Uso do solo, visibilidade e ocorrência de crimes: um estudo de caso em Florianópolis, Santa Catarina

Renato Saboya, Gabriela Hall Banki, Júlia Mayer Alves de Santana

Resumo


As duas principais correntes que estudam a relacao entre o espaco urbano e a criminalidade divergem quanto ao que seriam os efeitos dos usos comerciais e da diversidade de usos sobre a ocorrencia de crimes. A primeira corrente, vinculada a linha teorica de Jane Jacobs, defende que esses usos dificultam a acao dos criminosos por trazerem mais pessoas para a area e, com elas, os “olhos da rua”; a segunda, alinhada a Oscar Newman e seu conceito de espacos defensaveis, adota uma postura mais cautelosa e argumenta que esses usos podem enfraquecer o senso de territorialidade e, com isso, diminuir a disposicao de promover uma vigilancia natural. Com vistas a investigar essa questao, comparamos uma amostra aleatoria representativa do locais em que aconteceram crimes em Florianopolis no ano de 2011 com um Grupo de Controle, sorteado nas imediacoes de cada ponto, a fim de analisar as possíveis influencias exercidas pelos seguintes fatores: as proporcoes de cada tipo de uso (especialmente o comercial), a influencia do horario de funcionamento, a visibilidade das edificacoes para a rua e a diversidade de usos. Os resultados indicaram que a visibilidade da edificacao para a rua exerce influencia significativa, especialmente com interfaces de baixa visibilidade associadas aos locais de crime. Usos comerciais e afins tambem se mostraram associados aos locais de crime, com maior ocorrência desses usos na amostra em comparacao com o Grupo de Controle. O mesmo foi encontrado para a diversidade de usos. Quanto ao horario de funcionamento, entretanto, nao foram encontradas diferencas significativas entre os dois grupos.

Palavraschave: Criminalidade. Morfologia urbana. Uso do solo.


Palavras-chave


Criminalidade. Morfologia urbana. Uso do solo.

Texto completo:

PDF

Referências


ANDERSON, J. et al. Reducing crime by shaping the built environment with zoning: An empirical

study of Los Angeles. University of Pennsylvania Law Review, v.161, n.3, p.699‑756, 2013.

ALEXANDER, C. et al. A pattern language: Towns, buildings, construction. New York: Oxford Uni‑

versity Press, 1977.

BAUMAN, Z. Confiança e medo na cidade. Rio de Janeiro: Zahar, 2009.

BLOKLAND, A.; NIEUWBEERTA, P. Life course criminology. In: Shoham, S.G.; Knepper, P.; Kett,

M. (Ed.). International handbook of criminology. Boca Raton (FL): CRC Press, 2010.

BRANTINGHAM, P.L.; BRANTINGHAM, P.J. Nodes, paths and edges: Considerations on the com‑

plexity of crime and the physical environment. Journal of Environmental Psychology, p.3‑28, 1993.

CLARKE, R.V. Opportunity makes the thief. Really? And so what? Crime Science, v.1, n.1, p.3, 2012.

CROWE, T.D. Crime prevention through environmental design:Applications of architectural design

and space management concepts. 2nd ed. Woburn: Butterworth Heinemann, 2000.

FAJNZYLBER, P.; LEDERMAN, D.; LOAYZA, N. Inequality and violent crime. Journal of Law and

Economics, v.45, n.1, p.1‑39, 2002.

GEHL, J. Cidades para pessoas. São Paulo: Perspectiva, 2013.

HILLIER, B.; Sahbaz, O. Safety in numbers: High‑resolution analysis of crime in street networks.

In: Ceccato, V. (Ed.). The urban fabric of crime and fear. Dordrecht: Springer Netherlands, 2012.

INTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Cidades. Rio de Janeiro: IBGE, 2016.

JACOBS, J. Morte e vida de grandes cidades. São Paulo: Martins Fontes, 2000.

JOST, L. Entropy and diversity. Oikos, v.113, n.2, p.363‑375, 2006.

MONTEIRO, C. Spatial analysis of street crime. In: SHOHAM, S.G.; KNEPPER, P.; KETT, M. (Ed.).

International Handbook of Criminology. Boca Raton (FL): CRC Press, 2010. p.619‑648.

NEWBURN, T. Criminology. 2nd ed. New York: Routledge, 2012.

NEWMAN, O. Defensible space: Crime prevention through urban design. New York: MacMillan, 1973.

PERKINS, D.D. et al. The physical environment of street crime: Defensible space, territoriality and

incivilities. Journal of Environmental Psychology, v.13, n.1, p.29‑49, 1993.

SIEGEL, L.J. Criminology: the core. 4th ed. Belmont, CA: Cengage Learning, 2011.

TAYLOR, R.B. Crime prevention through environmental design (CPTED): Yes, no, maybe, unknowa‑

ble, and all of the above. In: BECHTEL, R.B.; CHURCHMAN, A. (Ed.). Handbook of environmental

psychology. New York: J. Wiley & Sons, 2002. p.413‑426.

United States Supreme Court. Village of Euclid, Ohio v. Ambler Realty Co. [S.l.:

s.n.], 1926. n. 31. Available from: <http://caselaw.lp.findlaw.com/scripts/getcase.pl?court

=US&vol=272&invol=365>. Cited: 12 jul. 2013

VAN NES, A.; LÓPEZ, M.J.J. Macro and micro scale spatial variables and the distribution of residen‑

tial burglaries and theft from cars: An investigation of space and crime in the dutch cities of alkmaar

and gouda. The Journal of Space Syntax, v.1, n.2, p.296‑314, 2010.

VIVAN, M.; SABOYA, R. Arquitetura, espaço urbano e criminalidade: relações entre espaço cons‑

truído e segurança, com foco na visibilidade. In: ENCONTRO NACIONAL DA ANPARQ, 2. 2012,

Natal. Anais… Salvador: UFBA, 2012.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v13n2a2990

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.