S. Cidade jardim, cidade sustentável: a estrutura ecológica urbana e a cidade de Maringa. Maringa: EdUEM, 2009.

NIESZCZERZEWSKA, M. Derelict architecture: Aesthetics of an unaesthetic space. Argument: Biannual Pholosophical Journal, v.5, n.2, p.387‑397, 2015.

PIMENTEL, L.K. Ruinas: imagem estática ou memória viva? 2005. 143f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) — Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2005. f.31.

PONTES, A.M.L. Entre fragmentos: os ditos e não‑ditos das ruinas patrimoniais. 2010. 182f. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo) — Universidade Federal da Paraíba, Joao Pessoa, 2010. f.104.

RIBEIRO, R.W. Paisagem cultural e patrimônio. Rio de Janeiro: IPHAN/COPEDOC, 2007.

RIEGL, A. O culto moderno dos monumentos: a sua essência e a sua origem. São Paulo: Perspectiva, 2014. p.51‑71.

RUFINONI, M.R. Preservação e restauro urbano: teoria e pratica de intervenções em sítios industriais de interesse cultural. São Paulo. 2009. 347f. Tese (Doutorado em História e Fundamentos da Arquitetura e Urbanismo) — Universidade de São Paulo, São Paulo, 2009. f.46.

RUSKIN, J. Las siete lamparas de la Arquitectura. Buenos Aires: Libreria El Ateneo, 1956.

RUSKIN, J. A lâmpada da memória. Cotia: Ateliê Editorial, 2008. p.17.

SAUER, C.O. A morfologia da paisagem. In: CORREA, R.L.; ROSENDAHL, Z. (Org.). Paisagem, tempo e cultura. Rio de Janeiro: EdUERJ, 1998.

SCHOOF, S. Preservation without restoration: The case for ruins. 2011. 80f. Thesis (Master of Science in Historic Preservation) — Roger Williams University, Bristol, 2011. f.3.

SIMMEL, G. Two essays: The handle, and the ruin. Hudson Review, v.11, n.3, p.371‑385, 1958.

SPIRITO, G. Le rovine come possibilita poética per l’architettura contemporânea. DC: Revista de Critica y Teoria de la Arquitectura, v.11, n.24, p.81‑90, 2012.

WHITE, A. Interpretation and display of ruins and sites. In: ASHURST, J. Conservation of ruins. Londres: Elsevier, 2007. p.246‑263.

ZUMTHOR, P. Atmosferas: entornos arquitetônicos: as coisas que me rodeiam. Barcelona: Gustavo Gilli, 2009.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v16n1a3966

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.