Discursos que estruturam o poder simbólico no espaço edificado escolar

Silvia Kimo Costa, Milton Ferreira da Silva Junior

Resumo


O presente artigo apresenta os principais resultados e discussões da tese intitulada “Discursos Arquitetônicos e Práticas de Ensino e Aprendizagem: fundamentação, disciplinamento e subjetividades produzidas”, que objetivou avaliar como o Poder Simbólico vem se estruturando em instituições escolares em função de três discursos: Arquitetura, Projeto Político Pedagógico e Práticas de Ensino e Aprendizagem docentes. Foram escolhidas três escolas para a pesquisa: uma representativa do ensino particular, localizada em Ilhéus (BA); uma representativa do ensino público, localizada em Itabuna (BA), e outra fundada e dirigida por uma Associação de Pais e Professores e financiada por Organizações não Governamentais, localizada em Uruçuca (BA). A fundamentação teorico‑metodológica baseou‑se na complementaridade entre cinco áreas do conhecimento: Arquitetura, Pedagogia, Sociologia, Psicossociologia e Arqueogenealogia. As técnicas de pesquisa utilizadas foram roteiros para observação e analise das edificações e espaços adjacentes, para fichamento e analise dos Projetos Políticos Pedagógicos e para entrevista semi‑estruturada aplicada a docentes. A análise das informações se deu através de uma matriz de sistematização e triangulação de dados e de diagramas cartográficos da subjetividade.

PALAVRASCHAVE: Arquitetura escolar. Cartografia das subjetividades. Discursos.


Palavras-chave


Arquitetura escolar. Cartografia das subjetividades. Discursos.

Texto completo:

PDF

Referências


ASSIS, R.A.M. A educação em itabuna: um estudo da organização escolar (1906‑1930). Ilhéus:

Editus, 2006.

BOURDIEU, P. O poder simbólico. Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1989.

CALDEIRA, A.M.S.; ZAIDAN, S. Prática pedagógica. In: OLIVEIRA, D.A.; DUARTE, A.C.; VIEIRA

L.M.F. (Org.). Dicionário: trabalho, profissão e condição docente. Belo Horizonte: UFMG, 2010.

CASTRO, M. Um estudo das relações de poder na escola pública de ensino fundamental à luz de

Weber e Bourdieu: do poder formal, impessoal e simbólico ao poder explícito. Revista da Faculdade

de Educação, v.24, n.1, p.9‑22, 1998.

COSTA L.A.; FONSECA, T.M.G. Da diversidade: uma definição do conceito de subjetividade. Revista

Interamericana de Psicología, v.42, n.3, p.513‑519, 2008.

COSTA, S.K. Discursos arquitetônicos e práticas de ensino e aprendizagem: fundamentação, disciplina‑

mento e subjetividades produzidas. 2014. Tese (Doutorado em Desenvolvimento e Meio Ambiente)

— Universidade Estadual de Santa Cruz, Ilhéus, 2014.

DELEUZE, G. Foucault. Buenos Aires: Paidós, 2008.

DELEUZE, G. The fold: Leibniz and the Baroque. New York: Continuum, 2006.

ELALI, G. O ambiente da escola: o ambiente na escola: uma discussão sobre a relação escola‑natu‑

reza em educação infantil. Revista Estudos de Psicologia, v.8, n.2, p.309‑319, 2003.

FERREIRA, J.M.C. Pedagogia libertária. In: BARQUEIRO, C. Educação libertária. Salvador: Núcleo

de Ação Direta Anarquista, 1999. p.9‑112.

FISHER, K. Linking Pedagogy and space. Victoria: Education and training, 2005. p.1‑44. Available

from: <https://www.eduweb.vic.gov.au/edulibrary/public/assetman/bf/Linking_Pedagogy _and_

Space.pdf>. Cited: Apr. 13, 2013.

FOUCAULT, M. The subject and power. In: RABINOW, P.; DREYFUS, H. Michel Foucault: Beyond

structuralism and hermeneutics. Chicago: University Chicago Press, 1983. p.230‑249.

FOUCAULT, M. Vigiar e punir: nascimento da prisão. 39.ed. Petrópolis: Vozes, 2011.

FOUCAULT, M. Microfísica do poder. 25.ed. São Paulo: Graal, 2012a.

FOUCAULT, M. Arqueologia do saber. 8.ed. Rio de Janeiro: Forense Universitária, 2012b.

FREIRE, P. Pedagogia do oprimido. Rio de Janeiro: Paz e Terra, 2011.

GADOTTI, M. História das ideias pedagógicas. São Paulo: Ática, 2012.

GALLO, S. Anarquismo e educação: os desafios para uma pedagogia libertária hoje. Política e Trabalho:

Revista de Ciências Sociais, n.36, p.169‑186, 2012.

HALL, C. B. New Learninging Environments: A study of how Architecture can respond to Inter‑

disciplinary and Mobile Learning. 2010. Doctoral Dissertation (Degree of Master os Science in

Architecture) ‑ University of Cincinnati, Cincinnat, 2010.

JUPIASSU, H. O espírito interdisciplinar. Cadernos EBAPE, v.4, n.3, p.1‑8, 2006.

LANZ, R. A Pedagogia Waldorf: caminho para um ensino mais humano. 11.ed. São Paulo: Antropo‑

sófica, 2013.

PASSOS, E.; KASTRUP, V.; ESCÓSSIA, L. Pistas do método da cartografia: pesquisa‑intervenção e

produção de subjetividade. Porto Alegre: Sulina; Editora da UFRGS, 2010.

PRADO FILHO, K.P.; TETI, M.M. A Cartografia como método para as Ciências Humanas e Sociais.

Barbarói, n.38, p.45‑59, 2013. Disponível: <http://pepsic.bvsalud.org/scielo.php?pid= S0104657

&script=sci_arttext>. Acesso em: 5 jul. 2013.

ROMAGNOLI, R.C. A cartografia e a relação pesquisa e vida. Revista Psicologia & Sociedade, v.21,

n.2, p.166‑173, 2009.

ROY, B. In language we trust: J. J. Katz anatomy of Descartes’ Cogito. The Philosophical Forum,

v.34, n.3‑4, p.439‑449, 2003. Available from: . Cited: 2014

May 30.

SEMESTSKY, I. The complexity of individuation and forthcoming. Journal of Applied Psychoanalytic

Studies, v.1, n.4, p.324‑346, 2004. Available from: <http://arrow.monash.edu.au/vital/access/ma‑

nager/Repository/monash:15089>. Cited: 2014 Jun 20.

SILVA JUNIOR, M.F. Industrializar, preservar ou conservar o meio ambiente: um trilema agroeduca‑

cional. 2006. Tese (Doutorado em Educação) ‑ Faculdade de Educação, Universidade Federal da

Bahia, Salvador, 2006.

SILVA JUNIOR, M.F.; SOARES, M.J.N.; SOUZA, A.V.M. Trilema ecoeducacional, conflitos socioambientais

e sujeitos ecológicos: épistème, disciplinamentos e cartografias das subjetividades produzidas nas

territorialidades nordestinas. Aracaju: Grupo de Pesquisa Formação Interdisciplinaridade e Meio

Ambiente, 2012. p.1‑47.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v14n1a3240

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.