A cultura industrial como herança: questões sobre o reconhecimento de um patrimônio da industrialização “tardia” no Brasil

Eduardo Romero Oliveira

Resumo


O objetivo deste artigo e refletir sobre a natureza do patrimônio industrial no Brasil, pois defendemos que sua identificação será muito facilitada por investigações histórico‑arqueológicas rigorosas e atentas ao contexto da industrialização no Brasil. Para o desenvolvimento desta argumentação, cabe primeiramente uma pequena revisão crítica sobre quais os exemplos de bens industriais já protegidos no âmbito nacional. Em seguida, algumas considerações sobre a natureza de núcleos industriais no Brasil e implicações a sua proteção e, por fim, concluímos sobre as perspectivas sobre o reconhecimento de proteção do patrimônio industrial. Assim, nosso artigo contribui ao reiterar o valor histórico do patrimônio industrial no Brasil, desde que ele represente vestígios de uma industrialização, de suas particularidades na instauração de uma sociedade industrial e suas peculiaridades socioeconômicas, culturais e tecnológicas.

PALAVRAS-CHAVE: Arqueologia industrial. Brasil. Industrialização. Núcleos industriais. Patrimônio industrial.


Palavras-chave


Arqueologia industrial. Brasil. Industrialização. Núcleos industriais. Patrimônio industrial.

Texto completo:

PDF

Referências


BARBEDO, M.F. Carajás: trabalho e vida na cidade da floresta: um estudo sobre representações

sociais da empresa em uma company‑town. 2000. Dissertação (Mestrado em Psicologia) — Instituto

de Psicologia, Universidade de São Paulo, 2000.

BARROS, T.; GHOUBAR, K.; MAUTNER, Y. Brasil, suas fábricas e vilas operárias. Pós: Revista do

Programa de Pós‑Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP, n.20, p.10‑32, 2006.

BERGERON, L. L’impact de la modernisation économique et le patrimoine industriel. In: OERS,

R. Van; HARAGUCHIC, S. Identification and documentation of modern heritage. Paris: UNESCO,

, p.17‑22.

CAMPAGNOL, G. Usinas de açúcar: habitação e patrimônio industrial. 2008. Tese (Doutorado em

Arquitetura e Urbanismo) — Universidade de São Paulo, São Carlos, 2008.

CAMPOS, Z.V. Doce amargo: produtores de açúcar no processo de mudança (Pernambuco,

‑1941). São Paulo: Annablume, 2001.

CANO, W. Raízes da concentração industrial em São Paulo. São Paulo: Hucitec, 1990.

CARVALHO, J.M. Prefácio à 3ª edição. In: FRANCO, A.A.M. Desenvolvimento da civilização

material no Brasil. Rio de Janeiro: Topbooks, 2005, p.9‑16.

CHOAY, F. Alegoria do patrimônio. São Paulo: UNESP, 2000.

CORDEIRO, J.L. Algumas questões para a salvaguarda do patrimônio industrial. In: Seminário

Nacional de História e Energia. 1., 1987, São Paulo. Anais… São Paulo: Eletropaulo,

Departamento de Patrimônio Histórico, 1987, p.65‑66.

CORREIA, T. B. O modernismo e o núcleo fabril: o plano da cidade operária da FNM de Attilio Correa

Lima. In: Seminário Docomomo Brasil, 3., 1999, São Paulo. Seminário Docomomo Brasil,

, 1999. São Paulo. Anais… São Paulo: Docomomo, 1999. Disponível em: <http://www.docomomo.

org.br/seminario%203%20pdfs/subtema_A1F/Telma_correia.pdf>. Acesso em: 22 mar. 2013.

CORREIA, T.B. O modernismo e o núcleo fabril: o anteprojeto de Lúcio Costa para Monlevade.

Pós: Revista do Programa de Pós‑Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP, v.1, n.14,

p.80‑93, 2003.

CORREIA, T.B. Núcleos fabris e de mineração no Brasil: as experiências pioneiras (1811‑1880).

Risco: Revista de Pesquisa em Arquitetura e Urbanismo, v.3, n.2, p.15‑42, 2006.

CORREIA, T.B. A noção de adaptabilidade ao meio no discurso modernista. Pós: Revista do Programa

de Pós‑Graduação em Arquitetura e Urbanismo da FAUUSP, n.25, p.134‑150, 2009.

COSTA, H.; MONTE‑MÓR, R.L.M. Ocupação do território e estrutura urbana. In: COSTA,

H.S.M et al. (Org.). A expansão metropolitana de Belo Horizonte: dinâmica e especificidades no Eixo

Sul. Belo Horizonte: Editora C/Arte, 2006. p.91‑154.

COUSONS, N. The BP book of industrial archaeology. Birmingham: David & Charles, 1993.

DEZEN‑KEMPTER, E. O lugar da indústria no patrimônio cultural. Labor & Engenho, v.5, n.1,

p.107‑125, 2011a.

DEZEN‑KEMPTER, E. O lugar do patrimônio industrial. 2011. Tese (Doutorado em História) —

Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2011b.

DRUMMOND, J.A.; PEREIRA, M.A.P. O Amapá nos tempos do Manganês: um estudo sobre o

desenvolvimento de um estado amazônico, 1943‑2000. Rio de Janeiro: Garamond, 2007.

EISENBERG, P. Modernização sem mudança: a indústria açucareira em Pernambuco (1840‑1910).

Rio de Janeiro: Paz e Terra, 1977.

EL‑KAREH, A. Filha branca de mãe preta: a Cia: estrada de Ferro D. Pedro II, 1855‑1865. Petrópolis:

Vozes, 1982.

FONSECA, M.L. O patrimônio em processo. 2 . ed. Rio de Janeiro: Editora UFRJ, 2005.

FRANCO, A.A.M. Desenvolvimento da civilização material no Brasil. Rio de Janeiro: Topbooks,

GAMA, R. Engenho e tecnologia. São Paulo: Livraria Duas Cidades, 1983.

GAMA, R. A Tecnologia e o trabalho na história. São Paulo: Nobel, 1987.

GAMA, R. Aspectos da arqueologia industrial no Brasil. In: Seminário Nacional de História

e Energia, 1988, São Paulo. Anais… São Paulo: Eletropaulo, 1988. v.2, p.253‑255.

GARNER, J. The Company town: Architecture and society in the early industrial age. New York:

Oxford University Press, 1992.

GIMENES, F.C. A cidade dos motores: três projetos. Dissertação (Mestrado em Arquitetura e Urbanismo)

— Universidade de São Paulo, São Carlos, 1998.

GODOY, M.M. No País das minas de ouro a paisagem vertia engenhos de cana e casas de negócio: um

estudo das atividades agroaçucareiras tradicionais mineiras, entre o setecentos e o novecentos, e

do complexo mercantil da província de Minas Gerais. São Paulo. Tese (Doutorado em História) —

Universidade de São Paulo, São Paulo, 2004.

GRUPO DE ESTUDOS DE HISTÓRIA DA TÉCNICA. Carta de Campinas: declaração do

GEHT em defesa das construções e instalações utilitárias. Campinas: GEHT, 1998. Disponível

em: . Acesso em: 23 fev. 2017.

GRUZINSKI, S. O pensamento mestiço. São Paulo: Companhia das Letras, 2001.

KÜHL, B. Preservação do patrimônio arquitetônico da industrialização. São Paulo: Ateliê Editorial,

LAMOUNIER, M. L. Ferrovias e mercado de trabalho no Brasil do Século XIX. São Paulo:

Edusp, 2012.

LASK, T. Ordem e progresso: a estrutura de poder na “cidade operária” da Companhia Siderúrgica

Nacional em Volta Redonda (1941‑1964). Dissertação (Mestrado em Antropologia) — Universidade

Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 1991.

LIBBY, D. C. Transformação e trabalho em uma economia escravista: Minas Gerais no Século XIX.

São Paulo: Brasiliense, 1988.

LIBBY, D. C. Notas sobre a produção têxtil Brasileira no final do Século XVIII: Novas evidências de

Minas Gerais. Estudos Econômicos, v.27, n.1, p.97‑125, 1997.

MARTIN, A.M. Produzir energia, (pro) mover o progresso: o complexo hidrelétrico Urubutinga e os

caminhos do setor energético. Assis, 2016. Tese (Doutorado em História) — Universidade Estadual

Paulista “Júlio de Mesquita Filho”, Assis, 2016.

MELLO, J.M.C. O capitalismo tardio. São Paulo: Brasiliense, 1982.

MENEGUELLO, C. The Industrial Heritage in Brazil and prospects for the Brazilian Committee for

the Conservation of Industrial Heritage. In: TICCIH Congress. Terni (Roma): TICCIH, 2006. Available

in: . Cited: Feb. 1, 2017.

MENEGUELLO, C. Patrimônio Industrial: memória, acervos e cidade. In: PAULA, Z.C. et al.

Polifonias do patrimônio. Londrina: EDUEL, 2012. p.91‑92.

MOREIRA, A.S. Liberdade tutelada: os africanos livres e as relações de trabalho na Fábrica de

Pólvora da Estrela, Serra da Estrela/RJ (c.1831‑c.1870). 2005. Dissertação (Mestrado em História)

— Universidade Estadual de Campinas, Campinas, 2005.

OLIVEIRA, E.R. Arquitetura Industrial, patrimônio industrial e sua difusão cultural. In: FUNARI,

P.P.A.; CAMPOS, J.B.; RODRIGUES, M.H.S.G. (Org.). Arqueologia pública e patrimônio: questões

atuais. Criciúma: UNESP, 2015. v.1, p.197‑226.

PALMER, M.; NEAVERSON, P. Industrial Archaeology: Principles and practice. Londres: Routledge,

PALMER, M.; NEVELL, M.; SISSONS, M. Industrial archaeology: A handbook. York: Council for

Britihs Archaeology, 2012.

PAZ, C.A. Culturas industriales y generación de identidades en el estadio proto‑industrial

(1870‑1920), In: ARECERS, M.A.A.; TARTARINI, J.D. Testimonios de la memoria del trabalho y la

producción. Gijon: INCUNA, 2008. p.93‑103.

PEREIRA, S.E.M. Sindicalismo e privatização: o caso da Companhia Siderúrgica Nacional. 2007.

Tese (Doutorado em Sociologia) — Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2007.

PIMENTA, S.M. A estratégia da gestão: fabricando aço e construindo homens. O caso da Companhia

Siderúrgica Nacional. 1989. Dissertação (Mestrado em Administração) — Universidade

Federal de Minas Gerais, Belo Horizonte, 1989.

POULOT, D. Uma história do patrimônio no ocidente. São Paulo: Estação Liberdade, 2009.

RIBEIRO, B.A. Vila Serra do Navio: comunidade urbana na selva amazônica: um projeto do arq.

Oswaldo Arthur Bratke. São Paulo: Pini, 1992.

RODRIGUES, A.R. Estudo do patrimônio industrial com uso fabril da cidade de São Paulo. 2011.

Dissertação (Mestrado Arquitetura e Urbanismo) — Universidade de São Paulo, São Paulo, 2011.

SANTOS, N.P. A fábrica de ferro São João de Ipanema: economia e política nas últimas décadas do

Segundo Reinado (1860‑1889). 2009. Dissertação (Mestrado em História Social) — Universidade

de São Paulo, São Paulo, 2009.

SHIKIDA, P.F.A. A evolução da agroindústria canavieira em Minas Gerais de 1705 a 1955. 1992.

Dissertação (Mestrado em Economia Agrária) — Universidade de São Paulo, Piracibaba, 1992.

SILVA, R.R.R; OLIVEIRA, E.R. Estação Mairinque: estudo do uso turístico de um patrimônio

industrial ferroviário. Arqueologia Industrial: 4ª série, v.6, n.1‑2, p.61‑77, 2016.

SOBRINO SIMAL, J. La arquitectura industrial en Espana. In: IBANEZ, M.P.B.; ALONSO,

G.J.C. 100 elementos de patrimonio industrial. Madrid: TICCIH‑Espana, 2011a.

SOBRINO SIMAL, J. Los paisajes históricos de la producción en Sevilla. Sevilla: Instituto Andaluz

de Patrimonio Histórico, Inédito, 2011b.

SUZIGAN, W. A industrialização brasileira: origem e desenvolvimento. São Paulo: Brasiliense, 1986.

THE INTERNATIONAL COMMITTEE FOR THE CONSERVATION OF THE INDUSTRIAL

HERITAGE. Carta de Nizhny Tagil. Nizhny Tagil: TICCIH, 2003. Disponível em: < http://ticcih.

org/wp‑content/uploads/2013/04/NTagilPortuguese.pdf >. Acesso em: 12 fev. 2017.

THE INTERNATIONAL COMMITTEE FOR THE CONSERVATION OF THE INDUSTRIAL

HERITAGE. Carta manifesto do Comitê Provisório do TICCIH no Brasil. Belo Horizonte: TICCIH,

Disponível em: <http://www.patrimonioindustrial.org.br/modules.php?name=Content&pa

=showpage&pid=5 >. Acesso em 20 fev. 2017.

THE INTERNATIONAL COMMITTEE FOR THE CONSERVATION OF THE INDUSTRIAL

HERITAGE; INTERNATIONAL COUNCIL ON MONUMENTS AND SITES. Dublin Principles.

Paris: ICOMOS, 2011. Available in: < http://www.icomos.org/Paris2011/GA2011_ICOMOS_

TICCIH_joint_principles_EN_FR_final_20120110.pdf>. Cited: Feb. 12, 2017.

TOSTES, J.A. et al. Serra do Navio: o mito da cidade no meio da selva. In: ENCONTRO DO

ANPPAS, 4., 2008, Brasília. Anais… Brasília: ANPPAS, 2008. Disponível em: <http://www.anppas.

org.br/encontro4/cd/ARQUIVOS/GT3‑556‑457‑20080515094101.pdf>. Acesso em: mar.2013.

VERGARA, A.; DINIUS, O.J. Company towns in the Americas. Georgia: Georgia University

Press, 2011.

VERGARA, A.; FELIÚ, E.G. A modern company towns in the Chilean Andes. In: VERGARA, A.;

DINIUS, O.J. Company towns in the Americas. Georgia: Georgia University Press, 2011, p.178‑197.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v14n2a3897

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.