Construtores anônimos em Campinas (1892-1929): reflexões sobre o estudo da história da arquitetura

Rita de Cássia Francisco

Resumo


Este artigo pretende analisar o panorama da construção civil em Campinas entre fins do século XIX e as duas primeiras décadas do século XX e trazer à tona a produção arquitetônica
de projetistas — engenheiros e arquitetos — e construtores até hoje pouco estudados pelas pesquisas acerca da história e da arquitetura do município. A discussão proposta desdobra‑se a partir de duas dimensões temporais, sendo a primeira aquela em que se construíram os exemplares arquitetônicos de que pretendemos tratar, e a segunda, contemporânea, aquela atrelada ao movimento das ideias e à atuação das personagens envolvidas com a questão da história, da arquitetura e do patrimônio cultural. Tem como objetivo partir da cidade real, expressa tanto materialmente quanto na documentação arquivística, para então verificar a repercussão do esquecimento desses construtores na historiografia, nas pesquisas acadêmicas mais atuais e práticas preservacionistas do município e iniciar a discussão sobre os processos e/ou motivos que levaram à reiteração desse esquecimento, dessa vez por meio da consolidação de uma visão monumental e alegórica do patrimônio cultural de Campinas.
Palavras‑chave: História. Arquitetura. Campinas. Patrimônio cultural.

Palavras-chave


História. Arquitetura. Campinas. Patrimônio cultural.

Texto completo:

PDF

Referências


Badaró, R.S.C. O Plano de Melhoramentos Urbanos de

Campinas (1934‑1962). 1986. Dissertação (Mestrado)

– Escola de Engenharia de São Carlos, Universidade de

São Paulo, São Carlos, 1986.

Choay, F. A alegoria do patrimônio. São Paulo: Estação

Liberdade, 2001.

D’Alambert, C.C. O tijolo nas construções paulistanas

do século XIX. 1993. Dissertação (Mestrado) – Facul‑

dade de Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São

Paulo, São Paulo, 1993.

Fabris, A. (Org). Ecletismo na arquitetura brasileira.

São Paulo: Nobel, 1987

Ficher, S. Ensino e profissão: o curso de engenhei‑

ro‑arquiteto da Escola Politécnica de São Paulo. 1989.

Tese (Doutorado) – Faculdade de Filosofia, Letras e

Ciências Humanas, Universidade de São Paulo, São

Paulo, 1989.

Francisco, R.C. As oficinas da Companhia Mogiana

de Estradas de Ferro: arquitetura de um complexo pro‑

dutivo. 2007. Dissertação (Mestrado) – Faculdade de

Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo,

São Paulo, 2007.

Francisco, R.C. Inventário como ferramenta de

preservação: a experiência da cidade de Campinas/SP.

Revista Eletrônica do Centro de Preservação Cultural da

Universidade de São Paulo, n.6, p.119‑141, jun. 2008.

Halbwachs, M. A memória coletiva. São Paulo: Cen‑

tauro, 2004.

Kühl, B.M. Arquitetura do ferro e arquitetura ferroviá‑

ria em São Paulo: reflexões sobre sua preservação. São

Paulo: Fapesp, 1998.

Lapa, J.R.A. A Cidade: os cantos e os antros. São Paulo:

Edusp, 1996.

Le Goff, J. História e memória. Campinas: Unicamp,

Lemos, C.A.C. Alvenaria burguesa. São Paulo: No‑

bel, 1985.

Lemos, C.A.C. Ramos de Azevedo e seu escritório. São

Paulo: Pini, 1993.

Martins, J.S. A ferrovia e a modernidade em São

Paulo: a gestação do ser dividido. Revista USP, n. 63,

p.6‑16, 2004.

Matos, O.N. Café e ferrovias: a evolução ferroviária de

São Paulo e o desenvolvimento da cultura cafeeira. São

Paulo: Arquivo do Estado, 1981.

Monteiro, A.M.R.G. Ramos de Azevedo: presença e

atuação profissional em Campinas: 1879‑1886. 2000.

Dissertação (Mestrado) – Centro de Ciências Exatas,

Ambientais e de Tecnologia, Pontifícia Universidade

Católica de Campinas, Campinas, 2000.

Nora, P. Entre memória e história: a problemática dos

lugares. Projeto História, n.10, p.7‑28, 1993.

Pellicciotta, M. Subsídios para o estudo da evo‑

lução urbana de Campinas. Revista do ICH, n.1,

p.96‑124, 1997.

Pollak, M. Memória, esquecimento, silêncio. Estu‑

dos Históricos, v.2, n.3, p.3‑15, 1989.

Saes, F.A.M. As ferrovias de São Paulo, 1870‑1940: ex‑

pansão e declínio do transporte ferroviário de São Pau‑

lo. São Paulo: Hucitec, 1981.

Santos, M. A natureza do espaço: técnica e tempo, ra‑

zão e emoção. São Paulo: Edusp, 2004.

Semeghini, U.C. Campinas: agricultura, industria‑

lização e urbanização. 1991. Dissertação (Mestrado)

– Faculdade de Economia, Universidade Estadual de

Campinas, Campinas, 1991.

Stevenson, C.W. Palestra proferida no Rotary Club de

Campinas em 17 de novembro de 1933. Campinas: Li‑

notypia da Casa Genoud, 1933.


Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.