O estudo dos usos e da apropriação do solo como base para a definição do destino das áreas de requalificação urbana

Maria Cristina Schicchi

Resumo


O texto introduz a discussão sobre a importância do conhecimento dos usos e das formas de apropriação dos espaços para a definição e o destino de áreas de reabilitação urbana. Defende a elaboração de pesquisas e dados pormenorizados sobre os centros, contextualizados por seus processos de transformação e dinâmicas urbanas como principais parâmetros para o estabelecimento de diretrizes de preservação, desenvolvimento urbano e requalificação dos espaços. Nesse sentido, os vazios urbanos, os espaços subutilizados e os edifícios desocupados são tomados como principais indicadores do estado atual e do potencial de mudança e/ou permanência de usos e possíveis transformações das áreas. Foram escolhidas para estudo duas áreas com pátios ferroviários e estações desativadas em Campinas, a Estação Central e a Estação Guanabara, incluindo as áreas envoltórias e suas relações com o centro histórico da cidade. O texto evidencia que, embora se trate de estações na mesma área central, essas possuem distinto potencial de reconversão e recomposição do tecido urbano e da paisagem central.

PALAVRAS-CHAVE: requalificação, uso do solo, Campinas, leitos ferroviários.


Palavras-chave


requalificação, uso do solo, Campinas, leitos ferroviários.

Texto completo:

PDF

Referências


ARANTES, A. A guerra dos lugares. Sobre fronteiras

simbólicas e liminaridades no espaço urbano. Revista

do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, São Paulo,

n.23, 2000.

BADARÓ, R. Campinas, o despontar da modernidade.

Campinas: Editora da Unicamp, 1996.

ESTATUTO DA CIDADE. Guia para implementação

pelos municípios e cidadãos. Brasília: Instituto Polis,

HARVARD DESIGN MAGAZINE. Durability and Ephemerality.

Cambridge: Harvard University Graduate

School, 1997.

HUET, B. L’architecture contre la ville. AMC Revue

D’Architecture, Paris, n.14, decembre 1986.

LAPA, J. R. do A. A cidade, os cantos e os antros. Campinas,

-1900. São Paulo: Edusp, 1995.

PREFEITURA DA CIDADE DE SÃO PAULO. Plano Diretor

Estratégico do Município de São Paulo. São Paulo:

Secretaria Municipal de Planejamento, 2002.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CAMPINAS. Plano Diretor

de Campinas. Campinas, 1995.

_________. Plano de Requalificação Urbana da Área

Central de Campinas. Secretaria de Planejamento,

Desenvolvimento Urbano e Meio Ambiente – Deplan.

Campinas, 2002. Versão preliminar.

REVISTA OCULUM ENSAIOS. Campinas: História do

Urbanismo. Campinas: PUC-Campinas, jan. 2002.

SANTOS, A. da C. Campinas, das origens ao futuro.

Compra e venda de terra e água e um tombamento na

primeira sesmaria da Freguesia de Nossa Senhora da

Conceição das Campinas do Mato Grosso de Jundiaí

(1732-1992). Campinas: Editora da Unicamp, 2002.

SCHICCHI, M. C. Local ou global: o centro como princípio.

In: SCHICCHI, M. C.; BENFATTI, D. M. (Org.)

Urbanismo: Dossiê São Paulo-Rio de Janeiro. Campinas:

PUC-Campinas, UFRJ, 2003. p.297.

WEBGRAFIA

PREFEITURA DA CIDADE DE PELOTAS. III Plano Diretor

Pelotas. 2002. Pelotas: Disponível em: <www.pelotas.rs.gov.br/politica_urbana_ambiental/planejamento_urbano/III_plano_diretor/plano_diretor/_mod

elo_urbano_apresetacao.htm>.

PREFEITURA DE PORTO ALEGRE. Plano Diretor de

Desenvolvimento Urbano Ambiental, 1999. Porto Alegre.

Disponível em: .

PROGRAMA MONUMENTA. Disponível em: <www.

monumenta.gov.br>.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.