Áreas urbanas marginais e projetos experimentais: subjetividades subalternas e suas territorialidades em cidades do noroeste de São Paulo

Evandro Fiorin

Resumo


Muitas cidades do noroeste de São Paulo (Brasil), se desenvolveram com a chegada da ferrovia e tiveram grande prosperidade com a instalação de plantas agroindustriais próximas à linha férrea. No entanto, as sucessivas crises de matérias-primas — como o café e o algodão — e a falta de investimento na rede ferroviária brasileira levaram ao fechamento das fábricas e ao desmantelamento do transporte ferroviário. Em cidades como Presidente Prudente, Araçatuba, Birigui, São José do Rio Preto, Marília e Assis, porções das áreas centrais se converteram em interstícios urbanos sem destinação específica. Nestes locais, grandes galpões industriais, vilas de ferroviários em ruínas, estações de trem abandonadas, reservatórios d’água velhos e secos, antigas oficinas de locomotivas danosas e cemitérios de vagões de trem, agora são as folhas de um passado dourado e decadente, circunscrito no centro dessas cidades. Lugares marginais, com seus usos transgressores, ocupados, em sua maioria, por: andarilhos, pessoas sem-teto e usuários de drogas. Neste contexto, o trabalho tem sido a busca da cognição desses espaços por meio da leitura das pistas deixadas pelas subjetividades subalternas que habitam estas territorialidades. Para estudá-los, tentou-se fazer algumas montagens e desmontagens dessas áreas. “Representações” plurais, cartografias sensitivas, realizadas pelo método de investigação-ação — de uma maneira participativa e experimental — com os usuários do sítio; resultado de uma imersão no lugar pelo caminhar. Agenciamentos que fazem ver as áreas centrais dessas cidades desde uma perspectiva do “outro”; sensibilidades manifestas com distância do enfoque tradicional do planejamento urbano, das agendas governamentais e dos interesses do mercado. Um processo que se coloca em favor de um manifesto de uma nova urbanidade — de Histórias e das suas novas historicidades — capaz de conectar multiplicidades, de onde não se poderia separar, usos transgressores, usuários divergentes e uma paisagem infestada de contrastes. Aqui surge o conceito de “Arquitetura Marginal”, que poderia engendrar, por exemplo, ensaios na contracultura do espaço hegemônico. Isto é, projetos experimentais para as áreas e seus agentes dissidentes, talvez hábeis em gerar informação nova e novas ideias sobre o território e suas territorialidades.


Palavras-chave


Cidades do Noroeste de São Paulo. Ferrovia. Lugares marginais. Territorialidades.

Texto completo:

PDF

Referências


ALMEIDA, S.F.; SALDANHA, M. Ruína como resistência: um lugar estranho num promontório de desejos. Revista Arqa, n.112, p.108-111, 2014.

CARERI, F. Walkscapes ten years later. In: CARERI, F. Walkscapes: o caminhar como prática estética. São Paulo: Gustavo Gili, 2013. p.169-174.

DAGNINO, R. Os Estudos sobre ciência, tecnologia e sociedade e a abordagem da análise de política: teoria e prática. Revista Ciência e Ensino, v.1, p.1-12, 2007. (Especial).

DÉBORD, G. Teoria da Deriva. Revista Internacional Situacionista, n.2, p.1-5, 1958.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. Mil Platôs: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora 34, 1995. v.1.

FERRARA, L.D. Cidade Imagem e Imaginário. In: FERRARA, L.D. Significados urbanos. São Paulo: Edusp, 2000. p.115-131.

FIORIN, E. Marginal Architecture: Industrial and Railroad Heritage in Sao Paulo’s Northwestern Country Towns (Experimental Projects). Athens: ATINER’S Conference Paper Series, 2016.

FIORIN, E. Patrimônio e marginalidade nos antigos leitos férreos de cidades do interior paulista. In: ROSIN, T.A.; ROSIN, T.A. (Org.). (Re)Pensando a cidade. Tupã: ANAP, 2015. p.166-199.

FIORIN, E.; HIRAO, H. (Org.). Cidades do Interior Paulista: patrimônio urbano e arquitetônico. São Paulo: Paco Editorial, 2015.

FOUCAULT, M. De outros espaços. Paris: Cercle d’Études Architecturales, 1967.

GOMES, M. T. S. O processo de reestruturação produtiva em cidades médias do oeste paulista: Araçatuba, Birigui, Marília, Presidente Prudente e São José do Rio Preto. Tese (Doutorado em Geografia) — Universidade de São Paulo, São Paulo, 2007.

GUATTARI, F. A Restauração da paisagem urbana. Revista do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional, n.24, p.293-300, 1996. JACQUES, P.B. A experiência errática da cidade: em busca da alteridade urbana. In: RIBEIRO, A.C.T.; VAZ, L.F.; SILVA, M.L. Leituras da cidade. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2012. p.48-63.

McDONOUGH, W. Cradle to Cradle: criar e reciclar ilimitadamente. São Paulo: G. Gili, 2013.

MELO, A.P.Z.; FIORIN, E. Araçatuba: patrimônio e marginalidade ao longo do antigo leito férreo. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE REABILITAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO E EDIFICADO. A DIMENSÃO DO COTIDIANO DO PATRIMÔNIO E OS DESAFIOS PARA SUA PRESERVAÇÃO, 12., 2014, Bauru. Anais… Bauru: Unesp, 2014. p.269-276.

MERLEAU-PONTY, M. Fenomenologia da percepção. São Paulo: Martins Fontes, 1999.

PASSOS, E.; BARROS, R.B.A Cartografia como método de pesquisa-intervenção. In: PISTAS do método da cartografia: pesquisa, intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015. p.17-31.

PASSOS, E; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. Pistas do método da cartografia: pesquisa, intervenção e produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina, 2015.

PÁTARO, A.D.R.; FIORIN, E. Marília: patrimônio e marginalidade ao longo do antigo leito férreo. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE REABILITAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO E EDIFICADO. A DIMENSÃO DO COTIDIANO DO PATRIMÔNIO E OS DESAFIOS PARA SUA PRESERVAÇÃO, 12., 2014, Bauru. Anais… Bauru: Unesp, 2014, p.260-268.

PEREIRA, M.S. Dimensões da experiência: espaço público, alteridade e Lugar. In: RIBEIRO, A.C.T.; VAZ, L.F.; SILVA, M.L. Leituras da cidade. Rio de Janeiro: Letra Capital, 2012. p.39-42.

PORRAS-YSLA, F. Interrogatorio a la disciplina. In: GAUSA, M.; DEVESA, R. (Ed.). Otra mirada: posiciones contra crónicas. Barcelona: G. Gili, 2010. p.63-67.

ROLNIK, S. Cartografia sentimental: transformações contemporâneas do desejo. Porto Alegre: Editora UFRGS, 2016.

ROSA, A.S.; FIORIN, E. Birigui: patrimônio e marginalidade ao longo do antigo leito férreo. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE REABILITAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO E EDIFICADO. A DIMENSÃO DO COTIDIANO DO PATRIMÔNIO E OS DESAFIOS PARA SUA PRESERVAÇÃO, 12., 2014, Bauru. Anais… Bauru: Unesp, 2014. p.287-295.

SANTOS, E.V.; FIORIN, E. Presidente Prudente: patrimônio em marginalidade ao longo do leito férreo. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE REABILITAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO E EDIFICADO. A DIMENSÃO DO COTIDIANO DO PATRIMÔNIO E OS DESAFIOS PARA SUA PRESERVAÇÃO, 12., 2014, Bauru. Anais… Bauru: Unesp, 2014. p.277-286.

SILVA, A. Imaginários: estranhamentos urbanos. São Paulo: Sesc, 2014.

SOUZA, J.A.; FIORIN, E. São José do Rio Preto: patrimônio e marginalidade ao longo do leito férreo. In: CONGRESSO INTERNACIONAL DE REABILITAÇÃO DO PATRIMÔNIO ARQUITETÔNICO E EDIFICADO. A DIMENSÃO DO COTIDIANO DO PATRIMÔNIO E OS DESAFIOS PARA SUA PRESERVAÇÃO, 12., 2014, Bauru. Anais… Bauru: Unesp, 2014.

p.251-259.

THIOLLENT, M. Metodologia da pesquisa-ação. São Paulo: Cortez, 2008.

TOURAINE, A. Um novo paradigma: para compreender o mundo de hoje. Petrópolis: Vozes, 2006.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v14n3a3710

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.