Paisagem revelada: possibilidades morfológicas nas favelas do Rio de Janeiro

Moema Falci Loures, Glauci Coelho

Resumo


O presente trabalho debate a paisagem urbana da cidade do Rio de Janeiro, mais especificamente as diversas textualidades morfológicas das favelas que ativam novas paisagens possíveis. A paisagem caracterizada pelo sentido de  omplementaridade e concorrência, revelando a interação complexa entre o instituído e o marginal, o estático e o instantâneo, que associam sistemas culturais, socioeconômicos e espaciais. Nosso recorte se manifesta em três tempos: a ocupação na encosta de morros; ocupações horizontais; e outras possibilidades morfológicas, como a ocupação dos antigos terrenos industriais e do Canal da Cunha (Bahia de Guanabara) por uma casa flutuante. Assim buscamos questionar alguns mitos que acompanham a formação do arquiteto e urbanista e que ainda reproduzem a matriz moderna através do método de relações binárias: casa/rua; público/privado; formal/informal; periférico/central. Pretendemos demonstrar que estas divisões binárias já não fazem sentido na concepção de Projetos-Urbanos, especialmente se voltamos nossa atenção para os territórios
com marcas de ilegalidade que, ao longo do tempo, foram se transformando no que hoje denominamos de favela e constituem a paisagem urbana do Rio de Janeiro.
PALAVRAS-CHAVE: paisagem urbana, projeto urbano, favela.

Palavras-chave


paisagem urbana, projeto urbano, favela.

Texto completo:

PDF

Referências


ABBAGNANO, N. Dicionário de Filosofia. São Paulo:

Martins Fontes, 2003.

CARLOS, A. F. A. A Cidade. Rio de Janeiro: Contexto.

COELHO, G. Espaço vivido favela: brincadeiras infantis

nos espaços livres da Rocinha. Rio de Janeiro, 2004.

Dissertação (Mestrado) – Proarq, Universidade Federal

do Rio de Janeiro.

COELHO, G., LOURES, M. F. et al.. Paisagem urbana no

Rio de Janeiro: o Projeto-Urbano na cidade entre a legalidade

e a legitimidade. In: IV Congresso Brasileiro de

Direito Urbanístico. Instituto Brasileiro de Direito

Urbanístico – IBDU, São Paulo, 2006.

CORRÊA, R. L. O espaço urbano. 4.ed. Rio de Janeiro:

Ática, 2000.

DELEUZE, G., GUATTARI, F. O que é a filosofia. Rio de

Janeiro: Editora34, 2004.

DUARTE, C. R. Intervention publique et dynamique

sociale dans un nouvel espace de pauvreté urbaine: Vila

Pinheiros à Rio de Janeiro. Paris, 1993. Tese (Doutorado)

– Université Paris I Panthéon-Sorbonne.

LAMAS, J. M. R. G. Morfologia urbana e desenho da

cidade. 2.ed. São Paulo: Fundação Calouste Gulbenkian,

LEFEBVRE, H. La production de l’espace. 4.ed. Paris:

Anthropos, 2000.

LOURES, M. F.Previsibilidade e imprevisibilidade: fronteiras

móveis do Projeto-Urbano. Rio de Janeiro, 2006. Dissertação

(Mestrado) – Programa de Pós-Graduação em

Urbanismo da Universidade Federal do Rio de Janeiro.

SITTE, C. A construção das cidades segundo seus princí­

pios artísticos. São Paulo, Ática, 1992.

VARELLA, D., BERTAZZO, I., BERENSTEIN JACQUES,

P. Maré: vida na favela. Rio de Janeiro: Casa da Palavra,

VENTURI, R.Complexidade e contradição na arquitetura.

Trad. Álvaro Cabral. São Paulo: Martins Fontes, 1995.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.