Assessorias técnicas: trajetória e destinos entre o mercado e o estado

Olivia de Campos Maia Pereira

Resumo


Este artigo pretende reconstruir a trajetória das assessorias técnicas formadas por arquitetos, desde a década de 1950 até os dias atuais. Por meio dessa reconstituição, propõe-se discutir o ambíguo papel desses agentes sociais, que têm suas oportunidades de trabalho aumentadas à medida que aumentam as carências de moradia e as dificuldades de acesso à cidade. São tratados seus diversos momentos históricos, como as primeiras inserções nas questões sociais, por meio de experiências em escritórios pilotos, as idéias emancipatórias do grupo Arquitetura Nova até as assessorias dos mutirões “autogeridos” na década de 1980. Trata-se ainda a tentativa de resgate da atuação de algumas assessorias desse último período – década de 1980 – por meio do Programa Crédito Solidário do atual governo federal.

PALAVRAS-CHAVE: assessorias técnicas, habitação, arquitetura, políticas públicas, crédito solidário.


Palavras-chave


assessorias técnicas, habitação, arquitetura, políticas públicas, crédito solidário.

Texto completo:

PDF

Referências


ARANTES, P. F. Arquitetura Nova: Sérgio Ferro, Flávio

Império e Rodrigo Lefévre, de Artigas aos mutirões. São

Paulo: TFG FAU-USP, 2000.

BOLAFFI, G. Os mitos sobre o problema da habitação.

Espaço e Debates, n.17, 1986.

BUENO, L. M. de M. Projeto e favela. Metodologia para

projeto de urbanização. São Paulo, 2000. Tese (Doutorado)

– Faculdade de Arquitetura, Universidade de São

Paulo.

BUZZAR, M. A. Rodrigo Lefévre e a idéia de vanguarda.

São Paulo, 2002. Tese (Doutorado) – Faculdade de

Arquitetura, Universidade de São Paulo.

CADERNO GFAU. Conversa com Sérgio Ferro, 2002.

CARVALHO, C. S. A.Lupa e telescópio: o mutirão em foco.

São Paulo, anos 90 e atualidade. São Paulo, 2004. Dissertação

(Mestrado) – Faculdade de Arquitetura, Universidade

de São Paulo.

KOURY, A. P. Grupo Arquitetura Nova. São Carlos,

Dissertação (Mestrado) – Escola de Engenharia

de São Carlos, Universidade de São Paulo.

OLIVEIRA, F. Acumulação monopolista, Estado e urbanização:

a nova qualidade do conflito de classes. In:

MOISÉS, J. A. et al. Contradições urbanas e movimentos

sociais. São Paulo: Cedec, Paz e Terra, 1978.

PEREIRA, J. F. Mutirão e autogestão no Jardim São Francisco

(1989-1992): movimento de moradia, lugar do

arquiteto. São Paulo, 1997. Dissertação (Mestrado) –

Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de

São Paulo.

PEREIRA, O. de C. M. O crédito solidário como política

pública para habitação popular: mudanças no cenário?

Campinas, 2006. Dissertação (Mestrado) – Pontifícia

Universidade Católica.

REINACH, C. H. Projeto Vila Nova Cachoeirinha.

Construção Habitacional por ajuda mútua. In: II Seminário

Internacional. Programa de Estudios de Vivienda

en America Latina. Universidad Nacional de Colombia,

RIZEK, C. S.; LOPES, J. M. O mutirão autogerido como

um procedimento inovador na produção da moradia para

os pobres: uma abordagem crítica. São Paulo: Coletânea

Habitare, 2005.

RIZEK, C. et al. A política de produção habitacional por

mutirões autogestionários: construindo algumas questões.

RBEUR, 2003.

RONCONI, R. Habitações construídas com gerenciamento

pelos usuários, com organização da força de trabalho

em regime de mutirão: o Programa Funaps comunitário.

São Carlos, 1995. Dissertação (Mestrado) –

Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de

São Paulo.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.