Recursos hídricos, preservação ambiental e qualificação urbana: Chapecó e a microbacia do Lajeado São José

Adriana Diniz Baldissera, Almir Francisco Reis

Resumo


Chapeco se caracteriza como polo agroindustrial do Sul do Brasil e centro econômico, político e cultural do oeste do estado de Santa Catarina. Situa‑se em sitio geográfico marcado pela abundância de recursos hídricos, pois está sobre a área de abrangência do aquífero Guarani, na margem direita do rio Uruguai, estabelecendo sua sede sobre dois de seus afluentes, cujas microbacias apresentam diferentes graus de comprometimento hídrico. A disponibilidade de agua, em quantidade e qualidade, tem sido uma condicionante ao desenvolvimento urbano nos seus diferentes ciclos econômicos, caracterizando uma relação de exploração e, na maioria das vezes, de destruição dos recursos naturais. Este trabalho investiga a relação histórica da cidade com seus cursos d’agua e seu papel na construcao do espaco urbano, levantando possibilidades no sentido da qualificacao dessa relacao no presente, especialmente na microbacia do lajeado São Jose, que ainda apresenta muitas características naturais. As sistematizações realizadas identificam e caracterizam está area, possibilitando a tomada de decisões baseadas na compreensao dos processos naturais e das variáveis do sistema urbano‑ambiental. Diversos trabalhos, entre os quais Spirn, 1995, Hough, 1998, McHarg, 2000, Mello, 2008 e Gorski, 2010, forneceram referenciais teóricos para as análises realizadas, contribuindo na discussão das funções urbanas e ambientais dos corpos d’agua.

PALAVRASCHAVE: Cidade e meio ambiente. Evolução urbana e recursos hídricos. Santa Catarina.


Palavras-chave


Cidade e meio ambiente. Evolução urbana e recursos hídricos. Santa Catarina.

Texto completo:

PDF

Referências


BALDISSERA, A.D. A cidade e as águas: Chapecó e a microbacia do lajeado São José. Dissertação

(Mestrado em Urbanismo, História e Arquitetura da Cidade) ‑ Centro Tecnológico, Universidade

Federal de Santa Catarina, Florianópolis, 2013.

CENTRO DE MEMÓRIA DO OESTE CATARINENSE. Ficha iconográfica. CCCO0134, 0138, 0179,

e CCM0033. Florianópolis: CEOM, 2012. Disponível em: <http://ceom.unochapeco.edu.

br>. Acesso em: 9 mar. 2012.

FERREIRA, C.E.G. Mapas: bacias hidrográficas. Rio de Janeiro, 1992. Pollux. Disponível em: <http://

www.editorapollux.com.br>. Acesso em: 4 nov. 2012.

GORSKI, M.C.B. Rios e cidades: ruptura e reconciliação. São Paulo: Senac, 2010.

HOUGH, M. Naturaleza y ciudad: planificacion urbana y processos ecologicos. Barcelona: G.

Gili, 1998.

MCHARG, I.L. Proyectar con la naturaleza. Barcelona: Gustavo Gili, 2000.

MELLO, S.S. Na beira do rio tem uma cidade: urbanização e valorização dos corpos d’água. 2008. Tese

(Doutorado em Programa de Pesquisa e Pós‑Graduação) ‑ Faculdade de Arquitetura e Urbanismo,

Universidade de Brasília, Brasília, 2008.

PREFEITURA MUNICIPAL DE CHAPECÓ. Secretaria de Desenvolvimento Urbano. Mapa urbano do

município de Chapecó. Chapecó: Prefeitura Municipal, 2013.

SPIRN, A.W. O jardim de granito: a natureza no desenho da cidade. São Paulo: EDUSP, 1995.

SANTA CATARINA. Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável. Ortofotocarta. Florianó‑

polis: Secretaria de Estado do Desenvolvimento Sustentável, 2013.

SECRETARIA MUNICIPAL DA CULTURA. Biblioteca Pública Neiva Maria Andreatta Costela, setor de

mapas, cópia física. Chapecó SC, 2012.




DOI: https://doi.org/10.24220/2318-0919v13n2a2659

Apontamentos

  • Não há apontamentos.


Revista Oculum Ensaios

ISSNe 2318-0919 (eletrônico)
ISSN 1519-7727 (impresso)

Este site é melhor visualizado utilizando navegador gratuito Firefox.