A perspectiva tecnológica da sustentabilidade ambiental: Buckminster Fuller e a arquitetura dos anos 2000 / The technological perspective of environmental sustainability: Buckminster Fuller and the architecture of the 2000’s

Raphael Grazziano

Resumo


No fim dos anos 1980, consolida-se o discurso atualmente ainda hegemônico a respeito da crise ambiental, por meio da categoria de “sustentabilidade”. Elaborada no relatório Brundtland, a sustentabilidade tem como corolário o avanço tecnológico como a principal solução para os problemas ecológicos, pois estratégias inovadoras permitiriam uma superação dos impasses de exploração do ambiente e resultariam inclusive em desenvolvimento social. Para investigar como uma posição semelhante foi produzida na arquitetura, elegemos um caso específico, dos projetos e escritos de Richard Buckminster Fuller, apontando ali não só um elo inesperado entre tendências ditas low e high tech na arquitetura, mas também como sua obra foi apropriada de modos distintos em diferentes momentos históricos. Após analisar a relação ambígua de Fuller com a técnica industrial, e o uso que seus contemporâneos lhe deram, veremos também como ela está presente na arquitetura dos anos 2000, tomando para isso a obra da Foster+Partners.


Palavras-chave


Modernização ecológica. Norman Foster. Richard Buckminster Fuller. Sustentabilidade ambiental.

Texto completo:

PDF

Referências


ALL WATCHED OVER BY MACHINES OF LOVING GRACE. Directed and writing by Adam Curtis. Produced by Lucy Kelsall. United Kingdon: BBC Productions, 2011. Episode n.2, 59min21s.

ARANTES, P.F. Arquitetura na era digital-financeira: desenho, canteiro e renda da forma. São Paulo: Editora 34, 2012.

AV MONOGRAFÍAS. Madrid: Arquitectura Viva, n.163-164, 2013. (Norman Foster: In the 21st

Century.

BANHAM, R. Theory and design in the first machine age. 2nd ed. New York: Praeger Publishers,

BROWN, M.F. A tale of three buildings: Certifying virtue in the new moral economy. American

Ethnologist, v.37, n.4, p.741-752, 2010. http://dx.doi.org/10.1111/j.1548-1425.2010.01282e

COHEN, J.L. O futuro da arquitetura desde 1889: uma história mundial. São Paulo: CosacNaify, 2013.

CHU, H. A biographical sketch. AV Monografías, n.143, p.26-35, 2010. (Buckminster Fuller 1895-1983).

CURTIS, W.J. R. Arquitetura moderna desde 1900. 3. ed. Porto Alegre: Bookman, 2008.

EDWARDS, B.; DU PLESSIS, C. Snakes in utopia: A brief history of sustainability. Architectural Design, v.71, n.4, p.9-19, 2001.

EUROPEAN SPACE AGENCY. Building a lunar base with 3D printing. 2013. Available from:

<http://www.esa.int/Our_Activities/Space_Engineering_Technology/Building_a_lunar_base_

with_3D_printing>. Cited: Mar. 21, 2017.

FERNÁNDEZ-GALIANO, L. ¡La economía, ecologistas! La construcción sostenible ante la crisis del petróleo. Arquitectura Viva, n.105, p.23-25, 2005. (Etiquetas verdes).

FERNÁNDEZ-GALIANO, L. Fuller abreviado. AV Monografías, n.143, p.4-23, 2010. (Buckminster Fuller 1895-1983).

FOSTER, H. O complexo arte-arquitetura. São Paulo: CosacNaify, 2015.

FOSTER, N. The Dymaxion Car: Its context. AV Monografías, n.143, p.62-85, 2010.

FOSTER, N.; FERNÁNDEZ-GALIANO, L. (Ed.). Nota dos editores. AV Monografías, n.143,

p.116, 2010. (Buckminster Fuller 1895-1983).

FRAMPTON, K. História crítica da arquitetura moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1997.

FREUND, P. Buckyfy Wall Street! [S.l.]: Buckminster Fuller Institute, 2011. Available from: . Cited: Mar. 21, 2017.

FULLER, R.B. Operating manual for spaceship Earth. [S.l.]: Lars Müller Publishers, 1969.

FULLER, R.B. Education for comprehensivity. In: FULLER, R.B. Approaching the benign environment. New York: University of Alabama Press, 1970. p.15-110.

FULLER, R.B. Earth, Inc. New York: Anchor Books, 1973.

GONÇALVES, J.C. A sustentabilidade do edifício alto: uma nova geração de edifício altos e sua inserção urbana. 2003. 488 f. Tese (Doutorado em Estruturas Ambientais Urbanas) — Universidade de São Paulo, São Paulo, 2003.

GORDON, A. True green: Lessons from 1960s’-70s: Counterculture architecture. Architectural

Record, v.196, n.4, p.78-84, 2008.

ILLICH, I. A convivencialidade. Lisboa: Publicações Europa-América, 1976.

JENCKS, C. The language of post-modern architecture. 2nd ed. London: Academy Editions, 1978.

KALLIPOLITI, L.; SHAO, A. Eco Redux: Design remedies for a dying planet: An archival and design resource for ecological material experiment. 2009. Available from: . Cited: July 21, 2015.

MOL, A.P.J.; SONNENFELD, D.A. Ecological modernisation around the world: An introduction. Environmental Politics, v.9, n.1, p.1-14, 2000. http://dx.doi.org/10.1080/09644010008414510

MONTANER, J.M. Depois do movimento moderno: arquitetura da segunda metade do século XX. Barcelona: Editorial Gustavo Gili, 2001.

PORTOGHESI, P. Arquitectura e crise da energia. In: PORTOGHESI, P. Depois da arquitetura moderna. São Paulo: Martins Fontes, 1985. p.25-34.

RAGON, M. Histoire de l’architecture et de l’urbanisme modernes. Paris: Casterman, [1991]. 3v.

SCOTT, F. D. Architecture and techno-utopia: Politics after modernism. Cambridge: The MIT

Press, 2007.

SNYDER, A.F. Growing up with Bucky. AV Monografías, n.143, p.36-43, 2010. (Buckminster

Fuller 1895-1983).

SPAARGAREN, G. Ecological modernization theory and the changing discourse on environment and modernity. In: SPAARGAREN, G. et al. (Ed.). Environment and global modernity. London: Sage Publications, 2000. p.41-71.

SUDJIC, D. How much does your building weight? AV Monografías, n.143, p.96-101, 2010.

(Buckminster Fuller 1895-1983).

TABB, P.J.; DEVIREN, A.S. The greening of architecture: A critical history and survey of contemporary sustainable architecture and urban design. Surrey: Ashgate Publishing, 2013.

TURNER, F. A technocrat for the counterculture. AV Monografías, n.143, p.102-115, 2010.

(Buckminster Fuller 1895-1983).

WINES, J. Green architecture. Köln: Taschen, 2000.

ZUNG, T. Houses for the future. AV Monografías, n.143, p.46-51, 2010. (Buckminster Fuller

-1983).




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v15n1a3374

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.