Continuidades e descontinuidades urbanas à beira-mar: uma leitura morfológica e configuracional da área conurbada de Florianópolis

Renato Tibiriçá de Saboya, Almir Francisco Reis, Ayrton Portilho Bueno

Resumo


Florianópolis, capital do Estado de Santa Catarina, tem a maior parte de seu território situado na Ilha de Santa Catarina e pequena porção continental que, conjuntamente com as áreas urbanas dos municípios de São Jose, Palhoça e Biguaçu, formam a Área Conturbada de Florianópolis. Essa área estrutura‑se em um tecido urbano que apresenta muitas especificidades: o sitio induz a uma ocupação dispersa pela ilha e pelo continente próximo, onde aspectos históricos e sociais reforçam características geográficas, levando a profundas descontinuidades urbanas. Este trabalho analisa as características morfológicas da Área Conturbada de Florianópolis e as continuidades e descontinuidades estabelecidas pelo seu tecido. A pesquisa inclui leituras morfológicas do tecido urbano, do sitio e do processo de adaptação do território a ocupação humana. Como base teórica e conceitual das analises configuracionais realizadas, foi utilizada a Teoria da Sintaxe Espacial, explicada brevemente. Os resultados indicaram uma estrutura integradora frágil que, entretanto, ajuda a explicar a localização das classes de alta e baixa renda, bem como padrões de densidade populacional. Revelou, também, um descompasso entre os padrões globais e os padrões locais de integração, o que, por sua vez, resulta em centralidades locais frágeis e que não conseguem adquirir forca para concentrar comércios e serviços mais especializados.

PALAVRAS‑CHAVE: Configuração. Interação social. Sintaxe Espacial. Tecido urbano

Palavras-chave


Configuração. Interação social. Sintaxe Espacial. Tecido urbano

Texto completo:

PDF

Referências


BUENO, A. Patrimônio paisagístico e turismo na ilha de Santa Catarina: a premência da paisagem

no desenvolvimento sustentável da atividade turística. 2006. Tese (Doutorado) — Faculdade de

Arquitetura e Urbanismo, Universidade de São Paulo, São Paulo, 2006.

HILLIER, B. Space is the machine. London: Space Syntax, 2007. Available from: <http://spaceisthe‑

machine.com/>. Cited: Jun. 9, 2016.

HILLIER, B. Spatial sustainability in cities: Organic patterns and sustainable forms. In: Internatio‑

nal Space Syntax Symposium, 7th, 2009, Stockholm. Proceedings... Stockholm: Royal Institute of

Technology, 2009, p.K01:1-K01:20.

HILLIER, B.; IIDA, S. Network effects and psychological effects: A theory of urban movement. In:

Space Syntax Symposium, 5th, 2005, Delft. Proceedings... Delft: TU Delft, Faculty of Architecture,

Section of Urban Renewal and Management, 2005. p.553-564.

HILLIER, B.; HANSON, J. The social logic of space. Cambridge: Cambridge University Press, 1984.

HILLIER, B. et al. Creating life: Or, does Architecture determine anything? Architecture et Compor‑

tement/Architecture and Behaviour, v.3, n.3, p.233‑250, 1987.

HILLIER, B. et al. Natural movement: Or, configuration and attraction in urban pedestrian move‑

ment. Environment and Planning B: Planning and Design, v.20, n.1, p.29‑66, 1993.

HOLANDA, F.R.B. O espaço de exceção. Brasília: UnB, 2002.

INSTITUTO BRASILEIRO DE GEOGRAFIA E ESTATÍSTICA. Censo demográfico: resultados do uni‑

verso. Brasília: IBGE, 2016. Disponível em: <http://ibge.gov.br/home/estatistica/populacao/cen‑

so2010/caracteristicas_da_populacao/default_caracteristicas_da_populacao.shtm>. Acesso em:

jun. 2016.

KARIMI, K. A configurational approach to analytical urban design: “Space syntax” methodology.

URBAN DESIGN International, v.17, n.4, p.297‑318, 2012.

MARQUES, E. Social Networks, segregation and poverty in São Paulo. International Journal of Urban

and Regional Research, v.36, n.5, p.958‑979, 2012.

MEDEIROS, V. Urbis Brasiliae ou sobre cidades do Brasil: inserindo assentamentos urbanos do país

em investigações configuracionais comparativas. 2006. Tese (Doutorado) — Faculdade de Arqui‑

tetura e Urbanismo, Universidade de Brasília, Brasília, 2006.

NETTO, V.M. Espaço & sociedade: as tramas da prática e seus espaços. Porto Alegre: Sulina, 2014.

PENN, A.; HILLIER, B.; BANISTER, D.; XU, J. Configurational modelling of urban movement ne‑

tworks. Environment and Planning B: Planning and Design, v.25, n.1, p.59‑84, 1998.

REIS, A.F. Ilha de Santa Catarina: permanências e transformações. Florianópolis: UFSC, 2012.

SUGAI, M.I. Segregação silenciosa: investimentos públicos e dinâmica socioespacial na área conurbada

de Florianópolis (1970‑2000). Florianópolis: UFSC, 2015.

TURNER, A. From axial to road‑centre lines: A new representation for space syntax and a new model

of route choice for transport network analysis. Environment and Planning B: Planning and Design,

v.34, n.3, p.539‑555, 2007.

VAZ, N.P. O Centro Histórico de Florianópolis: espaço do ritual. Florianópolis: UFSC, 1991.

VILLAÇA, F. São Paulo: segregação urbana e desigualdade. Estudos Avançados, v.25, n.71, p.37‑58, 2011.

Disponível em: . Acesso em: 9 jun. 2016.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v13n1a2756

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.