Cidade em movimento: práticas insurgentes no ambiente urbano

Carlos Henrique Magalhães de Lima

Resumo


Este artigo aborda a importância e a influência dos coletivos urbanos nos espaços públicos das cidades brasileiras. Parte-se do pressuposto de que formas coletivas de ação derivam de um conjunto de contradições manifestas no espaço físico e existencial das cidades. O desenvolvimento dessas coletividades está relacionado a diversos campos, desde os movimentos sociais aos estudos sobre arte urbana; por isso, como forma de realizar um estudo detido e vertical, esta análise será desenvolvida em duas seções. A primeira se dá a partir de um breve percurso conceitual em torno dos novos coletivos urbanos e de novas formas de ação na cidade. A segunda é resultado da análise dos limites e possibilidades implicados na atuação de dois coletivos: o Opavivará!, que desenvolve trabalhos de arte e intervenção urbana, e o Ônibus Hacker, movimento de ação política pela difusão de saberes. Parte-se da premissa de que formas associativas de intervenção urbana ampliam o repertório de leituras sobre os lugares, podendo ser vinculadas às disciplinas do urbanismo. Espera-se que a discussão em torno do tema revele demandas difundidas por esses grupos organizados, o que poderá contribuir para a construção de aparatos críticos e de projetos no campo do urbanismo, capazes de auxiliar em processos alternativos de produção das cidades.

PALAVRAS-CHAVE: Coletivos urbanos. Cultura urbana. Teoria dos movimentos sociais.


Palavras-chave


Coletivos urbanos. Cultura urbana. Teoria dos movimentos sociais.

Texto completo:

PDF

Referências


ARRABAL, O. Atalho contemporâneo na avenida moderna ou a critica da razão rua. 2011. Disponí‑

vel em: <http://opavivara.blogspot.com.br/2010/08/atalho‑contemporaneo‑na‑avenida‑moderna.

html>. Acesso em: 15 set. 2012.

BORDE, A. Vazios urbanos: perspectivas contemporâneas. 2006. Tese (Doutorado) — Faculdade de

Arquitetura e Urbanismo, Universidade Federal do Rio de Janeiro, Rio de Janeiro, 2006.

CASTELLS, M. O poder da identidade. São Paulo: Paz e Terra, 2010.

CASTELLS, M. A questão urbana. 4.ed. São Paulo: Paz e Terra, 2011.

DORON, G. Transgressive urban space. In: FRANCK, K.; STEVENS, Q. (Ed.). Loose space: Possibility

and diversity in urban life. London: Routledge, 2007. p.210‑228.

GOHN, M.G. Movimentos sociais e redes de mobilizações civis no Brasil contemporâneo. Petrópolis:

Vozes, 2010.

HARVEY, D. Spaces of hope. Edinburg: Edinburg University Press, 2000.

HEALEY, P. Communicative planning: Practices, concepts, and rhetorics. In: SANYAL, B.; VALE,

L. J.; ROSAN, C. (Org.). Planning ideas that matter. Massachusetts: MIT Press, 2012. p.333‑357.

HIRSCH, N.; MIESSEN, M. What is a crítical spatial practice. Berlim: Strenberg Press, 2012.

HONNETH, A. Luta por reconhecimento: a gramática moral dos conflitos sociais. São Paulo: Editora

, 2003.

LÉVY, P. Cibercultura. São Paulo: Editora 34, 1999.

SANSÃO, A. Intervenções temporárias, marcas permanentes: apropriações, arte e festa na cidade con‑

temporânea. Rio de Janeiro: Casa da Palavra, 2014.

SANTOS, B.S. A critica da razão indolente: contra o desperdício da experiência. São Paulo: Cortez,

SANTOS, M. O retorno do território. Revista del Observatório Social de América Latina, ano 6, n.16,

p.251‑261, 2005.

SASSEN, S. Territory, autority, rights: From Medieval to global assemblages. Princeton: Princeton

University Press, 2006.

SCHERER‑WAREN, I. Redes de movimentos sociais. 3.ed. São Paulo: Edições Loyola, 2005.

SCHERER‑WAREN, I. Redes de movimentos sociais na America Latina. Caderno CRH, v.21, n.54,

p.457‑475, 2008.

TECNOPOLÍTICA: La potencia de las multitudes conectadas: el sistema‑red 15M como nuevo para‑

digma de La política distribuída. DatAnalysis15m, 2013. Disponible en: <http://datanalysis15m.

files.wordpress.com/2013/06/tecnopolitica‑15m‑resumen.pdf>. Acceso en: 27 oct. 2014.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v12n1a2711

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.