Reflexões sobre intervenções arquitetônicas contemporâneas em ruínas

Rodrigo Espinha Baeta, Juliana Cardoso Nery

Resumo


 

Apesar de a ruina ser um estado de degradação do edifício ou do espaço urbano no qual não e mais possível a apreciação de sua condição artística preexistente, muitas vezes o processo de arruinamento acaba gerando uma nova obra de arte mais interessante que a própria massa edificada “original”. Ha mais de duzentos anos, desde o Século XVIII, a cultura do Romantismo já havia intuído o valor estético pitoresco e sublime das ruinas, especialmente quando lançadas em um ambiente natural, selvagem — não urbano. Contudo, nos últimos anos, muitas ações contemporâneas tem comprometido fatalmente o equilíbrio da ruina com o sitio onde está inserida. Se algumas vezes os órgãos de proteção do patrimônio insistem na reconstrução de objetos arquitetônicos ou urbanos arruinados, outras vezes arquitetos promovem verdadeiras deturpações da percepção original dos sítios, utilizando a construção degradada como ocasião para gerar uma nova obra arquitetônica fundada no conflito entre o aspecto preexistente e uma imagem artística totalmente inovadora. Não obstante, frequentemente, o resultado e fascinante, criando um destaque que o monumento pode nunca ter tido antes, e qualificando a intervenção como referência paradigmática para a arquitetura contemporânea.

 

PALAVRASCHAVE: Patrimônio edificado. Projeto de intervenção. Ruina.

 


Palavras-chave


Patrimônio edificado. Projeto de intervenção. Ruina.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDRADE JUNIOR, N. A re‑semantização das ruínas na modernidade e sua dignificação pela

arquitetura contemporânea. In: ENCONTRO NACIONAL DE ARQUITETOS, ARQUIMEMÓRIA,

, 2008, Salvador. Anais… Salvador: IAB, 2008.

BRANDI, C. Teoria da restauração. Cotia: Artes e Ofícios, 2004. p.66‑82.

EDWIGES LEAL, M. Patrimônio: Colégio Caraça. Revista AU, n.44, p.46‑48, 1992.

HUYSSEN, A. Culturas do passado‑presente: modernismos, artes visuais, políticas da memória. Rio

de Janeiro: Contraponto, 2014.

LÓPEZ LUJÁN, L.; CHÁVEZ BALDERAS, X. Al pié del Templo Mayor: excavaciones en busca

de los soberanos Mexicas. In: LÓPEZ LUJÁN, L.; MCEWAN, C. (Org.). Moctezuma II: tiempo y

destino de un gobernante. Ciudad de México: Instituto Nacional de Antropología e Historia, 2010.

p.294‑320.

MELLO, U. A. A restauração da Casa da Torre. In: HOLANDA, G. (Org.) A Casa da Torre de Garcia

D’Ávila. Rio de Janeiro: Cecília Jucá de Holanda, 2002. p.59‑64.

RUSKIN, J. A lâmpada da memória. Salvador: Mestrado em arquitetura e Urbanismo da

UFBA, 1996.

SANTA CECÍLIA, B. Éolo Maia: complexidade e contradição na arquitetura brasileira. Belo Horizonte:

Editora da UFMG, 2006.

ZICO, J. T. Caraça: sua igreja e outras construções. Belo Horizonte: FUMARC, 1983. p.128.

ZICO, J. T. Caraça: peregrinação, cultura, turismo. Belo Horizonte: Littera Macial, 1988. p.158.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v14n2a3871

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.