Narrativa e experiência do outro: um rolê afetivo no Complexo do Alemão

Carlos Henrique Magalhães de Lima

Resumo


Este trabalho tem o propósito de pensar os métodos de pesquisa no espaço urbano formulados diante das questões relativas à alteridade. Trata-se aqui de encarar os problemas e procedimentos metodológicos a partir das interações com os atores situados, com ênfase nas narrativas cotidianas e nos aspectos amplamente compartilhados de uma dada forma de sociabilidade. Sugere-se aqui que essa forma de conceber a prática de pesquisa e de projeto seja mais relevante em situações em que as transformações se processem rapidamente, como em áreas urbanas instáveis onde a precariedade impõe transversalidades de toda ordem. O artigo recorre aos coletivos urbanos do Complexo do Alemão que, em tempos recentes, adotaram práticas e atividades capazes de revelar aquilo que escapa às concepções generalizantes e, portanto, redutoras sobre a área. Como caso exemplar, propõe-se analisar o “rolezinho afetivo do Complexo do Alemão”, organizado em 2013 por coletivos e instituições que atuam no complexo com o objetivo de mapear e compreender espaços importantes da favela. Como pano de fundo, espera-se que este trabalho ofereça pistas para pensar as diferenças e assimetrias que permeiam territórios da pobreza nas grandes metrópoles.

PALAVRAS-CHAVE: Coletivos urbanos. Complexo do Alemão. Metodologia em urbanismo.


Palavras-chave


Coletivos urbanos. Complexo do Alemão. Metodologia em urbanismo.

Texto completo:

PDF

Referências


BOTELHO, M. Crise urbana no Rio de Janeiro: favelização e empreendedorismo dos pobres. In:

BRITO, F. OLIVEIRA, P.R. (Org.). Até o último homem: visões cariocas da administração armada

da vida social. São Paulo: Boitempo, 2013. p.169-213.

BRITO, F. Considerações sobre a regulação armada de territórios cariocas. In: BRITO, F. OLIVEIRA,

P.R. (Org.). Até o último homem: visões cariocas da administração armada da vida social. São

Paulo: Boitempo, 2013, p.79-114.

DELEUZE, G.; GUATTARI, F. O anti-Édipo: capitalismo e esquizofrenia. São Paulo: Editora

, 2011.

FAVRET-SAADA, J. Ser afetado. Cadernos de Campo, n.13, p.155-161, 2005.

FOSTER, H. O retorno do real. São Paulo: Cosac & Naify, 2014.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico: 2010. Rio

de Janeiro: IBGE, 2010. Disponível em: <http://biblioteca.ibge.gov.br/biblioteca-catalogo?view=d

etalhes&id=7552>. Acesso em: 23 abr. 2015.

JACQUES, P.B. A experiência errática na cidade: em busca da alteridade Urbana. In: TORRES

RIBEIRO, A.C.; VAZ, L.; SILVA, M.L.P. (Org.). Leituras da Cidade. Rio de Janeiro: Letra Capital:

ANPUR, 2012. p.48-63.

MAGNANI, J.G.C. A antropologia urbana e os desafios da metrópole. Tempo Social, v.15, n.1,

p.81-95, 2003. Disponível em: <http://www.scielo.br/scielo.php?script=sci_arttext&pid=S0103-

-20702003000100005&lng=en&nrm=iso>. Acesso em: 15 jun. 2015.

PEREIRA, M.S. O rumor das narrativas: a história da arquitetura e do urbanismo do século XX no Brasil

como problema historiográfico: notas para uma avaliação. Redobra, ano 5, n.13, p.201-247, 2014.

RANCIÈRE, J. O desentendimento: política e filosofia. São Paulo: Editora 34, 1996.

RIZEK, C. Etnografias urbanas. Redobra, ano 4, n.12, p.19-24, 2013.

RIBEIRO, A.C.T. Homens lentos, opacidades e rugosidades. Redobra, ano 3, n.9, 2012. Disponível

em: .

Acesso em: 23 abr. 2015.

SECCHI, B. Primeira lição de urbanismo. São Paulo: Perspectiva, 2006




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v12n2a2836

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.